Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quando as pessoas falam de forma muito elaborada e sofisticada, ou querem contar uma mentira, ou querem admirar a si mesmas. Ninguém deve acreditar em tais pessoas. A fala boa é sempre clara, inteligente e compreendida por todos.
Leon Tolstoi
25/09/2020

Em livro, Mandetta acusa Bolsonaro de negacionismo

Ao relembrar últimos dias de sua gestão, ex-ministro da Saúde afirma que presidente não deu atenção a dados da pandemia de covid-19

Valmar Hupsel Filho, O Estado de S.Paulo

Dos problemas enfrentados por sua gestão no Ministério da Saúde nas ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta aponta o que na sua opinião foi o principal deles: a postura negacionista do presidente Jair Bolsonaro. Segundo Mandetta, se o presidente liderasse a adoção de protocolos estabelecidos pela pasta para preparar o sistema público de Saúde e a população, o Brasil certamente não estaria entre os países com o maior número de vítimas da doença.

LEIA TAMBÉM

Adhemar de Barros, o prefeito que liberou o Masp na Paulista e popularizou a ‘caixinha’

“Poderia ter sido diferente, para melhor”, disse Mandetta, que lança nesta sexta-feira, 25, o livro Um paciente chamado Brasil, no qual relata, em primeira pessoa, os últimos 87 dias de sua gestão na pasta. No período, passou a ser a principal voz na defesa do isolamento social como forma de atenuar efeitos da pandemia, ao contrário do que defendia o presidente. Com isso, ganhou popularidade, provocou ciúme de Bolsonaro e deixou o governo credenciado para as discussões sobre eleições de 2022 em seu partido, o DEM.

PUBLICIDADE

Ads by Teads

mandetta

Obra. Livro foi escrito na quarentena imposta a ex-ministros Foto: Dida Sampaio / Estadão

O livro, segundo ele, foi escrito na quarentena de seis meses imposta a ministros que deixam o governo, “para que as pessoas entendam que, por mais bem-intencionadas que sejam seus trabalhos, a política é necessária.” Ao analisar as decisões políticas, faz mea-culpa e critica a Organização Mundial de Saúde (OMS) por relutar em classificar a covid-19 como emergência sanitária mundial.

O foco principal das críticas, no entanto, é Bolsonaro, descrito como alguém em negação diante do agravamento da doença. “Primeiro ele negou a gravidade da covid-19, falando que era só uma ‘gripezinha’. Depois ficou com raiva do médico, ou seja, de mim. Depois partiu para o milagre, que é acreditar na cloroquina”, escreve.

Mandetta relata que, antes mesmo do primeiro caso no País, tentou por diversas vezes apresentar dados, projeções e medidas de prevenção a serem tomadas. Mas, segundo ele, o presidente “sempre arranjava um jeito de não participar”. Nas reuniões ministeriais, afirma, não tinha espaço para falar.

Segundo o ex-ministro, Bolsonaro só viu os dados em uma ocasião, na reunião no Palácio do Alvorada, em 28 de março. Naquele dia, o País registrava 92 óbitos por covid-19. Mandetta diz que apresentou três projeções – que estimava de 30 mil a 180 mil óbitos por covid-19 no País.

Na ocasião, diante dos ministros militares, Mandetta chegou a perguntar se o presidente estava preparado para ver caminhões do Exército carregando cadáveres, como havia acontecido na Itália. “Depois de eu ter ficado por uma hora e meia oferecendo todos os elementos que provavam a gravidade do problema, ele mostrou que não estava nem um pouco convencido.” Naquele dia, Bolsonaro disse: “Infelizmente, algumas mortes terão. Paciência”. No dia seguinte, o presidente foi a Taguatinga e provocou aglomeração ao circular pelo comércio local.

Mandetta diz que naquela reunião, os demais ministros já estavam convencidos de que o presidente não deveria seguir pelo caminho da negação. Mas, como exemplo de que o governo negligenciou medidas de prevenção, relata que o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, participou da reunião 10 dias depois de ser diagnosticado com covid-19 – ignorando o protocolo que estabelece quarentena de 14 dias. O Brasil registrou na quinta-feira, 24, mais de 139 mil óbitos por covid – o que aproxima o País da estimativa mais pessimista feita pelo ministério da Saúde em março.

Onyx é acusado de gravar deputados

No livro, Mandetta acusa o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, do que ele chamou de “pecado mortal” na política. Mandetta afirma que, em 2016, quando Onyx era deputado e relator das “10 medidas contra a corrupção”, ele lhe confessou ter gravado parlamentares durante uma reunião na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Segundo Mandetta, na ocasião Onyx era pressionado por parlamentares para alterar o texto original, proposto por procuradores da Lava Jato – e era este o teor das conversas supostamente gravadas. O clima era de articulação pela substituição de Onyx na relatoria. Mandetta escreveu que Onyx lhe mostrou a gravação e fez ameaças aos parlamentares de que, se a pressão continuasse, iria vazá-la para a imprensa.

Mandetta relata que contou isso a Maia, e o presidente da Câmara recuou de tirar Onyx da relatoria. Dias antes, Onyx havia sido flagrado em gravação articulando a saída de Mandetta do ministério. Procurado, Onyx não respondeu.

Fonte: Estadão
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br