Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Ser delicado é prudente, ser indelicado é estupidez. Criar inimigos inutilmente é uma loucura, é como quem põe fogo à própria casa.
Schopenhauer
21/11/2022

MRV paga R$ 10 mi e encerra ações sobre lista suja do trabalho escravo

Acordo foi fechado após mais de 10 anos de autuações que nunca foram reconhecidas pela construtora

A MRV, maior construtora residencial da América Latina, assinou um acordo com o governo federal em que se dispõe a pagar pouco mais de R$ 10 milhões para encerrar processos em que contestava autuações por infrações a direitos trabalhistas. O trato também garante à empresa seguir fora do cadastro de empregadores que submeteram pessoas a condições de trabalho análogas à escravidão - a chamada lista suja do trabalho escravo. A informação foi antecipada pelo site Repórter Brasil e confirmada pela Coluna do Broadcast, que acessou os documentos dos processos.

O acordo foi fechado após um histórico de mais de dez anos de autuações por parte de auditores fiscais do trabalho, mas que nunca foram reconhecidas pela MRV. A empresa foi autuada nas cidades de Curitiba, Goiânia, Bauru (SP) e Americana (SP) em 2011 por infrações que a levariam para a lista suja, mas isso não ocorreu porque ela obteve mandatos de segurança no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A MRV foi autuada novamente por supostamente submeter trabalhadores a condições análogas à escravidão em Contagem (MG) em 2013; Macaé (RJ), em 2014; e Porto Alegre e São Leopoldo (RS), em 2021. Todas as ocorrências também foram alvo de questionamentos na Justiça, que acolheu os pleitos da companhia nas primeiras instâncias.

Inclusão na lista poderia levar a restrições para tomada de crédito

Por meio do acordo, a MRV se compromete a extinguir todos os processos nos quais questionava sua inserção na lista. Em troca, seguirá de fora da chamada lista suja. Além de afetar a reputação da construtora, uma inserção no cadastro pode levar a restrições para tomada de crédito, inclusive dentro do programa Casa Verde e Amarela, do qual é a maior operadora no País.

“O objetivo primordial do acordo judicial é o engajamento e a promoção no combate ao trabalho análogo ao escravo e promover conduta empresarial responsável, o que requer a adoção de medidas preventivas e corretivas por parte da MRV”, descreve o documento.

Continua após a publicidade

Do total de R$ 8 milhões, que serão pagos à União, o montante de R$ 7 milhões se refere à indenização por dano moral coletivo aos trabalhadores, enquanto R$ 1 milhão será usado para ressarcir a União pelos custos envolvidos nas ações. A construtora também terá que pagar R$ 10 mil de indenização a cada um dos cerca de 270 trabalhadores lesados e envolvidos no conjunto de processos, o que representa mais R$ 2,7 milhões, aproximadamente.

Pelo acordo, empresa terá de criar programa de proteção ao trabalho

A MRV também terá que criar um programa de proteção ao trabalho para os funcionários próprios e de terceiros, criar um canal interno para denúncias, elaborar um relatório periódico de riscos de novos incidentes e manter um órgão interno responsável pelo acompanhamento dessas medidas. Se o programa não for implantado, a empresa fica sujeita a multa de R$ 5 milhões. Também ficou acordado que os contratos da MRV prevejam que as empresas terceirizadas devem respeitar os direitos humanos, sob o risco de rescisão em caso de descumprimento.

O acordo foi assinado em agosto, homologado pela Justiça do Trabalho em outubro e disponibilizado para consulta esta semana pelo Ministério do Trabalho. Do lado do governo federal, assinaram: o advogado-geral da União, Bruno Bianco Leal; ministro do Trabalho, José Carlos Oliveira; secretário nacional de proteção global do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Eduardo Miranda. Do lado da MRV, assinaram: o diretor de relações institucionais, Raphael Lafetá; e o advogado contratado pela companhia, José Francisco Siqueira Neto.

MRV reitera não reconhecer as infrações

Procurada pela reportagem, a MRV reiterou que não reconhece as práticas mencionadas nas fiscalizações e reforçou que obteve inclusive decisões judiciais favoráveis reconhecendo a ausência de infração nesse sentido.

A construtora afirmou que o acordo foi construído para encerrar uma discussão judicial que já se arrastava havia anos. “Com o acordo se encerra um conflito de entendimentos de forma negocial, honesta e transparente, sendo que as obrigações assumidas por ambas as partes trazem inovações e dinamismo para a promoção do trabalho digno”, descreveu a companhia, em nota.

Continua após a publicidade

A MRV também negou que o maior benefício para ela tenha sido o direito de não entrar na lista suja. “O principal benefício foi justamente encerrar uma discussão judicial e assim desenvolver e aprimorar mecanismos de promoção do trabalho digno, em conjunto com técnicos da AGU, do Ministério do Trabalho e Previdência e do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos”.

Conforme estabelece o acordo, a empresa informou que já modernizou o seu programa de conformidade trabalhista e reforçou o órgão interno de acompanhamento. O programa será apresentado em breve para análise da Advocacia Geral da União.

A MRV é signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e certificada pelo Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3.

 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br