Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Cuidado com aqueles que querem convencê-lo de que é impossível lutar pelo bem, só porque é impossível alcançar a perfeição.
John Ruskin
24/01/2020

Fechamento de indústrias aponta para falta de perspectivas da economia, segundo Dieese

Entre 2015 e 2018, 17 indústrias fecharam as portas em média a cada dia no Brasil, reduzindo a oferta de empregos que pagam melhores salários

Publicado por Redação RBA

São Paulo – Entre 2015 e 2018, 25.376 unidades industriais encerraram suas atividades. Em média, pelo menos 17 indústrias fecharam as portas a cada dia ao longo desses quatro anos, segundo levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), divulgado na semana passada. Para o diretor técnico do Dieese Clemente Ganz Lúcio, esses números são resultado da “gravíssima” recessão vivida pelo país, entre 2015 e 2016, e da recuperação “rastejante” no período posterior.

“Uma economia sem vitalidade, que tem impacto muito pesado sobre todo o setor produtivo, especialmente com esses dados que mostram o impacto na indústria de transformação”, afirmou Clemente ao jornalista Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta segunda-feira (20). O baixo dinamismo do setor industrial também aponta, segundo ele, para a falta de perspectivas rumo a uma retomada mais robusta da economia brasileira.

Para contornar tal quadro negativo, Clemente destaca a necessidade de cooperação entre o investimento público e o investimento privado, voltada para o incremento da inovação e da produtividade. Ele aponta que cada 1% de variação da atividade industrial representa a abertura ou fechamento de 6 mil unidades produtivas. Antes da crise, o país tinha 384.721 unidades industriais de transformação. Em 2018, esse número foi reduzido para 359.345.

O diretor do Dieese disse ainda que muitas dessas indústrias “jamais serão recuperadas”, já que as atividades produtivas estão sendo substituídas pela importação. As consequências, segundo ele, são a perda de empregos de maior qualidade, que pagam os melhores salários, e a deterioração da balança comercial brasileira. Pela primeira vez em 40 anos, a exportação de produtos primários (como grãos, carne e minérios) ultrapassou a venda de produtos industrializados, em 2019.

“Esses dados, mais uma vez, demonstram que estamos num caminho contrário ao desenvolvimento econômico capaz de gerar bons empregos, bons salários, com capacidade de incrementar a renda e a riqueza, gerando bem-estar e qualidade de vida para todos. Um país como o Brasil precisa de uma indústria robusta”, afirmou Clemente. Ele apontou que o setor agropecuário também passa por uma transformação tecnológica que deve limitar ainda mais a oferta de empregos.

Fonte: Rede Brasil Atual
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br