Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Afastar-se da média é afastar-se da humanidade; a grandeza da alma humana consiste em saber manter-se ali.
Pascal, Pensés, I,9,17
26/02/2020

A Boeing agoniza — depois de nos levar a Embraer…

Atolada num projeto ruinoso e em mega crise de credibilidade, gigante dos EUA despenca e arrisca-se a sucumbir. Empresa brasileira poderia ocupar espaço, mas foi vendida à própria Boeing por ninharia – com apoio explícito de Bolsonaro…

O gráfico abaixo registra, para a Boeing, uma queda livre que pode levá-la à falência; para a Embraer e o Brasil, mais um revés produzido pela volta do orgulho de colonizado – ou… “espírito de vira-lata”. Repare nos números, divulgados hoje pelo Le Monde: depois de vender 806 aviões de todos os modelos, em 2018, a fabricante norte-americana despencou para menos da metade – 380 – em 2019. Pior: destes, apenas 54 foram encomendas firmes, já fechadas. Enquanto isso, sua concorrente direta, a Airbus, avançava. Surpresas acontecem; mas, ao se manter o cenário, é quase inevitável uma drástica redução da Boeing e seu fechamento definitivo é uma hipótese real – inclusive porque os chineses preparam-se para também disputar o setor.

Vendas de aviões comerciais a companhias aéreas,

pelos dois maiores fornecedores

Por uma coincidência dramática, o declínio da Embraer deu-se no exato momento em que ela deglutia a Embraer. Os fatos não estão diretamente relacionados. Em julho de 2018, estimulada pelo governo Michel Temer, a empresa brasileira – então líder mundial destacada na construção de aeronaves de médio porte – iniciava uma estranha “fusão” com a Boeing. Em 23 de maio de 2019, com autorização explícita de Jair Bolsonaro (que tinha poderes para vetar a operação) desenhavam-se os contornos do negócio. Pela ninharia de US$ 4,75 milhões (equivalentes ao preço de quinze Boeings-777…) a Embraer sumia, sob o nome de Boeing Brasil – Commercial, empresa na qual a corporação norte-americana terá 80% do capital.

No mesmo período, a Boeing iniciava sua queda livre.

O motivo foi uma série de negligências que levou à produção de um avião desastroso. Erros grosseiros de projeto e de eletrônica no Boeing 737-800 Max, que começara a voar dois anos antes, provocaram a queda de dois aparelhos e a morte de 346 pessoas entre outubro de 2018 e março de 2019. Depois de hesitarem, as autoridades norte-americanas proibiram todos os voos da aeronave. Foram seguidas por suas contrapartes em todo o mundo. Uma série de vazamentos revelou que a Boeing sabia das falhas do Max e vendeu-o mesmo assim. A crise de credibilidade que sobreveio e as dificuldades crescentes da empresa, até mesmo para corrigir os erros do projeto infeliz, suscitam dúvidas cada vez mais fortes sobre sua sobrevivência. E a tormenta continua: ontem mesmo, o New York Times revelou que a Boeing ajudou a abafar a falha técnica, ligada a desenho de aeronave e eletrônica no avião, que derrubou um Boeing 737-800 – modelo anterior ao Max – da Turkish Airlines na Holanda, em 2009.

Se a gigante norte-americana sucumbir, levará consigo a ex-Embraer. Terá sido um desastre fabricado. À época em que foi vendida, a empresa brasileira vivia seu auge. Depois de um grande salto tecnológico, já fabricava jatos como o modelo EMB-195, vendido a empresas aéreas de todo o mundo e capaz de transportar 124 passageiros (o Max levava de 138 a 230, conforme a configuração). Seria candidata evidente a ocupar o espaço aberto pelo declínio da empresa que agora a controla.

Uma última – e tênue – oportunidade de salvar a maior companhia tecnológica brasileira estará aberta este mês. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) deverá julgar a venda à Boeing. A confirmação do negócio, no entanto, é dada como certa. Inclusive porque não surgiu, no mundo da esquerda institucional, estímulo a nenhuma mobilização a respeito.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OUTROSQUINHENTOS

Fonte: Outrosquinhentos
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br