Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

No reinado da lei, o pobre e o rico tem direitos iguais... e o pequeno vence o grande se tem por si a justiça; é uma idéia remota, pois vem de Euripides. Historicamente, porém, é uma idéia falsa: o direito nunca foi outra coisa senão uma organização das desigualdades.
Jean Cruet
23/06/2022

Servidores da Funai anunciam greve nesta quinta pela saída de Marcelo Xavier

Em pelo menos 18 subsedes da Funai as atividades serão paralisadas. O presidente Marcelo Xavier é considerado pivô da exoneração de Bruno Pereira, indigenista assassinado juntamente com o jornalista Dom Phillips

Por Redação RBA

São Paulo – Servidores que atuam em pelo menos 18 subsedes da Fundação Nacional do Índio (Funai) farão greve nesta quinta-feira (23). Eles reivindicam a saída de Marcelo Xavier da presidência do órgão e também uma investigação aprofundada da morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista inglês Dom Phillips.

Bruno estava licenciado da Funai desde 2019. O indigenista, visto como conhecedor profundo de assuntos relativos a índios isolados, era alvo de pressões de ruralistas, que se intensificaram sob o novo e favorável (para eles) governo de Jair Bolsonaro (PL) e a gestão de Marcelo Xavier. Por causa de obstáculos impostos à realização de seu trabalho, pediu afastamento.

Nos últimos anos, diversas bases da Funai foram atacadas, inclusive a do Vale do Javari, onde Bruno e Dom foram assassinados. Por isso, em manifesto, os servidores pedem condições mínimas de trabalho e “segurança para a execução da nossa missão institucional de promove e proteger os direitos dos povos indígenas”.

O estopim que pode levar os servidores da Funai à greve são declarações do presidente do órgão e a falta de uma retratação pública durante as investigações sobre o desaparecimento de Bruno e Dom. Xavier chegou a dizer que os dois desapareceram por terem se colocado em risco ao entrar na Terra Indígena (TI) do Vale do Javari sem autorização do órgão. E que “é muito complicado quando duas pessoas apenas decidem entrar na terra indígena, sem nenhuma comunicação aos órgãos de segurança”.

Servidores da Funai aguardam reunião

Desde o início das buscas, os servidores pedem uma reunião com o presidente para falar do caso. Mas até agora seguem sem nenhuma resposta.

A União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Unijava), entidade para a qual Bruno fazia consultoria, bem como os servidores alegam que o sertanista e o jornalista percorreram o entorno da Terra Indígena do Vale do Javari durante a viagem.

Univaja em audiência no Senado: ‘Quantos Brunos e quantos Doms têm que morrer?’

Marcelo Xavier foi consultor da CPI da Funai e do Incra em 2017. Articulado pela bancada ruralista, o relatório final pedia o indiciamento de lideranças e entidades indígenas. E até de procuradores da República conhecidos por uma atuação de defesa dos direitos desses povos.

Ele é próximo ao ruralista Luiz Antonio Nabhan Garcia, atual secretário especial de Assuntos Fundiários, que o nomeou assessor, cargo que não assumiu. Também assessorou a Secretaria de Governo para questão agrária no governo de Michel Temer. E ainda atuou como ouvidor da Funai, época em que chegou a pedir que a Polícia Federal investigasse ONGs e indígenas.

Delegado da PF na presidência da Funai

De acordo com um dossiê produzido pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e pela organização Indigenistas Associados (INA), Xavier, um delegado da Polícia Federal, é responsável pela criação de uma política anti-indigenista na própria Funai. E também por omissão, junto ao governo federal, no caso dos mortos no Vale do Javari.

Servidores da Funai ouvidos pelo jornal Folha de S.Paulo sob condição de anonimato afirmam que a falta de servidores contribui para o aumento da violência, dificulta as atividades de fiscalização e eleva os riscos da atuação em campo.

Bruno atuou por mais de uma década no Vale do Javari, que concentra a maior porção de povos isolados no mundo. E coordenou atividades na região, antes de ser deslocado para Brasília, em 2018.

Foi exonerado do cargo por Xavier e logo depois de chefiar uma operação que destruiu 60 balsas do garimpo na região. O ministro da Justiça da época, que assinou a demissão do indigenista, era Sergio Moro.

Fonte: Rede Brasil Atual
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br