Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As pessoas vivem de amor: o amor a si mesmo é o início da morte; o amor aos outros e a Deus é o início da vida.
Leon Tolstoi
14/02/2020

A Reforma Tributária é um problema ou uma solução?

Essa resistência à tributação sobre movimentação financeira, comercio eletrônico, plataformas digitais e produtos com externalidade negativas pode levar ao colapso das finanças governamentais e colocar em risco a paz social no País, que, em grande medida, é assegurada pela forte presença do Estado no pagamento de direitos e benefícios sociais.

Antônio Augusto de Queiroz*

A Reforma Tributária, demanda antiga dos agentes econômicos e sociais, ganhou impulso no Congresso Nacional, menos em função do conteúdo e mais em razão da disputa dos presidentes da Câmara e do Senado pelo protagonismo sobre o tema, especialmente diante da inércia do governo federal, que não se entende internamente a respeito do conteúdo da reforma. A condução desse tema requer muito cuidado, porque se der errado, além de perder grande oportunidade, pode até comprometer a paz social no Brasil.

O diagnóstico sobre a necessidade da reforma é unânime: o sistema tributário é injusto; irracional, penaliza os mais pobres; estimula a evasão e a sonegação; operacionalmente é muito caro para pagar e receber tributos, tanto para os contribuintes quanto para os entes estatais; e logo não dará mais conta de arrecadar o suficiente para manter a máquina pública e os direitos e programas sociais, especialmente aqueles cuja fonte de receita advém da folha de salário.

Nessa perspectiva, há consenso na sociedade e no Parlamento sobre a necessidade e até urgência de uma verdadeira reforma tributária, que simplifique os tributos, reduza a informalidade da economia, amplie a base de arrecadação, desonere as exportações e garanta recursos para o financiamento do funcionamento do Estado, especialmente os programas e direito sociais, e promova justiça fiscal.

Entretanto, não existe nenhum acordo sobre o conteúdo da reforma. De um lado, o governo federal não se entende sobre o que propor, com divergência entre o presidente da República e o ministro da Economia sobre alguns tipos de tributos. De outro, as 2 principais PEC (propostas de emenda constitucional) sobre o tema no Congresso (PEC 45 na Câmara e PEC 110 no Senado), cuidam basicamente da tributação sobre o consumo. Apenas a Emenda Substitutiva Global 178, apresentada pelos partidos de oposição à PEC 45, é que trata também de outros pontos, como a tributação sobre a renda, o patrimônio, as grandes heranças e fortunas, sobre lucros e dividendos, entre outros.

Para além disto, trata-se de tema complexo e polêmico, que envolve pelo menos 4 disputas acirradas:

1) uma entre os agentes econômicos e sociais e governo, este querendo arrecadar mais e aqueles requerendo pagar menos imposto;

2) outra entre os três níveis de governo (união, estados e municípios), tanto em torno da participação de cada um no bolo tributário quanto em termos de gestão dos tributos;

3) uma terceira entre os setores da atividade econômica (indústria, serviços, sistema financeiro, etc) cada um querendo se proteger; e

4) uma quarta disputa entre regiões em torno dos incentivos e renúncias fiscais.

A complexidade da matéria, os interesses envolvidos e a confusão no interior do governo coloca um dilema muito sério. Sem o governo não existe reforma tributária para valer, e as propostas do Congresso se limitam ao consumo. Ou há entendimento entre o Congresso e o Poder Executivo, ou o risco de o Congresso fazer uma reforma à revelia do governo que não resolva o problema de caixa para manter a máquina do Estado, os direitos e os programas sociais, especialmente a seguridade, é muito grande.

As divergências entre o presidente da República e o ministro da economia são surreais. De um lado, está o ministro, que tem a obrigação de conhecer a realidade das contas públicas, e para dar-lhes sustentabilidade precisa de tributo que substitua a folha de salário com arrecadação suficiente para manter a Seguridade Social e ao mesmo tempo possa desonerar o setor produtivo. E, para tanto, propõe um tributo sobre movimentação financeira ou sobre as compras ou comércio eletrônico, inclusive sobre as plataformas digitais, ou ainda sugere criar o “imposto do pecado” (a incidir sobre produtos supérfluos ou que trazem externalidades negativas, como cigarro, bebida alcoólica, alimentos que engordam, etc). De outro, o presidente da República, por razões políticas, rechaça as propostas do ministro, impedindo-o que resolva o problema, e adiando a posição do governo sobre o tema.

Nesse embate, o ministro tem razão. Os presidentes das casas do Congresso e o presidente da República, que são contrários às propostas do ministro da Economia, especialmente em relação ao tributo sobre movimentação financeira, estão equivocados. Os tributos atuais, especialmente aqueles incidentes sobre a folha, com as mudanças porque passa o mundo do trabalho (revolução tecnológica, trabalhos precários e plataformas digitais) não darão mais conta de arrecadar o suficiente para custear as despesas do Estado, notadamente aquelas destinadas à Seguridade Social. E nenhum outro tributo terá o poder de arrecadação tão grande, e com alíquotas tão baixas, como os propostos pelo ministro em substituição aos da folha.

Essa resistência à tributação sobre movimentação financeira, comercio eletrônico, plataformas digitais e produtos com externalidade negativas pode levar ao colapso das finanças governamentais e colocar em risco a paz social no País, que, em grande medida, é assegurada pela forte presença do Estado no pagamento de direitos e benefícios sociais. E sem uma ou mais fontes com grande capacidade de arrecadação, o governo não terá como honrar os direitos e programas sociais, provocando revolta por eventuais atrasos ou insuficiências nas prestações sociais.

Estão brincando com fogo. Já está em curso uma série de reformas que reduzem a presença dos mais pobres no orçamento e diminuem a participação do salário na renda nacional. Vem aí nova revolução tecnológica e novas formas de relação de trabalho, que poderão desempregar muita gente, que passará a depender de políticas públicas do Estado. Se o Estado, com o desenho tributário atual, não consegue ter recursos nem para manter o mínimo atual, imagine se houver aumento de demanda por programas sociais em decorrência do desemprego ou desocupação estrutural? A reforma tributária é uma oportunidade de evitar o pior, mas, para tanto, depende do acordo entre os poderes para encontrar um sistema tributário que garanta as receitas necessárias sem provocar revolta, nem pelo excesso de alíquota nem pela falta de recurso para dar suporte às políticas sociais.

(*) Jornalista, consultor e analista político, mestrando em Políticas Públicas e Governo na FGV, diretor de Documentação licenciado do Diap e sócio-diretor das empresas “Queiroz Assessoria em Relações Institucionais e Governamentais” e “Diálogo Institucional Assessoria e Análise de Políticas Púbicas”.

Fonte: Diap
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br