Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nada pode tornar a alma de uma pessoa mais suave do que a compreensão de sua própria culpa e nada pode tornar um individuo mais duro do que o desejo de estar sempre certo
O Talmude
10/08/2022

Despesas do governo com juros da dívida pública chegam a R$ 500 bilhões

Gasto total com juros registrado em 12 meses até maio supera o orçamento federal conjunto de 2022 destinado ao Auxílio Brasil (R$ 89,1 bilhões), à manutenção e desenvolvimento do ensino (R$ 62,8 bilhões) e às aplicações mínimas em ações e serviços públicos de saúde (R$ 139,9 bilhões).

por Mariana Mainenti

As despesas do governo com juros da dívida pública alcançaram R$ 500 bilhões, o maior patamar desde fevereiro de 2016, quando foram pagos R$ 513 bilhões. O valor desembolsado corresponde a 5,51% do PIB, porcentagem mais alta desde novembro de 2018 (5,52%). O gasto total com juros registrado em 12 meses até maio supera o orçamento federal conjunto de 2022 destinado ao Auxílio Brasil (R$ 89,1 bilhões), à manutenção e desenvolvimento do ensino (R$ 62,8 bilhões) e às aplicações mínimas em ações e serviços públicos de saúde (R$ 139,9 bilhões).

O crescimento das despesas é decorrente do ciclo de alta de juros promovido pelo Banco Central, que fez com que a taxa básica da economia, a Selic, chegasse ao atual patamar de 13,75% ao ano. A elevação de meio ponto percentual anunciada na última semana, após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), corresponde a um custo de R$ 15 bilhões em 12 meses para a sociedade, segundo estimou o professor de Economia da UnB, José Luis Oreiro, ao Portal Vermelho.

“De lá para cá a inflação só aumentou. Houve uma redução da inflação em julho devido à questão do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos combustíveis, então, o dado de julho veio abaixo dos dados de inflação mensais de 2022 por conta desse evento único que é da redução do ICMS. Mas nos meses subsequentes a inflação deve continuar elevada”, disse o economista, lembrando ainda que, quando a Selic começou a ser elevada, estava em 2% ao ano, ou seja, houve um aumento de 11 pontos percentuais desde março de 2021.

De acordo com levantamento do MoneYou e da Infinity Asset Management, esse é o maior patamar da Selic em quase seis anos e também a maior taxa real (descontada a inflação) do mundo, sendo que a taxa brasileira é mais do que o dobro daquela do 2º colocado. O Banco Central utiliza a elevação da Selic como um remédio para controlar a inflação. Contudo, a carestia continua doendo no bolso do brasileiro, especialmente, pelo custo crescente da alimentação, que atinge em especial o orçamento dos mais pobres.

IPCA

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga nesta terça-feira (9) a inflação oficial do país, que é medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), referente ao mês de julho. O IPCA-15, que é uma espécie de prévia da inflação, registra alta de 11,39% em 12 meses até o mês passado.

Com informações do G1

 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br