Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A vida que nós recebemos nos foi dada não para que simplesmente a admiremos, mas para que estejamos sempre a procura de uma verdade escondida dentro de nós.
John Milton
13/01/2020

Assim os impérios cometem suicídio

Ao assassinar Soleimani e ameaçar Teerã, Trump e seu entorno gozam dias de ilusória potência. Logo enxergarão que, em busca de bode expiatório para 20 anos de guerras desastrosas, afundaram Washington num atoleiro muito mais profundo

OUTRASPALAVRAS

GEOPOLÍTICA & GUERRA

por Chris Hedges

Por Chris Hedges | Tradução: Antonio Martins

O assassinato, pelos Estados Unidos, do general Qassem Soleimani, chefe da força de elite Quds do Irã, deflagrará ataques retaliatórios múltiplos contra alvos norte-americanos por parte dos xiitas, que são a maioria no Iraque. Ativará insurgentes e grupos paramilitares apoiados pelo Irã no Líbano, Síria e outras partes do Oriente Médio. O caos de violência, Estados falidos e guerra, resultados de duas décadas de insanidades e erros dos EUA na região, vai converter-se numa conflagração ainda mais vasta e perigosa. As consequências são dramáticas. Além de os norte-americanos se verem sob cerco no Iraque, e talvez expulsos – resta apenas uma força de 3,2 mil soldados no Iraque, todos os cidadãos foram aconselhados a deixar o país “imediatamente” e os serviços consulares, fechados – a situação pode descambar para uma guerra direta contra o Irã. O Império Americano, parece, não morrerá com um lamento, mas com uma explosão.

A execução de Soleimani, morto por mísseis de um drone Reaper MQ-9, também tirou a vida de Abu Mahdi al-Muhandis, o vice-comandante dos grupos apoiados pelo Irã no Iraque – conhecidos como Forças de Mobilização Popular –, além de outros líderes de milícias xiitas iraquianas. O ataque pode inflar temporariamente a sorte dos dois arquitetos do assassinato, Donald Trump e o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. Mas é um ato de suicídio imperial pelos EUA. Não há chance de desfecho positivo. Abre-se a possibilidade de um cenário de tipo Armageddon, desejado pelos ramos lunáticos da direita cristã.

Atingido por guerra, o Irã usaria seus mísseis antinavio fornecidos pelos chineses, suas minas e sua artilharia costeira para fechar o Estreito de Ormuz, corredor de 20% do suprimento de petróleo do mundo. Os preços do combustível poderiam dobrar, talvez triplicar, devastando a economia global. Os ataques retaliatórios do Irã contra Israel e contra as instalações militares dos EUA no Iraque deixariam centenas, talvez milhares, de mortos. Os xiitas na região, da Arábia Saudita ao Paquistão, veriam um ataque ao Irã como uma guerra religiosa contra o xiismo. Os 2 milhões de xiitas na Arábia Saudita, concentrados na Província do Leste, rica em petróleo; a maioria xiita no Iraque e as comunidades xiitas no Bahrain, Paquistão e Turquia, iriam voltar-se em fúria contra os aliados vacilantes dos EUA. Haveria um aumento de ataques terroristas, inclusive em solo norte-americano, com vasta sabotagem da produção de petróleo no Golfo Pérsico. No sul do Líbano, o Hezbollah renovaria ataques contra o norte de Israel. A guerra deflagraria um longo e crescente conflito regional que, ao seu fim, liquidaria o Império Americano e deixaria montanhas de corpos e ruínas fumegantes. Só um milagre poderá retirar os EUA desta autoimolação ao estilo do Dr. Strangelove.

O Irã, que prometeu “áspera retaliação”, já patina sob as sanções econômicas brutais impostas pelo governo Trump ao se retirar unilateralmente, em 2018, do acordo sobre as armas nucleares do Irã. Ampliam-se, ao mesmo tempo, as tensões no Iraque, entre os EUA e a maioria xiita. Em 27 de dezembro, foguetes Katyusha foram disparados contra uma base militar em Kirkuk, onde as forças dos EUA estavam estacionadas. Um civil norte-americano que trabalhava para empresas mercenárias foi morto; e diversos militares, feridos. Os EUA responderam em 29/12, bombardeando bases do grupo Kataib Hezbollah, apoiado pelo Irã. Dois dias mais tarde, milícias apoiadas pelo Irã atacaram a embaixada norte-americana em Bagdá, vandalizando e destruindo partes do edifício e provocando seu fechamento. Mas este ataque logo parecerá brincadeira de crianças.

Após a invasão e ocupação norte-americana em 2003, o Iraque foi destruído enquanto país unificado. Sua infraestrutura, antes moderna, está em ruínas. O abastecimento de energia e água é, quando muito, errático. Há alto desemprego e descontentamento com a corrupção governamental generalizada, que levou a protestos sangrentos. Milícias beligerantes e facções étnicas entricheiraram-se em enclaves antagônicos e conflagrados.

