Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Devemos tratar nossos amigos como queremos que eles nos tratem.
Aristóteles
01/04/2022

Covid recua no Brasil e no mundo e OMS prevê cenários para fim da pandemia

Surto segue em trajetória de recuo graças ao avanço da vacinação, mas entidade conclama países a ampliar vigilância para que o mundo possa sair definitivamente da pandemia

Por Redação RBA

1

20

São Paulo – A covid-19 segue em trajetória de recuo no Brasil e no mundo, resultado creditado ao avanço da vacinação. Diante disso, o diretor-geral da instituição, Tedros Adhanom, projetou hoje (31) três cenários futuros para o fim da pandemia. O primeiro e mais provável deles leva em conta que o vírus deve seguir com mutações. Entretanto o alto grau de imunização que vem sendo alcançado pelas vacinas devem garantir bons níveis de segurança coletiva. “De acordo com o que sabemos até agora, o cenário mais provável é que o vírus da covid-19 continue evoluindo, mas a gravidade da doença que ele causa irá reduzir com o tempo enquanto a imunidade aumenta por conta da vacinação e das infecções”, disse Adhanom.

Desta forma, o vírus seguiria endêmico, provocando surtos pontuais com menor ou maior gravidade de acordo com a redução da imunidade. Doses de reforço das vacinas podem ser necessárias, ainda com periodicidade incerta. Assim como a gripe, a covid-19 pode se tornar uma doença sazonal, atrelada especialmente aos períodos mais frios.

Demais cenários

Em um segundo cenário traçado pela OMs para a covid, o melhor deles, as variantes futuras do vírus seriam “significaticamente menos graves”. Assim, a proteção das vacinas e do contágio seria potente e duradoura, o que afastaria maiores riscos, mesmo de surtos locais e sazonais.

Também existe o pior cenário. Nele, o vírus seria alterado de forma a ficar ainda mais transmissível e mortal. Neste caso, as vacinas seriam insuficientes para evitar a tragédia prolongada, e uma nova geração de vacinas seria necessária.

Agora, para que os países consigam deixar a fase de emergência pandêmica, a OMS pede para que os Estados aumentem a capacidade de vigilância e análise das mutações. Desta forma, a comunidade internacional teria ciência dos próximos passos da pandemia e, assim, seria possível construir uma rede de proteção de longo prazo.

Covid hoje no Brasil

A média diária de mortes por covid no Brasil, calculada em sete dias, está em 207. Apesar de ainda elevado, trata-se do melhor indicador desde o dia 18 de janeiro, ainda no início do crescimento do contágio pela variante ômicron. A melhora no cenário é constante desde o dia 11 de fevereiro. Hoje (31), foram 253 vítimas da infecção pulmonar causada pelo coronavírus. A tendência também se confirma em relação aos casos. Com 31.561 novos doentes, a média está em 25.745. Desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram ao menos 659.757 pessoas no país, e 29.947.895 foram infectadas de acordo com o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass).

 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br