Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
16/09/2020

Pito de Bolsonaro mostra que governo está perdido em como agir com fim de auxílio emergencial

O presidente e a ala política cobraram a elaboração de um programa social mais encorpado que o Bolsa Família, sem se dar conta de que o sonhado Renda Brasil não cabe no Orçamento e no teto de gastos

Adriana Fernandes*, O Estado de S.Paulo

O papel de defensor dos “pobres e paupérrimos” encarnado pelo presidente Jair Bolsonaro serve para aumentar apoiadores, mas revela que o governo ainda está muito perdido sobre o que fazer no “dia depois” do fim do auxílio emergencial dado à população vulnerável durante a pandemia da covid-19.

O relógio está correndo contra o presidente e sua equipe. E não apenas para a equipe econômica do ministro Paulo Guedes, mas para todo o governo federal e também os seus líderes no Congresso.

LEIA TAMBÉM

Carlos Melo: Entre pobres e paupérrimos, Bolsonaro não resolve o problema de ninguém

Carlos Melo: Entre pobres e paupérrimos, Bolsonaro não resolve o problema de ninguém

Afinal, o presidente e a ala política do governo colocaram “olho gordo” no potencial do auxílio para aumentar a popularidade do presidente em meio às críticas por causa da atuação do governo federal no combate à pandemia.

Cobraram a elaboração de um “programa social” novo rápido e mais encorpado do que o Bolsa Família, sem se dar conta que esse Renda Brasil sonhado não cabe no Orçamento e na regra do teto de gasto - que todos eles assumiram em manter.

Passados tantos meses de discussão do ajuste fiscal, não dá para dizer que o presidente e os seus fiéis ministros palacianos não sabiam até o dia de hoje do que se tratava a “desindexação” do Orçamento. Sabiam.

Essa palavrinha foi dita pelo ministro Guedes desde o primeiro dia de governo e também na transição no que ele apelidou de “DDD” - desvinculação, desindexação e desobrigação - e repetidas por ministros e líderes.

O governo não quer mexer em outras despesas ineficientes e, ao contrário, continua trabalhando para manter os privilégios dos “amigos” do presidente, como se viu no episódio do perdão das multas das igrejas.

As opções discutidas são as piores para o momento. O próximo bode expiatório está a caminho. Permanece a dúvida: o presidente desistiu do Renda Brasil como conceito de reestruturar os programas sociais, mas vai tentar estender o auxílio emergencial? O piti de hoje do presidente de nada ajuda.

*Repórter especial de Economia em Brasília

Fonte: Estadão
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br