Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais espiritual o individuo faz a sua vida, menos medo ele terá da morte. Para uma pessoa espiritual a morte significa libertar o espírito do corpo. Tal pessoa sabe que as coisas com as quais vive não podem ser destruidas
Leon Tolstoi
19/02/2021

O paradoxo das mídias sociais

Em vez de ignorar informações e notícias das mídias sociais, é preciso adquirir habilidades para detectar a desinformação.

O comentário é de Francis Chisembe Chishala, padre jesuíta, educador midiático e relações públicas em várias universidades e faculdades no Zâmbia.

O artigo foi publicado em La Croix International, 15-02-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O advento e o surgimento da tecnologia da informação e da comunicação na forma da internet mudou completamente o modo como o jornalismo e as relações públicas são feitos.

Surgiu um novo papel para o jornalismo cidadão, levantando grandes desafios legais e éticos para a profissão, ao mesmo tempo em que se promove o acesso às plataformas de mídia e a diversificação de vozes como um direito humano.

Com isso, um fantasma ronda sob a forma da desinformação e das fake news, erroneamente consideradas como sinônimos de novas mídias e mídias sociais.

Isso exigiu uma autocensura no terreno não regulamentado das novas mídias, por meio de reportagens responsivas por parte de cidadãos patriotas.

As novas mídias e as mídias sociais são os novos veículos midiáticos que as empresas de mídia utilizam lado a lado com a mídia tradicional na disseminação de informações e notícias.

As novas mídias e as mídias sociais são facilmente acessadas pela maioria das pessoas de uma forma mais simples e acessível.

Aqueles a quem chamamos de Geração X e Millennials, que têm acesso à internet, consomem informações e notícias usando novas tecnologias em seus celulares, tablets, laptops e computadores.

Apesar desses meios da internet, a plataforma tem seus próprios desafios principalmente no que diz respeito à credibilidade, responsividade e confiabilidade das informações e notícias.

O fato de a internet ser uma plataforma de livre acesso para o exercício da liberdade de expressão muitas vezes se esbarra com abusos e práticas antiéticas e ilegais por parte de disseminadores de informações e notícias.

A realidade é que a internet tornou mais fácil para todas as pessoas serem produtoras e consumidoras de mídia ao mesmo tempo. Consequentemente, isso muda a forma como o jornalismo e as relações públicas são feitos na mídia e na prática tradicionais.

Novas mídias, jornalismo cidadão e democracia

Temos agora a realidade do jornalismo cidadão, o que significa que pessoas não treinadas também podem repercutir informações e notícias nas novas mídias e nas mídias sociais, revelando que as informações e as notícias não podem mais ser controladas por padrões jornalísticos e profissionais.

Esse processo comprometeu a qualidade e a precisão das informações e das notícias.

Aqueles de nós que defendem os direitos digitais veem oportunidades para uma liberdade total de expressão com esse novo arranjo de espaços livres e não regulamentados.

Em relação aos direitos humanos, nos quais os indivíduos têm igual acesso à mídia, esse novo arranjo de jornalismo cidadão é uma vantagem.

O jornalismo cidadão, portanto, é um paradoxo em que as informações e as notícias podem ser comprometidas e, ao mesmo tempo, pode-se remover o controle e a regulamentação das mídias, resultando em um acesso total às mídias para a melhoria da democracia.

É incorreto associar a desinformação e as fake news às novas mídias e às mídias sociais. Concordamos que a desinformação e as fake news se tornaram mais evidentes com as novas mídias e as mídias sociais, mas nem todas as notícias das novas mídias e das mídias sociais se enquadram nessas categorias.

As novas mídias e as mídias sociais não devem ser demonizadas pela realidade das fake news e da desinformação, mas devem ser princípios necessários dos direitos humanos, nos quais uma diversidade de vozes não é entregue apenas nas mãos de jornalistas e especialistas, mas de todos.

Embora o ônus recaia sobre as empresas de comunicação nas mídias tradicionais para efetuar a precisão, a veracidade e o equilíbrio das notícias, essa responsabilidade deveria ser transferida aos cidadãos, que são tanto codificadores quanto decodificadores de conteúdo nessa disseminação de novas mídias e mídias sociais.

Em primeiro lugar, como cidadãos, deveríamos ser capazes de praticar, por meio do dom da razão, a autocensura na codificação de informações e notícias nas novas mídias e nas mídias sociais.

