Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nada pode tornar a alma de uma pessoa mais suave do que a compreensão de sua própria culpa e nada pode tornar um individuo mais duro do que o desejo de estar sempre certo
O Talmude
23/09/2022

Desemprego maciço e da informalidade crescente

“Reestruturação produtiva”

Mas o que acontece hoje no mundo é esta desorganização histórica elevada ao cubo, com o multiplicador do desemprego maciço e da informalidade crescente

por João Guilherme Vargas Netto

As crônicas da escravidão registram que em um mesmo eito de café de uma das fazendas do senador Vergueiro trabalhavam pessoas com, ao menos, cinco tipos diferentes de relação de trabalho: escravo, ex-escravo, camarada, colono e assalariado. A heterogeneidade da força de trabalho é uma constante do capitalismo em todas as suas épocas.

Mas o que acontece hoje no mundo (exceto na China) é esta desorganização histórica elevada ao cubo, com o multiplicador do desemprego maciço e da informalidade crescente.

A multinacional Mercedes Benz em sua fábrica de São Bernardo pretende agravar essa situação demitindo 3.600 metalúrgicos, 1.300 dos quais temporários e terceirizando quase toda a sua cadeia produtiva.

E a isto chama “reestruturação produtiva”, como transparece na matéria assinada por João Sorima Neto, no Globo de segunda-feira, (19/09), “para driblar a crise”.

Leia também: A reta final da eleição das nossas vidas

A reação dos metalúrgicos e do sindicato do ABC não tem sido a mesma que tiveram os colegas de São José dos Pinhais e o sindicato de Curitiba ao enfrentarem por duas vezes com greves longas os arreganhos da multinacional Renault. Ela foi obrigada a recuar de suas maquinações “reestruturantes”, até mesmo as antissindicais.

Esperemos que a habilidade em negociação dos paulistas preserve, pelo menos, os direitos dos trabalhadores que percam seus empregos.

Como complemento deste texto conclamo à solidariedade aos enfermeiros e às enfermeiras, aos técnicos de saúde, aos auxiliares e às parteiras em sua luta (agora defensiva) para garantir o piso profissional de suas profissões que é lei. Eles vão à luta com seus sindicatos, entidades profissionais e conselhos para obter que o Congresso Nacional reafirme sua decisão e confirme a validade do diploma legal promulgado corrigindo eventuais erros e insuficiências porventura existentes.

AUTOR

João Guilherme Vargas Netto

É consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo

Fonte: Vermelho
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br