Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quem não duvida, não examina; quem não examina, não percebe; e quem não percebe, permanece na cegueira e na confusão.
Al-Ghazali
12/11/2021

Em 4 anos, reforma trabalhista trouxe terceirização sem limites e aumento da informalidade

"Sindicatos estão mais frágeis e só se gerou desemprego e empregos precários", afirma o ex-ministro da Previdência e do Trabalho, Ricardo Berzoini (PT)

Por Carolina Fortes

Há 4 anos, completados nesta quinta-feira (11), entrou em vigor a reforma trabalhista. Muito longe da promessa de milhões de empregos anunciada pelo governo golpista de Michel Temer, o saldo foi um alto índice de desemprego e desmonte dos direitos dos trabalhadores.

Na época, Temer chegou a alardear que o pacote de medidas criaria dois milhões de vagas em dois anos, e seis milhões em dez anos. Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que, ao contrário disso, o desemprego disparou. No trimestre terminado em julho de 2021, a taxa de desocupação ficou em 13,7%.

PUBLICIDADE

Esse número é quase dois pontos percentuais a mais que os 11,8% registrados no último trimestre de 2017. No período, o total de desempregados subiu de 12,3 milhões para 14,1 milhões.

“Foi um dos pilares do golpe de 2016. A agenda da precarização vinha sendo proposta no Congresso desde os anos 90 do século passado e a presença do PT no governo era um obstáculo a esse objetivo”, afirma o ex-ministro da Previdência e do Trabalho, Ricardo Berzoini (PT).

por taboolaLinks promovidos

Você pode gostar

Bolsonaro desafia e Vera Magalhães divulga os vídeos que o presidente disparou no WhatsApp

Aproveite a #PinkMyFriday

Livelo

Toffoli articula manobra que pode deixar Lula preso na retomada do julgamento sobre segunda instância

Bolsonaro publica vídeo chamando Rodrigo Maia de mentiroso

Ele destaca como uma das principais perversidades da reforma a aprovação do emprego com contrato intermitente, mas cita também a redução do pagamento de horas extras para algumas categorias profissionais e a ausência de uma forma viável de sustentação da atividade sindical, que substituísse a contribuição que deixou de ser obrigatória.

Notícias relacionadas

Apesar das dificuldades, escolas públicas do DF aprovam centenas de alunos em universidades federais

Ruth Venceremos: drag criada nas fileiras do MST quer ocupar a Câmara dos Deputados

Uber de Esquerda celebra ação do MPT contra aplicativos e cobra registro

Terceirização sem limites

Com a supressão de direitos fundamentais dos trabalhadores, a reforma trabalhista criou uma terceirização sem limites. Outra das promessas de Temer que falhou foi a propalada diminuição da informalidade.

No trimestre encerrado em outubro de 2017, antes das novas regras, a taxa de informalidade era de 40,5%, de acordo com o IBGE. O instituto aponta que, entre maio e julho de 2021, a proporção de pessoas ocupadas trabalhando na informalidade ficou em 40,8%.

Já o saldo de intermitentes, entre novembro de 2017 e dezembro de 2019, foi pouco menos de 143 mil contratos. Entre janeiro e setembro deste ano, o novo Caged registrou um saldo positivo de 61,5 mil contratos de trabalho intermitente e de 35,7 mil de trabalho parcial.

“Os liberais apostam na desregulamentação anunciando que esta vai gerar milhões de emprego, quando na verdade o objetivo é enfraquecer os sindicatos e aumentar as margens de lucro do grande capital. Quatro anos depois, podemos dizer que, sem nenhuma surpresa, nós estávamos certos. Piorou a renda dos trabalhadores, a condição de trabalho precarizou-se, os sindicatos estão mais frágeis e só se gerou desemprego e empregos precários”, aponta Berzoini.

Minirreformas trabalhistas

Quatro anos depois, a tensão permanece. Uma das preocupações é que, durante o governo de Jair Bolsonaro, sejam provocados ainda mais desmontes dos direitos trabalhistas.

Em 2020, a Câmara dos Deputados aprovou, a toque de caixa, uma minirreforma trabalhista, que retirava ainda mais direitos e flexibilizava as regras, beneficiando ainda mais os empresários. O projeto não passou no Senado.

Para Berzoini, a luta é permanente. “Governos de direita sempre tentarão reduzir direitos. É bom lembrar que a reforma de Temer não atingiu os direitos do artigo 7° da Constituição. Ou seja, temos que reinventar o sindicalismo e lutar para derrotar a direita nas ruas e nas urnas”, afirma.

Acesso à Justiça gratuita

Um dos trechos mais cruéis da reforma, que restringia o acesso de trabalhadores mais pobres à Justiça gratuita, foi derrubado recentemente pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A Corte tornou inconstitucional que os trabalhadores que têm direito à Justiça gratuita, isto é, aqueles que recebem salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social, tivessem que arcar com os custos do processo (honorários advocatícios e perícia) caso perdessem uma ação trabalhista.

Ao final do julgamento, o placar ficou em 7 votos a 3 pela inconstitucionalidade do trecho que obriga o trabalhador a pagar as custas do processo caso seja a parte vencida. Os ministros determinaram, ainda, que o trabalhador só terá que pagar os honorários advocatícios de ação trabalhista caso não compareça às audiências.

Tags:

CLTMichel Temerreforma trabalhista

Erramos?

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende

Fonte: Fórum
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br