Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Todos os filhos de Adão são membros do mesmo corpo.Quando um membro sofre, todos os outros sofrem também. Aquele que é indiferente ao sofrimento alheio não merece ser chamado de homem.
Muslih-Ud-Din Saadi
20/11/2020

Grupo de bancos, indústria, agro e ONGs vê responsabilidade do governo em venda irregular de madeira

Estadão teve acesso exclusivo à carta elaborada por aliança entre setores, a mesma que apresentou ao governo federal um conjunto de seis propostas para deter o desmate na Amazônia; grupo tem 262 representantes

André Borges , O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA - A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, movimento composto por 262 representantes ligados às áreas do meio ambiente, agronegócio, setor financeiro e academia, enxerga no governo brasileiro um dos principais responsáveis pela criminalidade que domina o mercado de madeira no País, dada a fragilidade das fiscalizações que o poder público realiza no setor.

O Estadão teve acesso exclusivo a uma carta elaborada pela coalizão, a mesma que, em setembro, apresentou ao governo federal um conjunto de seis propostas para deter o desmatamento na Amazônia. O novo documento será encaminhado ao presidente Jair Bolsonaro e ao vice-presidente Hamilton Mourão, além dos ministérios da Agricultura, Meio Ambiente, Economia e Ciência e Tecnologia. As propostas chegarão ainda às mãos de líderes e parlamentares da Câmara e do Senado, ao Parlamento Europeu e embaixadas de países europeus.

LEIA TAMBÉM

'É uma questão de empresas', diz Mourão sobre envolvidos em exportação de madeira ilegal

'É uma questão de empresas', diz Mourão sobre envolvidos em exportação de madeira ilegal

PUBLICIDADE

Estudos mostram que mais de 90% do desmatamento no Brasil é realizado ilegalmente

Estudos mostram que mais de 90% do desmatamento no Brasil é realizado ilegalmente Foto: Dida Sampaio/ Estadão

No documento, os representantes lembram que estudos recentes mostram que mais de 90% do desmatamento no País é realizado ilegalmente e que a exploração florestal tem índices parecidos. O maior obstáculo para mudar a realidade do setor, afirmam, “é a insegurança jurídica causada pela falta de fiscalização e comando e controle pelo Estado”.

“Nesse cenário de ilegalidade, o Brasil perde uma enorme oportunidade, não apenas de garantir um ambiente de negócios no qual a lei é de fato aplicada, mas de promover uma economia que gere benefícios muito além do econômico, como, por exemplo, os modelos de concessão florestal, que viabilizam a produção de madeira enquanto preservam a cobertura vegetal e geram empregos verdes” declaram as instituições e empresas.

“O Brasil só vencerá o comércio ilegal de madeira se todos assumirem sua responsabilidade. É preciso destacar o papel crucial do poder publico, já que empresas e investidores não têm – e nem deveriam ter – poder de polícia para lidar com invasões, roubo de madeira e outras ilicitudes que contaminam a cadeia de produção, atingindo os mercados nacional e internacional, e ainda reforçam outras atividades ilegais”, declara a coalizão.

A Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura reúne nomes da área ambiental como WWF Brasil, WRI Brasil, TNC, Imazon e Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam). Do lado empresarial do agronegócio e da indústria estão companhias como JBS, Klabin, Marfrig, Amaggi, Basf, Danone, Natura e Unilever. Como define a própria coalizão, o grupo é “um dos raros foros de diálogo entre o agronegócio e ambientalistas”.

Neste novo documento, o grupo declara que, além do impacto ambiental e do prejuízo fiscal, a ilegalidade impune gera concorrência desleal para aqueles que operam dentro da lei. Ainda assim, a coalizão afirma que “vê com esperança a manifestação de diversas vozes da sociedade que têm vindo a público externar sua preocupação e compromisso com a sustentabilidade”.

“O Brasil dispõe de conhecimento, informações e experiência suficientes para eliminar a ilegalidade de sua produção e ir além. Mas isso só será possível quando todos os setores, públicos e privados, integrarem esforços, cooperarem e colaborarem neste objetivo e assumirem sua responsabilidade neste desafio”, declaram. “A preocupação com esse cenário, infelizmente, não é nova. Há décadas a ilegalidade é uma das principais causas da violência no campo e de um ambiente avesso aos negócios e à atração de capitais. No entanto, com o aumento observado nos últimos anos nas taxas de desmatamento, o combate ao crime é hoje ainda mais urgente.”

