Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Minha religião é o amor a todos os seres vivos
Leon Tolstoi
20/01/2022

Bolsonaro volta a colocar em dúvida reajuste a servidores

"Vamos salvar três categorias ou vai todo mundo sofrer no corrente ano?", questionou o presidente

Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - Dois dias antes de terminar o prazo para a sanção do Orçamento de 2022, o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a colocar em dúvida a concessão de reajuste salarial aos servidores públicos federais, inclusive de categorias da área da segurança, que são uma de suas bases eleitorais.

"Reconheço o trabalho dos servidores, que eles merecem um reajuste. Não tem folga no Orçamento para o corrente ano. Conversei com o pessoal sobre o Orçamento para o ano que vem. Sei que está bastante longe ainda, mas, por ocasião da feitura do mesmo, obviamente que os servidores serão contemplados com o reajuste salarial merecido", disse Bolsonaro, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

LEIA TAMBÉM

Dia de protestos de servidores por reajustes é esvaziado com ausência de auditores da Receita

Dia de protestos de servidores por reajustes é esvaziado com ausência de auditores da Receita

PUBLICIDADE

Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro; o presidente voltou a colocar em dúvida a concessão de reajuste salarial aos servidores públicos federais Foto: Joédson Alves/EFE

No relatório final da peça orçamentária, aprovado no Congresso em dezembro, foi incluída uma previsão de R$ 1,7 bilhão para aumento de remuneração do funcionalismo. O relator da matéria, deputado Hugo Leal (PSD-RJ), não especificou qual categoria seria beneficiada, mas Bolsonaro prometeu atender a Polícia Federal (PF), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Departamento Penitenciário Nacional (Depen). "Há uma grita, de maneira geral, porque a intenção inicial foi essa, sim, não vou negar", afirmou o presidente.

"Estamos aguardando o desenlace das ações. Ou seja, a gente pode fazer justiça com três categorias, não vai fazer justiça com as demais, sei disso, mas fica aquela velha pergunta a todos: vamos salvar três categorias ou vai todo mundo sofrer no corrente ano?", questionou Bolsonaro.

O chefe do Executivo disse que o "tempo vai dizer" qual decisão será tomada e ressaltou que não quer "cometer injustiça" com os servidores. Bolsonaro tem sido pressionado por aliados a recuar e não conceder reajuste a nenhuma categoria. A promessa de aumentar a remuneração apenas dos policiais federais gerou insatisfação no funcionalismo público, que se mobilizou.

Diante do impasse, o presidente já havia admitido que talvez não concedesse reajuste a nenhuma categoria. "Primeiramente, não está garantido o reajuste para ninguém. Tem uma reserva de R$ 2 bilhões que poderia ser usada para a PF e a PRF, além do pessoal do sistema prisional. Mas outras categorias viram isso e disseram 'eu também quero', e veio essa onda toda", afirmou Bolsonaro, em 8 de janeiro.

Fonte: Estadão
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br