Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quem não duvida, não examina; quem não examina, não percebe; e quem não percebe, permanece na cegueira e na confusão.
Al-Ghazali
28/09/2021

LIRA SEGURA REFORMA ADMINISTRATIVA

Presidente da Câmara diz que a proposta precisa ser “amadurecida”

Por Raphael Di Cunto e Marcelo Ribeiro — De Brasília

Lira: sem certeza de que tem votos suficientes para aprovação, presidente da Câmara freia tramitação da proposta

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ontem que a análise da reforma administrativa não começará hoje para que a proposta seja “amadurecida” com os partidos. A avaliação é compartilhada por lideranças partidárias, que apontam que o texto precisa vencer resistências para chegar aos votos necessários para ser aprovado em dois turnos pela Casa.

O parecer do deputado Arthur Maia (DEM-BA) foi aprovado por comissão especial na quinta-feira. Pelo regimento, a proposta de emenda constitucional (PEC) poderia entrar na pauta após duas sessões de plenário - prazo que permitiria a votação a partir de hoje. “Vamos amadurecer nas lideranças [antes da votação]”, disse Lira ao Valor. Líderes avaliam que a reforma deve ficar “em banho maria” e só deve ser apreciada quando o tema estiver amadurecido. A leitura é que os entusiastas do projeto ainda precisam conquistar votos para assegurar a aprovação da proposta de emenda em dois turnos.

“Eu acho que a reforma não está madura para ir ao plenário. Tem que amadurecer e só depois desse processo o tema deve ser analisado”, disse o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB). Contrária ao avanço do projeto, a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) afirmou que servidores públicos vão intensificar uma nova mobilização para evitar o avanço do que classificou “como pior texto dos últimos tempos”. Nos bastidores, líderes partidários interpretam que Lira “só aceitou puxar o freio” em relação à PEC por saber “que ainda não há votos suficientes para que o texto seja aprovado”.

“Estamos certos de que a reforma ficará em banho maria até que um número seguro seja alcançado. Há o risco de isso não acontecer e o texto acabar na geladeira”, alertou uma liderança de centro em caráter reservado. Desde semana passada, parte dos líderes defendia que a votação ocorresse o quanto antes, enquanto outros alertavam que era preciso sondar direito as bancadas para medir o número de votos em cada partido e garantir uma margem de segurança para a aprovação. As incertezas sobre a aprovação do projeto são sustentadas pela dança das cadeiras feita na comissão especial para que o texto avançasse. No colegiado, o assunto enfrentou dificuldades em partidos governistas, com a necessidade de troca dos integrantes. Parlamentares do PL, DEM, PSDB e Republicanos acabaram substituídos. O Novo, com apenas oito deputados na Câmara, ficou com sete representantes na comissão. No plenário, será necessário um apoio ainda maior, de 308 dos 513.

Fonte: Valor Econômico
 
+ Capa

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br