Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Existe uma estratégia administrativa para resistir à ação legal e judiciária dos particulares: silencios sistemáticos ou atrasos voluntários
Jean Cruet
29/06/2020

O papel da esquerda na luta contra Bolsonaro.

Por Emir Sader

Publicado por Diario do Centro do Mundo

28 de junho de 2020

1. O pais estava em uma situação de empate, de equilíbrio entre o golpe e o impeachment. Nem Bolsonaro estava em condições de dar o golpe, embora fizesse sistematicamente ameaças, nem a oposição estava em condições de impor o impeachment. Bolsonaro foi sendo cercado juridicamente com os processos das fake news sobre um filho, o das mobilizações antidemocráticas com o gabinete do ódio, e a própria chapa dele no TSE. Ele foi moderando a linguagem, buscando retomar laços com o STF. A oposição, por sua vez, perdeu apoios para o impeachment: PSDB, Cid Gomes, Gilmar Mendes, presidente do MDB. Havia uma espécie de empate catastrófico, porque o paÍs continua a se desfazer, tanto em termos de crise de saúde publica, como econômica e social.

2. O governo passou a se sustentar, com a saída do Moro e o tema da luta contra a corrupção, no tripé: empresariado, militares e Centrão. A manutenção do Paulo Guedes garante o apoio do empresariado. O apoio dos militares, com o aumento deles no governo (se fala de mais de 3 mil) e da entrega do Ministério da Saúde. E a aliança com o Centrão, para tratar de impedir o impeachment no Congresso.

3. A prisão de Queiroz muda o cenário político, com projeções incalculáveis. Pelo papel central que ele tinha nas finanças da gangue e de outras atividades, suas declarações e as da sua mulher podem revelar mecanismos de funcionamento do núcleo familiar do poder que o abale publicamente. Bolsonaro encolheu, os filhos também, na expectativa das revelações. No caso do ex-advogado, Wassef, também há uma fonte de revelações incontroláveis. É preciso saber quanto essas revelações abalam o apoio daquele tripé. O Centrão é o apoio mais incerto, embora já tenha recebido cargos polpudos no governo, mas tem menor coesão interna. O único sintoma novo no empresariado é o surgimento de uma oposição na Fiesp. Os militares, que estavam marginalizados politicamente e se sentiam desmoralizados com a Comissão da Verdade e encontraram no Bolsonaro a reivindicação de toda sua ação – golpe, tortura, torturadores, etc. – entraram no governo pela falta de pessoal de governo do Bolsonaro, com seu partido se esfacelando. Sua entrada no ministério da saúde é muito arriscada, porque joga seu prestígio como supostos bons gestores. Não houve nenhuma defecção, salvo de alguns militares que o Bolsonaro tirou do governo, por brigas pontuais, que agora fazem declarações criticas ao Bolsonaro. Mas a situação passou a estar aberta.

4. Reaparecem as especulações da eventual substituição do Bolsonaro pelo Mourão, mas é uma operação de muito risco. A situação de Bolsonaro e os seus filhos é tão frágil, que sabem que se ele sair do governo, todos correm risco de ser presos e condenados. (Bolsonaro se dá conta de que mesmo o Temer, que fez tudo o que a direita queria, em algum momento foi preso.) Mas seria a melhor solução para a direita (empresariado, mídia, Judiciário). Corre o processo de anulação da chapa no TSE, que aparentemente teria poucas possibilidades de prosperar. Salvo se a chegada do celular do Bebianno tenha revelações sobre a campanha eleitoral, que altere esse quadro. Mas dá a impressão de que a direita não tem uma direção centralizada, como tinha nas campanhas eleitorais contra o PT, com o bloco de principais donos da mídia funcionando como uma espécie de direção partidária da direita. Há um núcleo empresarial, militar e partidário que segue com o Bolsonaro. A mídia está em posição francamente opositora a ele, mas não à sua politica econômica. O STF encontrou um espaço para si, colocando limites nas maiores arbitrariedades e aparecendo como se fosse o defensor do Estado de direito e da própria democracia (depois de ter sido fundamental na ruptura da democracia e na própria vitória do Bolsonaro). A capacidade de governar do Bolsonaro fica restringida, com grande quantidade de iniciativas bloqueadas. Mas nada que impeça o funcionamento da política econômica do Paulo Guedes. Nem a distribuição dos cargos para os militares e para o Centrão.

5. O principal problema para a esquerda é que as contradições no campo da direita ocupam o centro da politica nacional, deixando a esquerda como protagonista secundária, pressionada a tomar posição entre os polos da direita. Claro que o seu horizonte é o Fora Bolsonaro, mas setores da direita também estão pelo impeachment. A esquerda se diferencia porque quer o Fora Bolsonaro, Mourão e a política neoliberal do Paulo Guedes. Mas o objetivo imediato é tirar o Bolsonaro, porque ele é o responsável pelas três crises que sofre o pais: a de saúde publica, a econômica e social, e a politica. Com ele, não se pode avançar nada e o povo sofre muito com o vírus, a recessão e o desemprego.

6. O maior obstáculo para o Fora Bolsonaro é que ele não paga o preço nem da pandemia, nem da recessão. Seu discurso joga as culpas nos outros, como ele sempre faz. Seu desgaste, pelas pesquisas, é pela crises politicas que ele gera, brigando com todo mundo, pelas açoes dos filhos, pela falta de tranquilidade para o país, cansado de conflitos. Para criar um clima nacional de não aguentar mais o Bolsonaro, é necessário fazer com que ele apareça para todos como culpado pela morte de cada brasileiro por minuto todos os dias, pela depressão econômica e a precariedade no trabalho, que já atinge a metade da população brasileira. Os outros obstáculos – falta de 2/3 no Congresso, obstáculos jurídicos e outros – podem ser superados, se se consegue criar um clima nacional contra o Bolsonaro, fazê-lo culpado, diante da grande maioria da população, pelos males que o Brasil vive, pelo pior momento que o país já viveu. Até que o Basta Bolsonaro seja uma realidade para a grande maioria do povo.

7. É possível que ocorra como ocorreu com o Collor: se derrube o Bolsonaro, mas não se consiga derrubar a politica econômica. Mas será uma vitória para a democracia, para o povo, para o Brasil, que dará mais confiança ao movimento popular para as lutas futuras. Mas isso pode ser discutido depois.

Fonte: DCM
 
+ Capa

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br