Ao mesmo tempo, a guerra do Afeganistão está perdida para os EUA, como mostraram em detalhe os Afghanistan Papers, publicados pelo Washington Post. A Líbia é um Estado falido. O Iêmen, após cinco anos de bombardeios sauditas ininterruptos e de um bloqueio, padece um dos piores desastres humanitários do planeta. Os rebeldes “moderados” que os EUA financiaram e armaram na Síria, ao custo de 500 milhões de dólares, instigaram um cenário sem lei de terror, para serem batidos e expulsos do país. O custo monetário deste delírio, a estupidez maior na história norte-americana, é algo entre 5 e 7 trilhões de dólares.

Mas então, qual o porquê da guerra contra o Irã. Por que abandonar um acordo nuclear que Teerã não violou? Por que demonizar um governo que é o inimigo mortal do Talibã e de outros grupos jihadistas, inclusive a Al-Qaeda e o Estado Islâmico? Por que sabotar a aliança de facto com o Irã, no Iraque e Afeganistão. Por que desestabilizar ainda mais uma região já perigosamente volátil?

Os generais e políticos que lançaram e mantiveram estas guerras não estão dispostos a ser responsabilizados pelos pesadelos que criaram. Eles precisam de um bode expiatório. É o Irã. As centenas de milhares de mortos e aleijados, incluindo ao menos 200 mil civis, e os milhões expulsos de suas casas para campos de refugiados, não podem ser o resultado das políticas desorientadas e falidas dos EUA. A proliferação de grupos e milícias jihadistas radicais, muitos dos quais foram inicialmente treinados por Washington, assim como os incessantes ataques terroristas em todo o mundo, precisam ser culpa de outros. Os generais, a CIA, os mercenários e os fabricantes de armas que enriqueceram com estes conflitos; os políticos como George W. Bush, Barack Obama e Donald Trump, além dos “especialistas” e intelectuais-celebridades que atuam como líderes de torcida em favor da guerra sem fim, convenceram a si mesmos e querem convencer o mundo de que o Irã é responsável pela catástrofe.

O caos e instabilidade que os EUA desencadearam no Oriente Médio, especialmente no Iraque e Afeganistão, deixaram o Irã como país dominante na região. Washington empoderou seu nêmesis. Não tem outra ideia sobre como reverter seu erro exceto atacar o Irã.

Trump e Netanyahu, assim como o príncipe coroado saudita Mohammed bin Salman, estão envolvidos em escândalo. Acreditam que uma nova guerra irá desviar a atenção de suas crises externas e domésticas. Mas falta-lhes tanto uma estratégia racional para a guerra contra o Irã como faltou para as guerras no Afeganistão, Iraque, Líbia, Yêmen e Síria. Os aliados europeus, alienados por Trump quando este abandonou o acordo nuclear com o Irã, não cooperarão, se Washington for à guerra contra Teerã. O Pentágono não possui as centenas de milhares de soldados que seriam necessários para atacar e ocupar o Irã. E é hilária a visão do governo Trump, segundo a qual o grupo de resistência iraniano Mujahedeen-e-Khalq (MEK) – marginal e desacreditado, que lutou com Saddam Hussein na guerra contra seu próprio país e é visto pela maioria dos iranianos como composto de traidores – é uma contra-força viável ao regime iraniano.

O Direito internacional, assim como os direitos de 80 milhões de seres humanos no Irã, é tão ignorado como os direitos dos povos do Afeganistão, Iraque, Líbia, Iêmen e Síria. Os iranianos, seja qual for seu sentimento sobre seu regime despótico, não veriam os EUA como aliados ou libertadores. Eles não querem ser ocupados. Eles resistiriam.

Uma guerra contra o Irã seria vista em toda a região como uma guerra contra o xiismo. Mas são cálculos que os ideólogos, que sabem pouco sobre o instrumento da guerra, e ainda menos sobre as culturas ou povos que tentam dominar, não podem dar-se conta. Um ataque ao Irã não teria mais sucesso que os ataques israelenses ao Líbano em 2006, que foram incapazes de quebrar o Hezbollah e uniram a maior parte dos libaneses em apoio àquele grupo militante. Os bombardeios de Israel não pacificaram 4 milhões de libaneses. O que ocorrerá se os EUA começarem a atingir um país de 80 milhões de pessoas, cujo território é três vezes maior que o da França?

Os Estados Unidos, como Israel, tornaram-se um Estado-pária que ameaça, viola e se afasta do direito internacional. Lançam guerras “preventivas”, que sob o direito internacional são definidas como “crimes de agressão”, baseados em evidências fabricadas. Os norte-americanos, como cidadãos, precisam tornar seu governo responsável por tais crimes. Se não o fizerem, serão cúmplices na construção de uma nova ordem mundial que teria terríveis consequências. Seria um mundo sem direitos, acordos e leis. Seria um mundo em que qualquer nação, de um Estado-vilão nuclearizado a uma potência imperial, poderia invocar suas leis domésticas para anular suas obrigações com os demais. Tal nova ordem desfaria cinco décadas de cooperação internacional – em grade parte estabelecida com apoio dos EUA – e nos mergulharia num pesadelo hobbesiano. A diplomacia, a cooperação ampla, os tratados e a lei, todos estes mecanismos criados para civilizar a comunidade global, seriam substituídos pela selvageria.

Fonte: Outras Palavras
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br