Procurado, o governo não se manifestou até o momento.

Leia abaixo a íntegra do documento:

“19 de novembro de 2020 – Entre as bandeiras da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, movimento composto por mais de 250 representantes do agronegócio, sociedade civil, setor financeiro e academia, está o combate à ilegalidade nas atividades rurais, incluindo o desmatamento e a exploração florestal predatória.

Estudos recentes mostram que mais de 90% do desmatamento no país é realizado ilegalmente e a exploração florestal possui índices parecidos. Além do impacto ambiental e do prejuízo fiscal, a ilegalidade impune gera concorrência desleal para aqueles que operam dentro da lei.

Nesse cenário o Brasil perde uma enorme oportunidade, não apenas de garantir um ambiente de negócios no qual a lei é de fato aplicada, mas de promover uma economia que gere benefícios muito além do econômico, como, por exemplo, os modelos de concessão florestal, que viabilizam a produção de madeira enquanto preservam a cobertura vegetal e geram empregos verdes.

Mas o maior obstáculo a esse modelo é, justamente, a insegurança jurídica causada pela falta de fiscalização e comando e controle pelo Estado. Outros modelos que aliam conservação e produção de madeira tropical são a silvicultura de espécies nativas e os sistemas agroflorestais, que ainda precisam de um olhar especial para ganharem escala.

A preocupação com esse cenário, infelizmente, não é nova. Há décadas a ilegalidade é uma das principais causas da violência no campo e de um ambiente avesso aos negócios e à atração de capitais. No entanto, com o aumento observado nos últimos anos nas taxas de desmatamento, o combate ao crime é hoje ainda mais urgente.

A maior parte da madeira brasileira é consumida no país. Segundo o Imaflora, os estados brasileiros consumiram, em 2018, 91% de toda madeira produzida na Amazônia. Os principais estados produtores são MT, PA e RO, sendo que a maior parte da madeira do MT e RO abastecem as regiões Sul e Sudeste, enquanto o Pará atende boa parte da região Nordeste.

Nenhuma parte das cadeias de produção, dentro e fora do país, poderá se declarar livre do problema da ilegalidade, seja ela uma empresa, comércio, consumidor e, obviamente, o governo. Se, juntas, essas partes apostarem em uma solução e atuação conjunta, todos ganham. Mas basta um desses elos não cumprir com seu papel que todos perdem.

Por isso, a Coalizão Brasil vê com esperança a manifestação de diversas vozes da sociedade que têm vindo a público externar sua preocupação e compromisso com a sustentabilidade. No entanto, é preciso destacar o papel crucial do poder publico, já que empresas e investidores não têm – e nem deveriam ter – poder de polícia para lidar com invasões, roubo de madeira e outras ilicitudes que contaminam a cadeia de produção, atingindo os mercados nacional e internacional e reforçando outras atividades ilegais.

Identificar a origem dos produtos brasileiros e buscar ferramentas de rastreabilidade são desafios diários do setor privado, governo e da sociedade civil que precisam ser acompanhados da completa transparência de dados, tecnologia para melhor aproveitamento e produtividade (plantio, extração, serraria, uso etc.), desenvolvimento de mercado, diversificação dos usos e tipos de madeira, além de mecanismos inovadores para financiamento da cadeia da madeira.

O Brasil dispõe de conhecimento, informações e experiência suficientes para eliminar imediatamente a ilegalidade de sua produção e ir além. Mas isso só será possível quando todos os setores, públicos e privados, integrarem esforços, cooperarem e assumirem sua responsabilidade neste desafio.”

