Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O sabio que tudo sabe é aquele que sabe que nada sabe.
Platão
15/09/2020

Associações de aposentados veem proposta de congelamento como ‘mais um caos’

Dirigentes prometem manifesto contra a ideia do governo de congelar pensões e aposentadorias por dois anos, além de pressão para que a proposta não seja aprovada

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

Indignação e caos foram as palavras repetidas por dirigentes de três das principais entidades que representam aposentados e pensionistas do País sobre a possibilidade de terem os benefícios congelados por dois anos.

“O que a maioria dos aposentados recebe já é pouco, e ainda ficar sem o “aumentinho’ que temos todo ano vai ficar muito pior”, diz Warley Martins Gonçalves, presidente da Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (Cobap).

LEIA TAMBÉM

Congelamento de salários e mudanças nas carreiras do funcionalismo devem economizar até R$ 816 bi

Congelamento de salários e mudanças nas carreiras do funcionalismo devem economizar até R$ 816 bi

Previdência social

Entidades apontam que valor recebido pelos aposentados já é pouco e falta de aumento pode deixar muito pior. Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Ele afirma estar indignado pois o tema surge no momento em que os aposentados pedem o pagamento de um 14º salário para ajudar a bancar despesas de familiares desempregados e os gastos com a saúde nesse momento de pandemia de covid-19. “Já perdemos mais de 30 dirigentes de entidades filiadas”, diz Gonçalves. “Vamos pressionar o Senado para não aprovar.”

A Cobap reúne 22 de federações de aposentados e 540 associações e representa todos os aposentados e pensionistas do País, embora tenha 320 mil associados. “Estamos perdendo muitos filiados este ano porque eles não têm condições de pagar a mensalidade, que é de 1% do benefício”, diz Gonçalves.

Empréstimo consignado

João Inocentini, presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados (Sindnapi), também vê a medida com indignação. “Querem que os mais miseráveis do País, os aposentados, banquem a conta do programa Renda Brasil. Os aposentados não têm dinheiro nem para pagar o remédio e o arroz e feijão.”

Segundo Inocentini, nos últimos seis meses ocorreu aumento de 52% nos empréstimos consignados feitos por aposentados principalmente para bancar familiares que estão desempregados e não conseguiram receber os R$ 600 do auxílio emergencial. Uma das reivindicações das entidades, aliás, é que a cobrança das prestações dos consignados seja suspensa por pelo menos quatro meses.

Hoje, o Sindinapi, que é filiado à Força Sindical, vai lançar um manifesto contra a medida. “Vamos informar a população sobre o risco que nosso País está correndo, pois a maioria dos aposentados recebe cerca de R$ 1 mil, e ficar com esse valor congelado por dois anos será mais um caos”.

Ele ressalta que toda a sociedade terá de bancar o Renda Brasil, e que os aposentados estão dispostos a dar sua contribuição, mas não do jeito que está sendo feito. “O Supremo aprova mais benefícios para os juízes, ninguém mexe com as Forças Armadas e querem que só os pobres paguem essa conta”?, indaga Inocentini.

O secretário executivo da Federação Nacional dos Trabalhadores Aposentados, Pensionistas e Idosos (Fenapi), Evanildo Amâncio, confirma que a situação dos aposentados já é precária, inclusive por causa da pandemia e se os proventos forem congelados “será um caos para as pessoas e para o País”. Ele também ressalta que muitos idosos são arrimo de famílias em razão do elevado índice desemprego.

Há cerca de 15 dias, a entidade, filiada à CUT, enviou carta ao presidente Jair Bolsonaro expondo a situação dos cerca de 33 milhões de aposentados do País pela Previdência Social e o receio do fim do programa Farmácia Popular. Segundo ele, não houve resposta ainda. Amâncio lembrou que, no governo Lula, o benefício era corrigido pela inflação e tinha aumento real com base no crescimento do PIB e é isso que a categoria reivindica.

Fonte: Estadão
 
+ Capa

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br