Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quem não duvida, não examina; quem não examina, não percebe; e quem não percebe, permanece na cegueira e na confusão.
Al-Ghazali
09/11/2021

Deputada bolsonarista quer acabar com a infância legalizando o trabalho infantil

PEC propõe que crianças a partir de 14 anos, trabalhem. Para secretário de Relações de Trabalho da CUT, lugar de criança é na escola. MPT diz que governo quer acabar com aprendizagem

Escrito por: Rosely Rocha | Editado por: Marize Muniz

Após dez anos na gaveta, a presidenta da Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJ), da Câmara dos Deputados, Bia Kicis (PSL), bolsonarista de carteirinha, quer retomar a análise uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 18, de 2011, que permite o trabalho a partir de 14 anos de idade.

O texto está pautado para ser votado na terça-feira (9), na CCJ. Caso seja aprovado pode ser levado ao plenário da Casa para votação.

Desde o golpe de 2016, os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras vêm sendo atacados com medidas como as reformas Trabalhista de 2017, do ilegítimo Michel Temer (MDB-SP), e a da Previdência, em 2019, de Jair Bolsonaro (ex-PSL). Agora, os aliados do governo querem colocar em risco o direito das crianças de estudar, se desenvolver para enfrentar os desafios da vida adulta.

Como disse o Papa Francisco, o trabalho infantil é um flagelo que fere o desenvolvimento harmonioso das crianças.

Na última quarta-feira (3), a CCJ votou um requerimento de retirada da proposta da pauta. Dos 50 parlamentares que compõem a comissão, apenas 19 deputados votaram sim, pela retirada da proposta; 30 votaram não, permitindo que a PEC do trabalho infantil vá adiante.

A proposta é repudiada pelo secretário de Relações de Trabalho da CUT Nacional, Ari Aloraldo do Nascimento, e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

A Coordenadora Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente (Coordinfância) do MPT, Ana Maria Villa Real,diz que a PEC, além de discriminar a pobreza, já que há o discurso da direita de que crianças e adolescentes de baixa renda, oriundos de famílias pobres tendem à criminalidade é recorrente, há interesse de empresários em acabar com a aprendizagem.

“A proposta é uma falsa oportunidade para os jovens de famílias pobres”, afirma Ana Maria.

“Como o Estado não tem política pública voltada para eles, quer que sustentem suas próprias famílias. Um trabalho mecanizado, sem oportunidade de aprendizado só vai aumentar a evasão escolar que subiu de 1 milhão, em 2019, para 5 milhões este ano”, acrescenta.

A procuradora defende o programa jovem aprendiz que determina que empresas de médio e grande porte contratem um número de aprendizes equivalente a um mínimo de 5% e um máximo de 15% do seu quadro de funcionários cujas funções demandem formação profissional. O jovem tem contrato especial de trabalho assinado e deve cursar o ensino fundamental ou médio.

“Por trás desta PEC , está o esvaziamento da aprendizagem profissional, com a transferência da responsabilidade do Estado para o adolescente de baixa renda. O trabalho tem impacto na educação e a aprendizagem faz que o adolescente frequente a escola, porque isso é uma exigência do programa. Essa proposta libera o trabalho infantil, sem contrapartida da criança estar na escola ”, diz a procuradora do MPT.

Ana Maria lembra que o Brasil é signatário da convenção nº 138 da Organização Mundial do Trabalho (OIT), na qual se comprometeu a aderir à política de elevação da idade mínima do trabalho, e elevar progressivamente a idade mínima coincidindo com a escolaridade obrigatória. E como o ensino obrigatório no Brasil vai da educação básica ao médio, de 4 a 17 anos, então, a idade mínima para o trabalho deve coincidir com essa faixa etária.

Essa permissão de trabalho infantil, sem qualificação profissional, que não obriga o adolescente a ir à escola, vai impactar no rendimento escolar, e só a educação quebra o ciclo da pobreza

- Ana Maria Villa Real

Para o dirigente da CUT, Ari Aloraldo, o governo Bolsonaro e seus aliados tentam mais uma vez, com a desculpa de empregar os jovens, como no programa da Carteira Verde e Amarela, não aprovado pelo Congresso, resolver a crise do desemprego abrindo vagas precarizadas e que não atendem as necessidades de milhões de desempregados.

“Um adolescente de 14 anos ainda está se formando física e intelectualmente. Ele tem de estar na escola, se preparando para ter uma profissão e uma vida mais digna. A desculpa de que pela proposta esse jovem irá trabalhar meio período se choca com o fato de que as vagas que poderão ser oferecidas não ajudarão na qualificação profissional dele”, critica Ari.

