Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aquele que faz o mal prejudica em primeiro lugar a si mesmo, antes de prejudicar os outros.
Santo Agostinho
22/10/2021

Cinco reais por quilo de palha para cigarro: operação resgata 116 trabalhadores em Goiás

Eles foram localizados em condições consideradas degradantes, sem contrato ou direitos

Por Redação RBA

São Paulo – Uma operação que durou quase uma semana e terminou na última terça (19) resgatou 116 trabalhadores, em condições consideradas degradantes, análogas ao de trabalho escravo, em um fazenda de Água Fria de Goiás (GO). A cidade fica no entorno do Distrito Federal, a aproximadamente 140 quilômetros de Brasília. Segundo a fiscalização, eles trabalhavam na extração de palhas de espiga de milho, usadas na confecção de cigarros. Recebiam apenas R$ 5 para cada quilo de palha.

De acordo com os responsáveis pela operação, eram trabalhadores aliciados no Maranhão, Minas Gerais, Piauí e São Paulo. “Não tinham nenhum direito trabalhista, como pagamento de salário, contrato de trabalho, alojamentos em condições dignas, jornada regular, entre tantos outros. Cinco crianças e adolescentes também estavam trabalhando irregularmente.”

Além da baixa remuneração, os valores relativos a ferramentas de trabalho e roupas eram descontados. A alimentação consistia em duas marmitas por dia: arroz e um pouco de carne, com a primeira refeição servida apenas às 11h. Eles eram levados às 5h para o local da colheita. “A atividade exigia movimentos repetitivos e era feita sob sol ou chuva”, afirma o Ministério Público do Trabalho (MPT), que participou da operação ao lado da Defensoria Pública da União (DPU), do Ministério do Trabalho e da Polícia Rodoviária Federal.

Sem prevenção contra a covid

Os trabalhadores estavam alojados em casebres, “muitos deles sem revestimento interno, vedação adequada e as mínimas condições de higiene”, como anotaram os auditores-fiscais do Trabalho. “Alguns dos resgatados preferiram barracas para se protegerem da chuva, tamanha era a precariedade dos alojamentos”, diz ainda o MPT. “Outros tantos dormiam em redes ou em colchões no chão. Medidas de prevenção à transmissão da Covid-19 não foram tomadas.”

O Minist´ério Público e a DPU propuseram um termo de ajuste de conduta (TAC), mas a empresa não assinou o documento. “O MPT ajuizará uma ação civil pública, para que os futuros trabalhadores contratados por essa empresa não venham a ter seus direitos lesados, bem como exigir que os danos sociais sejam reparados financeiramente”, afirmou o procurador do Trabalho Tiago Cabral. Os empregados foram notificados para formalizar os contratos, de forma retroativa, pagando todos os direitos, que somaram R$ 900 mil. Os trabalhadores também receberam guias de seguro-desemprego (três parcelas de um salário mínimo cada).

:: Brasil tem 34,4% dos trabalhadores vivendo com até um salário mínimo

:: Total de resgatados de trabalho escravo já supera 2020. ‘Lista suja’ é atualizada

:: Trabalho escravo flagrado em Minas: más condições e sem direito a tomar vacina

Fonte: Rede Brasil Atual
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br