Organizações que aderiram à Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura:

100%Amazonia

2Tree

Abag - Associação Brasileira do Agronegócio

ABBI - Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial

ABIA - Associação Brasileira da Indústria de Alimentos

ABIEC - Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes

ABIMCI - Associação Brasileira da Indústria de Madeira Processada Mecanicamente

ABPMA – Associação Brasileira dos Produtores de Mogno Africano

Abrapalma - Associação Brasileira de Produtores de Óleo de Palma

Agência Ambiental Pick-upau

Agenda Pública

Agrícola Arariba Ltda

Agrícola Conduru

Agroflor Engenharia e Assessoria em Gestão Empresarial Ltda

Agroicone

Agropalma

Agrosatélite Geotecnologia Aplicada

AgroTools

AIPC - Associação Nacional das Indústrias Processadoras de Cacau

Alter Comunicação

AMA Brasil - Associação dos Misturadores de Adubos do Brasil

Amaggi

Amata

Ambientale Ativos Florestais Ltda

Amda - Associação Mineira de Defesa do Ambiente

Animal Equality Brasil

APREC Ecossistemas Costeiros

Apremavi

Arapar Participações

ARPEMG - Associação de RPPN de Minas Gerais

Árvores Centenárias

Asboasnovas

Associação Brasileira de Estudo das Abelhas

ATA Consultoria

Atina - Indústria e Comércio de Ativos Naturais Ltda.

Atrium Forest Consulting

Audsat Sensoriamento Remoto Ltda.

Banco Alfa

BASF S/A

Bayer

Bela Vista Florestal

Belem Bioenergia Brasil

Belterra Agroflorestas

Bem Comunicar

Bichara Advogados

Biofílica

BiomTec - Biomassas e Tecnologia

BioRevita

Black Jaguar Foundation

Bowline Capital Partners

Bradesco

BRF

BRFLOR

Brookfield

BTG Pactual

BvRio - Bolsa de Valores Ambientais

Canal Rural

CAPIN (Centro de Estudos Agroambientais de Pindorama)

Carbonext

Cargill

Carrefour

Cartica Management, LLC

Cause

CDP

Cebds - Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenv. Sustentável

CEGAFI - FUP/UnB

Cenibra

Centro de Sensoriamento Remoto (CSR) da UFMG

Chipsafer

CHS do Brasil

CI - Conservação Internacional

CitrusBR - Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos

Climate Policy Initiative / Núcleo de Avaliação de Políticas Climáticas da PUC-Rio

CME Group - Brasil

CMPC Celulose Riograndense Ltda

CNRPPN - Confederação Nacional de Reservas Particulares do Patrimônio Natural

Complexo Pequeno Príncipe

Conserve Brasil

Cooperenges - Cooperativa de Trabalho de Engenharia, Serviços e Consultoria Ltda

Corredor Ecológico do Vale do Paraíba

CPFL Renováveis

CRIA - Centro de Referência em Informação Ambiental

Crível Comunicação

Danone

DDSA Advogados

Diálogo Florestal

Duratex

Earth Innovation Institute

ECCON Soluções Ambientais

Ecofuturo

Editora Horizonte

EDLP – Estação da Luz Participações Ltda.

Eldorado Brasil Celulose S/A

Envolverde

EQAO

Etel Carmona

Eucatex

FAS - Fundação Amazonas Sustentável

Fauna & Flora International

Fazenda do Futuro

FBDS - Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável

FIA - Fundação Instituto de Administração

Firmenich

FLAP Novos Negócios, Consultoria e Treinamento

Fórum Clima

FREPESP – Federação das Reservas Ecológicas Particulares do Estado de São Paulo

FSC Brasil

Fundação Avina

Fundação de Apoio à Pesquisa do Corredor de Exportação Norte

Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza

Fundação Jupará de Cultura e Ecologia

Fundação Renova

Futuro Florestal Ltda.

GCN Advogados

GEFAS – Grupo de Gestão de Fauna Silvestre

Geplant

Gerdau

GITEC Brasil Consultoria Socioambiental

GND

Green Nation

Grupo Boticário

Grupo Lorentzen

Grupo Pau Campeche

Grupo Plantar

GTA - Grupo de Trabalho Amazônico

GTPS - Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável

GVces - Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV-EAESP

Guayaki Yerba Mate Brasil

Humana Brasil - Povo para Povo

IABS - Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade

Ibá - Indústria Brasileira de Árvores

IBS – Instituto BioSistêmico

ICLEI - SAMS

ICV - Instituto Centro de Vida

IDESAM - Instituto de Conserv. e Desenv. Sustentável do Amazonas

IDS - Instituto Democracia e Sustentabilidade

IGT - Instituto Governança de Terras

Imaflora

Imazon

Iniciativa Verde

Inpacto - Instituto Nacional Para Erradicação do Trabalho Escravo

INPRA – Instituto Internacional de Pesquisa e Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes

