Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

No reinado da lei, o pobre e o rico tem direitos iguais... e o pequeno vence o grande se tem por si a justiça; é uma idéia remota, pois vem de Euripides. Historicamente, porém, é uma idéia falsa: o direito nunca foi outra coisa senão uma organização das desigualdades.
Jean Cruet
06/12/2021

Estudo do IBGE situa um de cada quatro brasileiros abaixo da linha da pobreza

Auxílio emergencial evitou agravamento da fome no país no ano passado

Estadão Conteúdo

ESTADÃO CONTEÚDO Marcio Dolzan, Daniela Amorim, Vinicius Neder

Marcello Casal Jr / Agencia Brasil

Auxílio emergencial foi importante para evitar o aumento da pobreza no Brasil em 2020

Marcello Casal Jr / Agencia Brasil

O auxílio emergencial evitou, temporariamente, o agravamento da pobreza no país em 2020, em meio ao choque da covid-19, mas parece ter apenas anestesiado o problema. Com o vaivém do benefício do ano passado para este, a miséria espreita os brasileiros mais vulneráveis. Sem os programas sociais, os 10% mais pobres da população teriam sobrevivido o ano passado com apenas R$ 13,00 por mês, ou R$ 0,43 por pessoa a cada dia.

A conta — excluindo da composição do rendimento familiar os valores recebidos com o auxílio emergencial e com benefícios estaduais e municipais complementares — divulgada nesta sexta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é hipotética, mas bem poderia descrever as agruras de Daniele, de 23 anos, que ontem, ao lado da mãe, Edinalva, catava alimentos de caçambas de descarte na Ceasa, central de comercialização de legumes e frutas na zona norte do Rio de Janeiro. Mãe de gêmeos, Daniele enfrentou a crise da pandemia sem o auxílio emergencial.

LEIA MAIS

Conheça histórias de quem atua na informalidade para lutar contra a crise da pandemiaConheça histórias de quem atua na informalidade para lutar contra a crise da pandemia

Especialistas explicam como criou-se a alta taxa de informalidade histórica do BrasilEspecialistas explicam como criou-se a alta taxa de informalidade histórica do Brasil

Senado aprova a PEC dos Precatórios em dois turnos e abre caminho para viabilizar o Auxílio BrasilSenado aprova a PEC dos Precatórios em dois turnos e abre caminho para viabilizar o Auxílio Brasil

— Minha gravidez foi de risco, e fiquei a maior parte do tempo internada — disse, enquanto garimpava bons dentes de alho em meio a centenas de outros cujo destino será o lixo: —Por causa disso, não consegui ir resolver e fiquei sem o auxílio emergencial. Agora, tenho de colocar meus filhos no Bolsa Família, né? Não consegui resolver ainda.

A mãe de Daniele, que divide a casa com a filha e outras oito pessoas, cata alimentos na Ceasa há quase duas décadas. O auxílio emergencial no ano passado "ajudou um pouquinho", mas não resolveu.

— Ganhei R$ 1,6 mil da primeira vez, depois R$ 600, depois R$ 370... Agora, está R$ 320. Só foi diminuindo, e as coisas todas aumentando. Você leva as coisas daqui, mas tem de cozinhar. Antes, você tem de lavar, e o custo da água está um absurdo. O gás, eu pago R$ 95 — disse Edinalva.

Embora estude a desigualdade de renda no Brasil há anos, Marcelo Medeiros, professor visitante da Universidade Columbia, nos Estados Unidos, se disse "chocado". Com os benefícios governamentais, o grupo de 21 milhões de brasileiros mais pobres sobreviveu em 2020 com R$ 128 mensais por pessoa da família. Embora ainda insuficiente, o montante representa uma alta de 14,9% ante os R$ 111 mensais de 2019.

A injeção bilionária de recursos extraordinários fez o número de brasileiros abaixo da linha de pobreza do Banco Mundial cair, em 2020, ao menor nível desde 2014. Ainda assim, praticamente um em cada quatro brasileiros (24,1% da população) viveu abaixo dessa linha no ano passado. São quase 51 milhões de pessoas com menos de R$ 450 por mês. Não fossem os programas de transferências de renda, o contingente seria quase um terço da população (32,1%). Em 2019, a proporção era de 25,9%.

Mesmo com o auxílio emergencial, 12,046 milhões (5,7%) viveram abaixo da linha de miséria (rendimento médio mensal de R$ 155 por pessoa) em 2020, o menor nível desde 2015. Sem os benefícios, seriam mais do que o dobro: 27,313 milhões (12,9% dos habitantes, ante 6,8% em 2019).

Fonte: GZH
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br