Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aceita o que vês e abandona o que ouviste dizer.
Al-Ghazali
22/10/2020

Após bravata de Bolsonaro sobre vacina chinesa, oposição vai ao STF e propõe projeto de lei

“É uma tática dele”, diz cientista político sobre presidente. Infectologista lembra que tudo o que se fala ainda é meramente especulativo, em termos de eficácia e segurança das vacinas

Por Eduardo Maretti, da RBA

São Paulo – A atitude do presidente Jair Bolsonaro de cancelar a compra, pelo Brasil, de 46 milhões de doses da Coronavac – a vacina chinesa da farmacêutica Sinovac – é uma bravata política para satisfazer a parcela de eleitores mais radicais, avalia o cientista político Oswaldo Amaral, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). “É a tática dele, para animar a base mais fiel, de 15% a 20%, e é sempre assim. Ele diz que o governo não vai comprar, mas sabe que alguém vai entrar no Supremo e o tribunal vai mandar comprar. As pessoas vão ser vacinadas e daqui a um ano ninguém mais lembra dessa história. É muito parecido com a questão da quarentena no início da pandemia.”

A discussão judicial deve se dar sobre a questão da compra, produção e distribuição. O STF deve liberar ou permitir que os estados adotem medidas independentemente do Planalto. Já há inclusive jurisprudência. Em abril, a Corte decidiu a favor da legitimidade de estados e municípios na adoção de medidas restritivas durante a pandemia.

“Na época, as negociações entre estados aconteceram à revelia do governo federal”, lembra o analista. Atualmente, há uma disputa política entre o governador de São Paulo, João Doria, e Bolsonaro, pelo protagonismo em torno da pandemia.

No tribunal

A Rede Sustentabilidade elabora uma ação, que pretende ajuizar no STF nesta quinta-feira (22), para obrigar o governo a comprar e distribuir vacinas aprovadas pela Anvisa. Vários governadores se manifestaram à fala de Bolsonaro contra a Coronavac (leia aqui). O PDT, também está entrando com ação no Supremo para garantir a competência de estados e municípios para impor medidas, como vacinação obrigatória.

Além deles, a presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), apresentou um projeto de lei para que a vacina contra a Covid-19 seja obrigatória.

Nesta quarta, o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa ), Antônio Barra, disse que a covid-19 é “prioridade da agência”. E que as decisões em torno das quatro pesquisas sobre vacinas em andamento no Brasil não serão alteradas por “influência e pressão” a não ser da ciência.

Ontem (20), em audiência pública realizada pela Comissão Mista de Acompanhamento das Medidas de Combate à Covid-19, no Congresso, o diretor-adjunto da Anvisa, Juvenal de Souza Brasil Neto, na mesma direção, foi taxativo: “Não existe interferência politica na Anvisa, que é um órgão de Estado, não de governo”.

Visão da ciência

Para o infectologista Plínio Trabasso, também da Unicamp, as manifestações recentes, sobretudo de Bolsonaro, sobre a compra ou não da vacina chinesa ou qualquer outra são “retórica política”. Isso porque nenhuma das vacinas em teste no Brasil tem autorização para ser comercializada até o momento. E ainda não há dados definitivos e oficiais sobre eficácia e segurança dos imunizantes de Oxford (da farmacêutica AstraZeneca), Coronavac (da chinesa Sinovac) e da Sputnik (da Rússia), em sua opinião “as mais promissoras” até o momento.

Também não há conclusões definitivas nos dois grandes ensaios clínicos desenvolvidos no Brasil, da Fiocruz (que trabalha com a vacina de Oxford) e do Instituto Butantan (que vai produzir a Coronavac). “Toda discussão ainda é puramente política. Essas vacinas com certeza são minimamente seguras, porque nenhuma delas foi interrompida”, diz.

Uma coisa são os testes aplicados em mil, duas mil ou 5 mil pessoas, observa Trabasso, e outra muito diferente é a utilização de uma vacina em 5 bilhões de pessoas. “Você vai ter realmente comprovação de eficácia e segurança ao longo dos anos. Tudo o que se fala hoje é meramente especulativo, em termos de sustentabilidade e resposta imunológica. A ciência é fria, não tem emoção, no sentido cartesiano. Quando se tira dela o rigor científico, sempre se vai incorrer em exagero ou bobagens.”

Otimismo cauteloso

Com essa visão, Trabasso manifesta um otimismo cauteloso em relação à vacina contra a covid-19. “Todos nós ansiamos muito para ter uma vacina eficaz e segura. Mas, normalmente, o desenvolvimento leva anos.”

Na atual situação emergencial global, ressalva, talvez haja resultados em tempo menor, por meio dos consórcios mundiais envolvidos nas pesquisas. O esforço permite agregar dados numa velocidade maior. “Mas não se pode fugir do rigor das análises. A gente tem uma expectativa favorável, mas temos que aguardar os dados serem divulgados.”

Apesar do esforço da ciência por décadas, doenças como Aids, dengue e malária assolam o mundo sem uma solução até hoje. A covid, porém, tem algumas características que permitem expectativas mais promissoras. Uma delas é que a ciência já conhece a família do coronavírus desde a década de 60, e a maioria das pessoas é contaminada com esses organismos durante a vida.

Fonte: Rede Brasil Atual
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br