Outro fato que coloca a CUT em posição contrária à PEC, é que mais uma vez serão os filhos dos pobres e desempregados que irão buscar no mercado de trabalho um mínimo de sustento que deveria ser provido pelo Estado.

“Bolsonaro acabou com o Bolsa Família, cujo requisito para os pais receberem era a criança frequentar uma escola. Não é o filho do juiz, o do militar de alta patente e do presidente da República, que vão ocupar essas vagas sem qualidade. Eles podem começar a trabalhar aos 30 anos e já ganhando bons salários, porque seus pais são privilegiados e pudarem oferecer uma educação de qualidade e uma boa alimentação. Coisa que hoje no Brasil se tornou raridade, com 19 milhões de pessoas passando fome”, diz o dirigente.

O trâmite da PEC 18/2011

A PEC do trabalho infantil, de autoria do ex-deputado Dilceu Sperafico (PP-PR), chegou a ser arquivada, mas em 2019 foi desarquivada. À época, o atual ministro da Cidadania, então deputado, João Roma, como relator, se posicionou contra, mas agora Bia Kicis retoma a proposta.

Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) debateu o tema da redução da idade para o trabalho no Brasil nos autos da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 2096. Nela a Confederação Nacional da Indústria (CNI) pedia a inconstitucionalidade da Emenda 20/1998, que aumentou a idade mínima do trabalho de 14 para 16 anos.

O então ministro Celso de Mello, ao proferir o voto condutor que levou à improcedência, por unanimidade, da ação que pedia a inconstitucionalidade da Emenda n. 20/1998, acentuou, com propriedade, que impor o trabalho a pessoas com menos de dezesseis anos para afastar o adolescente pobre da marginalização e da delinquência seria sacrificar o melhor interesse da criança com o fim de preservar a paz e a segurança jurídica.

Assinalou que essa equivocada visão de mundo , além de fazer recair sobre a criança e o adolescente indevida e preconceituosa desconfiança motivada por razões de índole financeira, configura manifesta subversão do papel constitucionalmente atribuído à família, à sociedade e ao Estado, a quem incumbe, com absoluta prioridade, em relação à criança e ao adolescente, o dever de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

“Essa PEC fere a infância, transfere a responsabilidade do Estado de ter políticas públicas para a criança sustentar sua família”, conclui a procuradora do MPT.

Manifesto contra a redução da idade mínima para o trabalho, elaborado pela Rede Nacional de Adolescentes e Jovens do Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil e Comitê Nacional de Adolescentes na Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (CONAPETI), já tem mais de mil assinaturas. A ideia é entregar o manifesto para os parlamentares.

Câmara está fazendo uma enquete sobre a PEC 18. Todos podem votar contra essa medida nefasta. Basta acessar o link da enquete e votar.

Os números do trabalho infantil no Brasil

Segundo a CONAPETI, a faixa etária que mais sofre acidentes de trabalho é de 14 a 17 anos, com 28.536 casos. Os adolescentes que trabalham também são os que mais deixam as salas de aulas. Em 2019, segundo o IBGE, a evasão escolar foi quatro vezes maior entre que trabalham.

96,6% da população total de crianças e adolescentes, de cinco a 17 anos, é formada por estudantes, enquanto entre os trabalhadores infantis a estimativa é de 86,1%. A diferença é mais evidente no grupo etário de 16 e 17 anos. Enquanto 85,4% da população total nessa faixa etária frequentava a escola, somente 76,8% dos adolescentes em situação de trabalho infantil estudavam.

Outro dado revelador das condições precárias de trabalho de crianças e adolescentes é que em 2019, havia 1,768 milhão de crianças e adolescentes de cinco a 17 anos em situação de trabalho infantil, o que representa 4,6% da população (38,3 milhões) nesta faixa etária.

A maior concentração de trabalho infantil está na faixa etária entre 14 e 17 anos, representando 78,7% do total. Já a faixa de cinco a 13 anos representa 21,3% das crianças exploradas pelo trabalho infantil.

Bolsonaro também defende o trabalho infantil

Jair Bolsonaro ( ex-PSL), em várias ocasiões, o presidente defendeu o trabalho infantil, dizendo coisas como "deixa o moleque trabalhar. Molecada quer trabalhar, trabalha”. Bolsonaro se referiu ao caso de um menino de Catalão, em Goiás, que quis comprar um relógio de presente de Dia dos Pais para o tio, que ele considera como pai. O dono decidiu não cobrar pelo relógio e disse ao menino que continuasse trabalhando. “Deus tem projeto na sua vida, que Deus vai te fazer um grande homem e que o trabalho dignifica”, falou o dono, que foi convocado pelo Ministério Público do Trabalho a prestar esclarecimentos.

