Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Ser delicado é prudente, ser indelicado é estupidez. Criar inimigos inutilmente é uma loucura, é como quem põe fogo à própria casa.
Schopenhauer
25/11/2022

O novo governo PT e os sindicatos

Celso Ming

Comentarista de Economia

É preciso saber se o novo governo quer mudar pontos da reforma trabalhista para melhorar o mercado de trabalho ou aparelhar os sindicatos

O PT e o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva quer mudar muita coisa nas leis trabalhistas, mas não tem propostas claras sobre o que pôr no lugar.

Enfrenta forte enfraquecimento dos sindicatos e não é apenas – nem principalmente – pelo fim do imposto sindical decretado pela Reforma Trabalhista de 2017, decidida no período Temer, que eliminou sua principal fonte de custeio.

Sindicatos fortes com receitas firmes foram importante alavanca da militância e de aparelhamento da máquina estatal do PT. A estrutura sindical forneceu aos governos Lula e Dilma recursos para mobilização e vasta malha de propaganda partidária, realizada por grupos de convencimento, com apoio em comícios, utilização de caminhões de som e até mesmo de transporte de massas e sua alimentação. Daí por que o revigoramento da estrutura sindical passou a ser propósito estratégico do novo governo.

Leia também

Descrição da imagem #pracegover: Foto de um salão cheio de pessoas sentadas em cadeiras enfileiradas. Em destaque, um homem segurando uma carteira de trabalho. Crédito: Tiago Queiroz / Estadão.

Reforma trabalhista criou situação favorável para os empregos emergirem, diz José Pastore

Economista avalia que reforma também teve uma contribuição positiva ao reduzir os conflitos envolvendo empregados e empregadores

O principal fator de esvaziamento dos sindicatos foi a enorme transformação do trabalho. Os aplicativos e novas plataformas digitais, o teletrabalho, o home office, o trabalho autônomo, a terceirização – e tudo isso junto – sabotaram as atuações no chão de fábrica, no chão de loja, no chão de agência bancária, no chão dos escritórios. A consequência foi a descentralização da atividade sindical e a dificuldade de novas mobilizações.

É verdade que o PT se propõe a lutar pela proteção social e previdenciária das novas massas proletárias que batalham pela vida pendurados em aplicativos e na gig economy (bicos e execução de tarefas temporárias). No dia 11 de novembro, Lula lamentou: “Esses trabalhadores parecem microempreendedores, mas trabalham como escravos”. Propõe-se, assim, a garantir a formalização do emprego e proteção social desse novo contingente de trabalhadores que operam em condições precárias e a criar um jeito de uni-los por meio de sindicatos.

Daí a enorme importância de assegurar novo esquema de financiamento das operações sindicais. Depois de vacilar em propor a volta do imposto sindical (um dia de salário por ano, a ser descontado da folha de pagamentos da empresa), o PT parece ter optado por uma vasta negociação coletiva entre trabalhadores, empregadores e governo, com o objetivo de criar uma contribuição sindical com cobrança mais ou menos automática que abranja sindicalizados e não sindicalizados.

Continua após a publicidade

Falta saber o que o PT pretende. A dificuldade maior é política. Como a reforma trabalhista do governo Temer foi relativamente bem-sucedida, porque derrubou o desemprego para a casa dos 8%, parece difícil arrancar de um Congresso conservador e patronal leis que, em última análise, reforçariam a militância do PT.

Fonte: Estadão
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br