Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Todas as criaturas vivas tem a mesma origem divina, todas elas são unidade. Todos nós somos membros de um grande corpo.
Leon Tolstoi
23/04/2020

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho

Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírus

Fernanda Brigatti

SÃO PAULO

Em meio à mais grave crise dos últimos anos, o Brasil corre o risco de não saber exatamente o tamanho do buraco a que foi lançado durante a pandemia do coronavírus.

Não há quem duvide que a estagnação da atividade econômica e o confinamento social estejam gerando demissões em diversos setores, mas passado um mês do agravamento da crise sanitária, sabe-se muito pouco. Em outras palavras, não há estatísticas oficiais para o que trabalhadores do país estão enfrentando no dia a dia.

Tampouco se sabe como foram os meses que antecederam a chegada do coronavírus ao Brasil.

O Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que mede o sobe e desce do emprego formal, ainda não foi divulgado neste ano. Nem os dados dos meses de janeiro e fevereiro foram divulgados ainda.

A Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), pesquisa conduzida pelo IBGE por amostragem, e muito importante para medir a informalidade e o emprego por conta própria –além da taxa de desemprego oficial do país–, vai ter que mudar. A pesquisa passará a ser feita pelo telefone, modelo sujeito a distorções.

Trabalhadores se aglomeram para entregar currículos em empresa na região central de São Paulo - Danilo Verpa-19.set.19/Folhapress

O seguro-desemprego, benefício que pode ser solicitado via internet, já está sendo pago aos dispensados pelo coronavírus.

Quantos são, no entanto, ainda não se sabe, e o Ministério da Economia não tem previsão de quando serão apresentados os dados do primeiro mês sob a pandemia.

Em outros países, como nos Estados Unidos, os dados do auxílio pago a desempregados são liberados semanalmente pelo Departamento de Trabalho. Na semana terminada em 11 de abril, 5,2 milhões de pedidos foram apresentados ao governo dos EUA. Até o dia 4, 6,6 milhões de americanos requereram o auxílio.

No Brasil, em fevereiro, 404 mil trabalhadores pediram o seguro-desemprego.

PROBLEMAS

O economista da FGV e ex-secretário de Política Econômica Manoel Carlos Pires considera que existem hoje dois problemas relacionados a dados estatísticos. O primeiro tem relação com intervalo entre o que aconteceu e o momento da divulgação.

“Estamos passando por uma crise em que tudo acontece muito rápido. A diferença de um mês, que é um prazo que tradicionalmente a gente usa, ficou muito longa. A maioria das pessoas perdeu a bússola", diz.

O outro problema refere-se às eventuais interferências que as pesquisas de emprego e desemprego sofrerão por conta das especificidades do momento.

“Uma parte importante da população está presa dentro de casa e as empresas estão fechadas, não existe forma de procurar emprego. Então a estatística vai acabar distorcendo o número”, afirma.

A solução seria o governo ampliar a divulgação de informações administrativas, como os dados de seguro-desemprego, que, para ele, é um bom termômetro da atividade econômica.

1 5

Saiba o que fazer se perder a carteira de trabalho

VOLTARFacebookWhatsappTwitterMessengerLinkedinE-mailCopiar link

https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/nova/1608423808299171-saiba-o-que-fazer-se-perder-a-carteira-de-trabalho#foto-1608423808330403

Loading

Poderia também divulgar o número de contribuintes ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) por tipo de inscrição, gerando mais um indicador do tipo de emprego vigente mês a mês.

“Todas essas informações ele [governo federal] tem administrativamente e poderia divulgar, seja para aumentar a tempestividade da informação, como é caso do seguro-desemprego, seja para dar uma informação adicional para que a gente possa medir melhor a realidade”, afirma.

O pesquisador de mercado de trabalho Daniel Duque, da FGV, afirma que, apesar dos esforços do IBGE com a realização da Pnad Contínua, é inevitável que os dados do período resultem em um período de dúvidas e sob maior risco de erros de medição.

SISTEMA ANTERIOR

Até dezembro de 2018, o então Ministério do Trabalho (hoje incorporado à Economia) mantinha ativo o Painel do Seguro-Desemprego. A página foi lembrada pelos dois pesquisadores como um instrumento pronto e disponível, que poderia ser rapidamente reativado pelo governo federal para fornecer informações.

Isso, porém, não deve acontecer. Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, o painel foi desativado pois a quantidade de acessos não justificava a manutenção do sistema, “que exigia emprego de recursos e servidores.”

Em nota, a secretaria informou também que o Caged continuará suspenso até que haja a completa atualização das informações por parte das empresas.

1 7

Fornecedores de grandes restaurantes passam a vender direto ao consumidor

VOLTARFacebookWhatsappTwitterMessengerLinkedinE-mailCopiar link

https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1664331331190144-fornecedores-de-grandes-restaurantes-passam-a-vender-direto-ao-consumidor#foto-1664331331540433

Loading

No início deste ano, o governo já tinha mudado a divulgação dos dados devido à migração do sistema usado pelas empresas para declarar dados como admissões, demissões, férias e reajustes salariais.

Enquanto usavam o Caged, os empresários tinham até o dia 7 de cada mês para lançar as informais. Com a mudança para o eSocial (sistema de escrituração que promete simplificar a prestação de informações), a data limite mudou para o dia 15.

Segundo a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, 17 mil empresas deixaram de lançar corretamente as informações de demissões realizadas em janeiro no sistema. O número representa 2,6% do total das que tiveram movimentações (contratações e desligamentos) no período.

Também segundo a pasta, enquanto houver dúvidas sobre os dados do Caged, os números de pedidos seguro-desemprego não serão atualizados.

Fonte: Folha de S.Paulo
 
+ Notícia

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br