Em uma live, Bolsonaro disse: “Deixa o moleque trabalhar. Eu trabalhei, aprendi a dirigir com 12 anos. Molecada quer trabalhar, trabalha. Hoje, se está na Cracolândia [em São Paulo], ninguém faz nada com o moleque”.

Confira aqui como votaram os deputados.

O voto Não, na verdade significa votar a favor de dar continuidade ao projeto de trabalho infantil. O sim é para barrar a PEC.

PSL 7 vagas

Titular

Bia Kicis (PSL-DF) –votou Não

Carlos Jordy (PSL-RJ) –votou Não

Caroline de Toni (PSL-SC) –votou Não

Daniel Freitas (PSL-SC) –votou Não

Vitor Hugo (PSL-GO) –votou Não

Suplentes que votaram

Alê Silva (PSL-MG) – votou Não

Coronel Tadeu (PSL-SP) –votou Não

PP 5 vagas

Titulares

Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) –votou Sim

Hiran Gonçalves (PP-RR) –votou Não

Marcelo Aro (PP-MG) –votou Não

Margarete Coelho (PP-PI) –votou Sim

Pinheirinho (PP-MG) –votou Não

Suplentes do PP não votaram

PSD 5 vagas

Titulares

Darci de Matos (PSD-SC) –votou Não

Edilazio Junior (PSD-MA) –votou Não

Fábio Trad (PSD-MS) –votou Sim

Suplentes que votaram

Delegado. Éder Mauro (PSD-PA) –votou Não

DEM 4 vagas

Titulares

Bilac Pinto (DEM-MG) –votou Não

Kim Kataguiri (DEM-SP) –votou Não

Leur Lomanto Jr. (DEM-BA) –votou Não

Suplentes do DEM não votaram

MDB 4 vagas

Titulares

Márcio Biolchi (MDB-RS) –votou Não

Suplentes do MDB que votaram

Rogério Peninha (MDB-SC) –votou Não

PL 4 vagas

Titulares

Capitão Augusto (PL-SP) –votou Não

Giovani Cherini (PL-RS) –votou Não

Magda Mofatto (PL-GO) –votou Não

Sergio Toledo (PL-AL) –votou Não

PSDB 4 vagas

Titulares

Lucas Redecker (PSDB-RS) –votou Sim

Samuel Moreira (PSDB-SP) -votouSim

REPUBLICANOS 4 vagas

Titulares não votaram

Suplentes que votaram

Cap. Alberto Neto (REPUBLICANOS-AM) –votou Não

Luizão Goulart (REPUBLICANOS-PR) –votou Não

PSC 1 vaga

Titular

Paulo Martins (PSC-PR) –votou Não

Suplente não votou

PTB 1 vaga.

Nenhum deputado do partido votou, nem suplente, nem titular.

PDT 4 vagas

Titulares

Félix Mendonça Jr (PDT-BA) –votou Obstrução

Pompeo de Mattos (PDT-RS) –votou Sim

Subtenente Gonzaga (PDT-MG) –votou Não

Suplentes do PDT

Túlio Gadêlha (PDT-PE) –votou Sim

PODEMOS 2 vagas

Nem titulares, nem suplentes votaram

SOLIDARIEDADE 2 vagas

Nem titulares, nem suplentes votaram.

AVANTE 1 vaga

Titular

Greyce Elias (AVANTE-MG) –votou Não

CIDADANIA 1 vaga

Titular

Rubens Bueno (CIDADANIA-PR) –votou Sim

PATRIOTA 1 vaga

Titular

Pastor Eurico (PATRIOTA-PE) –votou Não

PCdoB 1 vaga

Titular

Orlando Silva (PCdoB-SP) –votou Sim

PROS 1 vaga

Nem titulares, nem suplentes votaram.

PV 1 vaga

Titular

Enrico Misasi (PV-SP) –votou Não

PT 7 vagas

Titulares

Gleisi Hoffmann (PT-PR) –votou Sim

José Guimarães (PT-CE) –votou Sim

Maria do Rosário (PT-RS) –votou Sim

Patrus Ananias (PT-MG) –votou Sim

Paulo Teixeira (PT-SP) –votou Sim

Rui Falcão (PT-SP) –votou Sim

Suplentes

Reginaldo Lopes (PT-MG) –votou Sim

PSB 4 vagas

Titular

Gervásio Maia (PSB-PB) –votou Sim

Suplente

Bira do Pindaré (PSB-MA) –votou Sim

PSOL 1 vaga

Titular

Fernanda Melchionna (PSOL-RS) –votou Sim

NOVO 1 vaga

Titular

Gilson Marques (NOVO-SC) –votou Não

Fonte: CUT
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br