A sociedade espera que, como cidadãos, vivamos de acordo com certos padrões éticos e morais, por exemplo, “não causar danos” em todos os níveis de existência e engajamento. É responsabilidade de cada cidadão agir de maneira justa e íntegra, mesmo nas novas mídias e nas mídias sociais.

Devemos desistir de codificar informações que sejam tendenciosas, divisivas, falsas, partidárias ou mera propaganda. Devemos fazer a nossa própria pesquisa, verificar fatos e opiniões. Temos que tentar, por todos os meios, ser o mais objetivos possível e, quando compartilharmos opiniões, elas devem ser atribuídas como tais.

O problema é nos apressarmos em publicar aquilo que não submetemos a um escrutínio, como boatos e propagandas. Devemos evitar ser alarmistas e propagandistas. Fatos devem ser fatos, e opiniões devem ser opiniões.

Diferença entre fato e opinião

O acesso às mídias nos concede o direito de nos expressarmos sem sanções, mas isso não significa que podemos passar a publicar informações não verificadas e fake news.

Como cidadãos, nós deveríamos saber que temos acesso a públicos maiores, que exigem que aprimoremos o nosso esforço de reportagem como colaboradores e consumidores atenciosos de conteúdo midiático.

Portanto, não é apenas o jornalismo, as relações públicas e outras práticas profissionais que exigem adesão ética e legal, mas também é uma obrigação de todo bom cidadão. Não há desculpa para que produtores e consumidores de conteúdo midiático em novas mídias e mídias sociais ajam ou se comportem de outra forma.

Em segundo lugar, precisamos ter as habilidades e a capacidade de identificar a desinformação e as fake news. Tem-se argumentado que as informações e as notícias nas novas mídias e nas mídias sociais não devem ser levadas a sério como se faria com as mídias tradicionais.

Bem, isso seria problemático, porque até mesmo as mídias tradicionais agora têm que reproduzir nas novas mídias e nas mídias sociais aquilo que é codificado nas mídias tradicionais.

O problema com o argumento de não levar a sério as informações nas novas mídias e nas mídias sociais é que agora cada vez mais pessoas consomem conteúdo midiático nessas plataformas.

E, além disso, as mídias tradicionais consideram a internet como uma fonte valiosa de informações e notícias – o que significa que agora ela é importante por causa dos seus atributos de conveniência, imediaticidade e engajamento.

O que é importante e necessário agora não é a necessidade de ignorar informações e notícias das novas mídias e das mídias sociais, mas ser capaz de se proteger em relação àquilo que consumimos e encontramos nessas plataformas.

Isso significa que devemos adquirir capacidades e habilidades para detectar a desinformação e as fake news nas novas mídias e nas mídias sociais.

Aprender e fazer as coisas certas

Quais são as ferramentas disponíveis para detectar a desinformação e as fake news atualmente no mundo? A razão e o conhecimento. Diz-se que conhecimento é poder. Como cidadãos, devemos ter a atitude de aprender e fazer as coisas certas. Precisamos ter uma mente crítica que pondere as coisas.

Nosso raciocínio e conhecimento deveriam ser informados pelos valores consagrados nas nossas culturas e na nossa fé. Eles também precisam ser informados por valores conservados na nossa sociedade e nação em geral.

Portanto, devemos recorrer à nossa cultura, educação, fé ou experiência quando estivermos resolvendo dilemas morais e éticos na execução de deveres e responsabilidades.

As novas mídias e as mídias sociais são os novos caminhos para exercer a cautela e o cuidado em relação àquilo que compartilhamos e consumimos.

O ônus recai sobre nós, como cidadãos. Se a sociedade espera que ajamos de maneira justa e correta, então não podemos nos dar ao luxo de ser irresponsáveis e despretensiosos nas novas mídias e nas plataformas de mídia social.

Ser jornalistas cidadãos não é uma desculpa para negar a ética, a moral e o cumprimento da lei. Em vez disso, é uma oportunidade para desmistificar a ideia de que a disseminação de informações e notícias é uma prerrogativa dos jornalistas e dos relações públicas.

Ao sermos disseminadores de informação e notícias online, estamos na verdade exercendo os nossos direitos humanos e a nossa liberdade de expressão como cidadãos em um regime democrático que diversifica as vozes públicas.

Fonte: Instituto Humanitas Unisinos – IHU
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br