Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

As pessoas vivem de amor: o amor a si mesmo é o início da morte; o amor aos outros e a Deus é o início da vida.
Leon Tolstoi
14/02/2020

Serviços consolidam frustração com retomada

Setor encerra ano com alta de 1%, quando mercado estimava 1,5%; indústria e varejo também vêm abaixo do esperado

Diego Garcia

RIO DE JANEIRO

O setor de serviços caiu 0,4% em relação a novembro e fechou o ano com avanço de 1%, segundo o IBGE.

Foi a primeira alta em cinco anos. O setor vinha de sequências negativas desde 2015 e permaneceu estável em 2018.

Ainda assim, o resultado frustrou as expectativas dos economistas, que projetavam um crescimento maior, na casa de 1,5% no ano. Na avaliação do próprio IBGE, o setor ainda está longe de recuperar as perdas acumuladas no período de recessão.

“Entre 2015 e 2017 tivemos uma perda acumulada de 11%, então, essa alta de 2019 é importante, mas ainda está longe de alcançar o melhor resultado”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Chama a atenção que os componentes do crescimento de serviços estejam ligado a atividades do mundo digital.

Mão manuseia celular com imagem de mapa em aplicativo de carona

Segmento de locação de automóveis também impulsionou o setor pelo aumento do número de motoristas de aplicativos - Daniel Sorabji - 28.out.2016/AFP

Pesou a favor a alta nos serviços de informação e comunicação, que acumulou crescimento de 3,3% no ano. Contribuíram para o resultado o bom desempenho de portais, provedores e outros serviços de informação na internet, como as ferramentas de busca.

PUBLICIDADE

Ads by Teads

Também contribuíram a favor o segmento de locação de automóveis, impulsionado pelo aumento do número de motoristas de aplicativos.

Por outro lado, o tradicional transporte rodoviário de cargas registrou queda.

Os dois outros setores com monitoramento mensal do IBGE, a indústria e o varejo, também tiveram resultados abaixo do esperado no ano e um dezembro decepcionante.

O varejo interrompeu em dezembro sete meses seguidos de desempenhos positivos e registrou queda de 0,1% em relação a novembro —quando o mercado havia projetado uma alta de 0,2% nas vendas do período. O ano fechou com alta de 1,8%, quase metade do 3,3% estimados inicialmente pelos analistas.

A indústria, que já vinha com resultados mais frágeis, também teve um desempenho pior que o esperado. Depois de alcançar crescimento de 2,5% e 1%, respectivamente em 2017 e 2018, fechou o ano com retração de 1,1%. Economistas ouvidos pela agência Bloomberg projetavam uma queda menor, de 0,8%.

Para especialistas, o cenário do fim de 2019 é preocupante porque influencia negativamente o início de 2020.

“Está claro que a economia não teve a reação esperada”, diz o professor de economia do Ibmec Ricardo Macedo.

Um dos contratempos dessa recuperação mais lenta, diz Macedo, é que ela contribui para retardar investimentos.

“O investimento cria um mecanismo multiplicador na economia que gera empregos, demanda serviços de transporte e contrata gente que demanda comércio”, afirma.

Quem normalmente puxa o investimento é justamente o setor que tem tendo o pior desempenho, a indústria.

“A preocupação maior é a capacidade de recuperação do investimento ligado à falta de competitividade da nossa indústria”, disse Luana Miranda, pesquisadora da área de economia aplicada do FGV-Ibre.

Também passou a pesar contra o cenário externo.

Em 2019, as exportações foram afetadas pela crise argentina e o desentendimento comercial entre China e EUA. Em um primeiro momento, o tratado pode fazer recuar as exportações brasileiras para o país asiático. O recente surto de coronavírus é outro fator que preocupa.

“Choques externos vão afetar a economia brasileira e global. A China é o principal parceiro comercial do Brasil e tem peso importante no comércio mundial”, diz Luana Miranda. Para ela, esses fatores justificam revisão do crescimento de 2020 a um patamar menos otimista. “O cenário é de crescimento mais para 2%.”

A economista Victória Jorge, da Ativa Investimentos, também projeta crescimento menor que o previsto, também de olho no cenário externo.

“O acordo Estados Unidos-China pode impactar a produção de manufaturas do Brasil e principalmente os negócios da agropecuária. Os americanos estão, por exemplo, tendo grande volume de vendas de suínos e vão substituir o Brasil na capacidade produtiva.”

Para Claudio Considera, pesquisador associado do FGV Ibre, um caminho para melhorar o cenário seria o governo acelerar o processo de privatizações e concessões. “O investimento estrangeiro não está vindo, não estão fazendo concessões e privatizações no ritmo necessário para trazer capital estrangeiro de forma que retome investimento.”

Fonte: Folha de S.Paulo
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br