Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Todas as criaturas vivas tem a mesma origem divina, todas elas são unidade. Todos nós somos membros de um grande corpo.
Leon Tolstoi
31/03/2020

Enquanto os adultos trabalham, Bolsonaro se desespera

Joel Pinheiro da Fonseca

Presidente está acuado, e seu único trunfo restante é a tal vontade do povo, cada vez mais restrita a uma parcela fanática do eleitorado

Ainda não está claro qual o caminho institucional que pode remover a ameaça à saúde pública e institucional da cadeira presidencial. Para impeachment, a popularidade ainda é alta. Para renúncia, é preciso convencê-lo antes. O que não se discute é que, sob qualquer aspecto, o general Mourão seria um líder superior a Bolsonaro para mobilizar os esforços de combate ao coronavírus.

Bolsonaro adoraria fazer como seu modelo inspirador da Hungria, Viktor Orbán, e usar a epidemia para conquistar poderes ditatoriais. Mas quem o apoiaria nessa tomada do poder? Congresso e Forças Armadas jamais aceitarão um autogolpe.

Bolsonaro conversa com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (30)

Bolsonaro conversa com jornalistas na saída do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (30) - Lucio Tavora/Xinhua

Bolsonaro ataca as instituições sem cessar, mas elas se mantêm firmes e tornam seus ataques impotentes. A imprensa segue noticiando os desmandos do presidente. O Congresso altera a seu bel-prazer os projetos que chegam do governo. O STF barra medidas com potencialidades autoritárias, como a mudança na Lei de Acesso à Informação.

Por todos os lados, Bolsonaro encontra obstáculos. Está acuado. Seu único trunfo restante é a tal “vontade do povo”, cada vez mais restrita a uma parcela fanática do eleitorado.

Vocifera o quanto quer, mas sabe que, se pisar fora da linha, está fora. O que não está 100% claro é onde está a linha. Numa possível demissão do ministro Mandetta? Na revelação de que Bolsonaro recebeu exame positivo para o vírus e mentira sobre o resultado, possibilidade que o vice Mourão definiu como “o pior dos mundos”?

É trágico que o Brasil tenha chegado a isso. Em tese, nada há no bolsonarismo que implique necessariamente o negacionismo do coronavírus. A linha poderia facilmente ser: “o vírus é sério, mas felizmente temos Bolsonaro, o melhor presidente da História, que nomeou um corpo técnico de ministros, entre eles Mandetta, para liderar os esforços contra a ameaça”. A necessidade de polarizar e criar inimigos, no entanto, falou mais alto.

1 10

Representantes do governo em pronunciamentos sobre o coronavírus

VOLTARFacebookWhatsappTwitterMessengerLinkedinE-mailCopiar link

https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1661893235892571-jair-bolsonaro-luiz-henrique-mandetta-e-representantes-do-governo#foto-1661893236722081

Loading

Toda e qualquer mostra de competência técnica —que necessariamente ofusca o presidente— é punida. Mandetta passou rapidamente de herói do governo a adversário interno. Num ato de patriotismo, o ministro engole a seco todas as vezes que Bolsonaro o desautoriza, ignora as falas e ações do presidente e tenta, na medida do possível, tomar as medidas corretas.

Uma epidemia é o momento de um presidente unir o povo ao redor de si; Bolsonaro só consegue dividir, e com eficácia cada vez menor. Vejo apoiadores ora fanáticos agora moderarem sua devoção ao presidente.

E outros, antes moderados, agora críticos. O esforço de governadores —Doria, Leite, Dino, Witzel— que colocam a saúde do povo antes dos aplausos momentâneos vai render frutos.

Bolsonaro sempre foi um líder fraco. Que outros poderes cresceriam para tomar seu lugar já era previsto. Mas o que observamos vai além disso: Congresso e governadores não apenas crescem em cima da fraqueza presidencial como, reagindo aos ataques do presidente, também melhoram.

O Congresso não só potencializou as propostas do governo para a epidemia como também é protagonista das reformas econômicas e do debate sobre educação. Os governadores, por sua vez, contrariam a irresponsabilidade presidencial e têm, nisso, o apoio do ministro da Saúde. Os adultos estão trabalhando. Bolsonaro, desesperado, se isola. Cair ou ficar, é o de menos; já é uma horrorosa peça de decoração.?

Joel Pinheiro da Fonseca

Economista, mestre em filosofia pela USP.

Fonte: Folha de S.Paulo
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br