Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quando as pessoas falam de forma muito elaborada e sofisticada, ou querem contar uma mentira, ou querem admirar a si mesmas. Ninguém deve acreditar em tais pessoas. A fala boa é sempre clara, inteligente e compreendida por todos.
Leon Tolstoi
14/02/2020

MP 905 deveria ser completamente rejeitada, segundo juiz do Trabalho

CORTES NOS DIREITOS

Vice-presidente da Anamatra aponta inconstitucionalidades na medida, e diz que o risco é “não sobrar nada” da legislação trabalhista

São Paulo – Em vigor há mais de três meses, a medida provisória do contrato de trabalho “verde e amarelo” – a MP 905 – criou uma “categoria menor” para os jovens trabalhadores, com menos direitos. Ainda assim, as contratações prometidas não aconteceram. A proposta, que está sendo discutida em comissão mista do Congresso Nacional, carrega uma série de inconstitucionalidades e deveria ser completamente rejeitada, segundo o vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Luiz Antonio Colussi.

Ao mesmo tempo em que trata do primeiro emprego para jovens de 18 a 29 anos, a medida também acaba, por exemplo, com o registro profissional para categorias como a dos jornalistas e radialistas. O juiz lembra que algumas dessas mudanças constavam na MP 881, que ficou conhecida como “MP da liberdade econômica”, e foram rejeitadas pelos parlamentares.

“Esperamos que nesta comissão mista que analisa a medida também se possa ter essa solução. O ideal seria a rejeição completa da MP 905”, afirmou à jornalista Marilu Cabañas, para o Jornal Brasil Atual, nesta quinta-feira (13).

Para o magistrado, a MP 905 é mais uma reforma trabalhista, “com efeitos deletérios para os trabalhadores e para a sociedade brasileira”. A proposta do governo prevê que os jovens trabalhadores podem ser contratados por até 24 meses, com rendimento limitado a 1,5 salário mínimo, com redução na alíquota de contribuição para o FGTS (de 8% para 2%) e da multa do Fundo de Garantia (de 40% para 20%). As desonerações concedidas aos empresários serão compensadas com a cobrança de contribuição previdenciária de quem recebe seguro-desemprego.

Segundo juízes do Trabalho que participaram de audiência pública no Senado nesta quarta-feira (12), a MP 905 revoga 37 artigos da CLT e altera outros 57. “Daqui a pouco a gente não vai ter mais nada dentro da CLT para proteger os trabalhadores e os empregos”, alertou o vice-presidente da Anamatra.

Ouça a entrevista da Rádio Brasil Atual em https://www.redebrasilatual.com.br/trabalho/2020/02/mp-905-deveria-ser-completamente-rejeitada-segundo-juiz-do-trabalho/

Fonte: Rede Brasil Atual
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br