Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Tente viver com a parte de sua alma que compreende a eternidade, que não tem medo da morte e esta parte da sua alma é amor.
Leon Tolstoi
24/12/2021

Petroleiros farão greve contra privatização da Petrobras

Em Estado de Greve, categoria manda o recado para o governo Bolsonaro: Não ouse tirar a Petrobrás do controle do Estado

Finalizadas esta semana, as assembleias convocadas pela Federação ÚNica dos Petroleiros (FUP) e seus sindicatos confirmaram o indicativo encaminhado à categoria petroleira de deflagração de greve nacional, caso o presidente Jair Bolsonaro e seus aliados no Congresso Nacional insistam no projeto de privatização da Petrobras.

De norte a sul do país, as assembleias aprovaram Estado Nacional de Greve e os petroleiros e petroleiras estão desde já em alerta contra qualquer movimentação do governo federal de dar andamento ao projeto de lei que autoriza a União a entregar ao mercado financeiro as ações da Petrobras que ainda restam sob o controle do Estado brasileiro. Bolsonaro chegou a declarar à imprensa que o projeto está sendo construído em parceria com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

“Eles que não tenham a audácia e a ousadia de levarem esse projeto adiante, pois irão enfrentar a maior greve da história da categoria petroleira. Não permitiremos que a Petrobras seja retirada das mãos do povo brasileiro”, avisa o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar, alertando sobre os prejuízos que a população já vem amargando em função do desmonte da empresa. “A Petrobrás está sendo esquartejada e, enquanto isso, o povo ainda paga preços exorbitantes pelos combustíveis”, afirma.

Governo Bolsonaro responde por 76% dos ativos da Petrobras privatizados após 2015

Ele chama a atenção para os efeitos da privatização da primeira refinaria da Petrobras, a Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, que foi entregue ao fundo Mubadala, por US$ 1,65 bilhão, praticamente metade do valor de mercado estimado pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep). Após a privatização, a nova contraladora da unidade suspendeu o fornecimento de óleo bunker para as embarcações matítimas da região.

Também em 2021, foram assinados os contratos para venda da Refinaria Isaac Sabbá (REMAN), no Amazonas, e da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná, ambos os processos com valores subestimados e cercados por denúncias de irregularidades. “Vamos responder à altura qulquer tentativa de privatização da Petrobras e continuaremos fazendo de tudo para proteger os ativos que ainda pertencem à estatal”, comenta o coordenador da FUP.

Levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) aponta que, de março de 2015 a novembro de 2021, a Petrobras se desfez de 78 ativos, dos quais 70 no Brasil e oito no exterior, sendo que 76% da privataria ocorreu no governo Bolsonaro, que arrecadou um total de R$ 152 bilhões, com a entrega do patrimônio da estatal.

O Dieese explica que no governo de Michel Temer, a Petrobras vendeu 15 ativos por R$ 100 bilhões. Já no governo de Dilma Rousseff, a empresa se desfez de quatro ativos, por R$ 9 bilhões. “Esses dados refletem a disposição do atual governo de destruir a Petrobrás, patrimônio dos brasileiros, a preço de banana”, lamenta o coordenador da FUP.

Fonte; FUP

Fonte: Vermelho
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br