Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Pessimista é um otimista bem informado.
Autor Desconhecido
31/07/2020

O momento mais delicado de Guedes

Ministro precisa montar um programa para reeleger Bolsonaro e não explodir as contas públicas

Por Thomas Traumann -

O ministro da Economia, Paulo Guedes, atravessa o seu momento mais delicado no governo Bolsonaro. Nas últimas semanas, quatro assessores diretos pediram para sair. Ao mesmo tempo, uma manobra malfeita junto ao Congresso deu a entender que a equipe não está comprometida com a meta scal para o ano que vem, os militares ampliaram a pressão para liberar verbas para obras federais e o presidente Jair Bolsonaro pressiona o ministro a montar um novo programa social que substitua o Bolsa Família e lhe garanta a reeleição em 2022. Não está fácil. Vamos repartir os problemas por partes para, então, entender o todo. O mais simples é a substituição de auxiliares.

Deixaram o governo o competente Mansueto Almeida, um dos melhores secretários de Tesouro que o Brasil já teve. Depois o maior especialista em comércio Brasil-China Marcos Troyjo deixou a secretaria de Comércio Exterior. Exaurido depois de quatro anos de serviços públicos, Caio Megale saiu da Secretaria de Indústria. Por último, com uma gestão anêmica, Rubem Novaes deixou a presidência do Banco do Brasil. Há meses se fala que o secretário nacional de desestatização, Salim Matar, também deve pedir para sair por falta de paciência com a burocracia. Tudo indica que Guedes terá autonomia do presidente para fazer as trocas.

O problema começa quando o assunto é dinheiro. Neste ano, em função da pandemia, foi decretada calamidade e as restrições scais foram exibilizadas. O décit público que foi de R$90 bilhões em 2019 deve ultrapassar R$ 800 bilhões neste ano, mas diante da catástrofe global, está tudo bem. Para o mercado, a questão é (a) voltar o décit para menos de R$ 200 bilhões no ano que vem e (b) mostrar um plano factível de redução do décit para os próximos dez anos. A curva do décit é fundamental para o país manter os níveis atuais de boa vontade do mercado. Foi quando essa boa vontade se perdeu que o governo Dilma foi para o buraco.

Por história, Guedes é um defensor de toda rigidez fiscal, cortes de gastos e privatizações. Só que a vida de analista econômico da Faria Lima é bem mais simples do que de ministro. É preciso se equilibrar entre as pressões. A primeira negociação dura de Guedes é com os militares que enxergam no ministro uma reedição do “satânico dr. No”. Generais como o ministro Braga Netto acreditam ser possível impulsionar o crescimento a partir do ano que vem a retomada de várias obras federais, em uma versão repaginada do PAC dos governos Lula e Dilma. Para isso, Braga Netto quer fazer uma manobra fiscal.

A Casa Civil quer propor ao Congresso empenhar até 31 de dezembro (quando o país ainda estará sob regras excepcionais) a possibilidade de empenhar emendas para obras no valor total de R$ 35 bilhões. Na prática, o dinheiro seria gasto entre 2021 e 22, mas no papel estaria como gasto efetivo de 2020. O nome disso é fraude, mas os militares estão dispostos ao risco. Se este fosse o único problema de Guedes, ele seria um homem feliz. A espada de Dêmocles sobre sua cabeça é montar o Renda Brasil, o programa que vai ocupar o lugar do Bolsa Família. Bolsonaro acredita que se o Renda Brasil der certo, ele ganhará os votos dos pobres eleitores do PT e será reeleito com folga em 2022. O programa virou, portanto, prioridade zero.

Para explicar o desafio: –

O Auxílio Emergencial de R$ 600 foi recebido por 65 milhões de brasileiros;

– 19,2 milhões já eram beneciários pelo Bolsa Família;

– 10,5 milhões já estavam cadastrados em outros programas sociais federais;

– 35,7 milhões de novos cadastrados, que se candidataram via site ou aplicativo.

São trabalhadores informais, empregados que recebem menos de 2 salários mínimos, desempregados, microempresários que nunca antes haviam recebido assistência social. Guedes os chama de “os invisíveis”. Em live para a XP, Guedes armou que o Renda Brasil terá “no máximo” 10 milhões de beneciados além do Bolsa Família (em torno de 30 milhões de cadastrados no total, portanto). O custo previsto é de R$ 55 bilhões por ano, R$ 15 bilhões a mais do que no Bolsa Família. Essa transição para o m do Auxílio para o início do Renda Brasil é complexa.

Quase 36 milhões de adultos que estão sobrevivendo com R$ 600 desde abril passarão a receber zero com o m do programa. O Auxílio Emergencial começou a ser pago em abril e para a maioria dos beneciados termina em agosto. Ocorre que o cadastro dos “invisíveis” foi lento, o que signica que o nal do programa será escalonado até dezembro. Numa operação desastrada, Guedes e seus auxiliares tentaram arrancar parte deste dinheiro na votação do Fundeb, o fundo que sustenta a educação básica nos municípios. Foram derrotadas.

Depois, Guedes falou que poderia arranjar o dinheiro acabando com o seguro-desemprego, o segurodefeso e o abono-salarial, mas (a) parte dos recursos desses programas já está comprometida no orçamento e (b) vai precisar de aprovação no Congresso, improvável em um ano eleitoral. Guedes precisa renovar o seu time, montar um programa que reeleja Bolsonaro e arranjar dinheiro para manter o apoio interno dos militares. Tudo isso sem explodir as contas públicas, porque se isso acontecer todo o castelo de cartas cai. Ministro da Economia não é mesmo um emprego fácil.

Fonte: Veja
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br