Insper Agro Global

Instituto Abraço

Instituto Akatu

Instituto Arapyaú

Instituto Auá de Empreendedorismo Socioambiental

Instituto Clima e Sociedade

Instituto Conexões Sustentáveis – Conexsus

Instituto Coruputuba

Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB)

Instituto de Inclusão Cultural e Tecnológica - Tecnoarte

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo - IPT

Instituto Ecológica Palmas

Instituto Ekos Brasil

Instituto Escolhas

Instituto Ethos

Instituto Igarapé

Instituto Inhotim

Instituto Internacional de Educação do Brasil - IEB

Instituto Internacional para Sustentabilidade

Instituto Jatobás

Instituto LIFE

Instituto Perene

Instituto SIADES - Sistema de Informações Ambientais para o Desenvolvimento Sustentável

Instituto Sul Mineiro de Estudos e Conservação da Natureza

Instituto Terra

Instituto Terroá

IPAM - Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia

IPE - Instituto de Pesquisas Ecológicas

Itaú Unibanco

JBS

Kaeté Investimentos

Klabin

Laboratório Cenergia COPPE/UFRJ

Laboratório de Ecologia da Intervenção LEI/UFMS

Laboratório de Ecologia de Paisagens e Conservação IB/USP

Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais Lagesa/UFMG

Maker Brands

Maraé

Marfrig Global Foods

Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais

Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados

Mauá Capital

Melhoramentos Florestal

MOV Investimentos

MundoGEO

National Wildlife Federation - NWF

Natura

NEA/Economia/Unicamp

NELM Advogados

Nestlé

Nexus Socioambiental

Observatório da Agricultura de Baixa Emissão de Carbono

Oela

Organização de Conservação da Terra - OCT

Pacto pela Restauração da Mata Atlântica

Pangea Capital

Parque Científico e Tecnológico do Sul da Bahia e Centro de Inovação do Cacau

Partner Desenvolvimento

Partnerships For Forests – P4F

P&B Comunicação

Pinheiro Neto Advogados

Pires Castanho Advogados | Consultoria Ambiental

Piza

Plante Chuva

Plant-for-the-Planet Brasil

Plantio Brasil

Proactiva

Proforest Brasil

Projeto Manuelzão UFMG

PTA Internacional

Pure Brasil

Rabobank Brasil

Rainforest Business School – Programa Amazônia em Transformação - IEA/USP

RAPS - Rede de Ação Política pela Sustentabilidade

Rede Brasil do Pacto Global

Rede Mulher Florestal

reNature

Reservas Votorantim Ltda

Rizoma Agro

Rotta e Moro Advogados | Assessoria Jurídica Ambiental

RSB - Roundtable on Sustainable Biomaterials

Rumo S.A.

Santander

Santiago & Cintra Consultoria Ltda

Save Cerrado

Seiva Consultoria em Meio Ambiente & Sustentabilidade

Sintecsys

Sinapsis

SIS - Soluções Inclusivas Sustentáveis

Sneek Timber

Social Carbon

Sociedade de Investigações Florestais (SIF/UFV)

Solidaridad Network

Souto Correa Advogados

SR4 Soluções Ltda

STCP Engenharia de Projeto LTDA

Suzano

TFA - Tropical Forest Alliance

Themudo Lessa Advogados

Thymus Branding

TNC - The Nature Conservancy

Toledo Piza Consultoria Ambiental

Transparência Internacional - Brasil

Trench Rossi Watanabe Advogados

Tropical Flora Reflorestadora Ltda.

UBS

UICN - União Internacional para a Conservação da Natureza

UNICAFES - União Nacional das Cooperativas de Agricultura Familiar e Economia Solidária

Unilever

Veirano Advogados

Veracel

Vicente & Maciel Advogados

Viveiro Carobinha

Viveiro Muda Tudo

Way Carbon

WestRock

WRI Brasil - World Resources Institute

WWF Brasil

Youagro

Youth Climate Leaders

Fonte: Estadão
 
+ Clipagem

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br