Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O bom texto não é escrito, é reescrito
Ovídio
08/01/2020

Qual o papel da austeridade e de políticas neoliberais no surgimento do neofascismo?

Segundo dossiê, preservação do sistema financeiro minou políticas sociais e abriu caminho para escalada conservadora

Nara Lacerda

Brasil de Fato | São Paulo (SP)

O Instituto Tricontinental de Pesquisa Social publica, nesta terça-feira (7), o dossiê “O mundo oscila entre crise e protestos”, em que aponta como as políticas econômicas dos últimos 50 anos ocasionaram uma forte insatisfação popular, que vem sendo cooptada por movimentos neofascistas.

A proteção do mercado financeiro e a falta de atenção a políticas públicas são as responsáveis diretas pela falta de estruturas que atendam às necessidades da população. Emprego, alimentação, educação, saúde e alívio da pobreza estão em segundo plano para muitos governos.

Somada à falta de articulação da esquerda na busca por saídas e alternativas, a fórmula joga até mesmo as nações mais desenvolvidas em um equilíbrio frágil.

O relatório aponta que a crise de crédito de 2008 gerou um esforço em escala global para impedir o colapso do sistema financeiro. Liderada pelo Federal Reserve Bank dos EUA, a caminhada para estabilizar os mercados investiu recursos no resgate das instituições financeiras, mas manteve de lado problemas sociais agudos.

“Nenhum fluxo de capital chegou para alimentar as quase 1 bilhão de pessoas famintas em todo o planeta. (…) Não houve uma conferência séria de líderes mundiais para tratar dessa questão; nada parecido ao pânico que ocorre quando os mercados financeiros cambaleiam”, defende o dossiê.

Já do lado dos setores da sociedade que pensam outro modelo de desenvolvimento, o autor do dossiê e diretor do Instituto Tricontinental, Vijay Prashad, acredita que ainda que a fragilidade da esquerda tenha razões estruturais – como o colapso das fábricas, o surgimento de empregos precários permanentes e a crise agrária –, é preciso repensar novas formas de organização popular.

“Temos que estudar as novas maneiras de organizar a classe trabalhadora e o campesinato que funcionam em vários lugares e compartilhar exemplos desse tipo em todo o mundo. Parte da penalidade enfrentada pela esquerda é a guerra de informações. Com o poder do dinheiro por trás da mídia, cria-se uma interpretação dos fatos da classe dominante, que é apresentada como uma interpretação universal. Precisamos contestar essa visão”, aponta.

Terreno fértil para o neofascismo

Se o principal arcabouçou ideológico dos regimes de austeridade foi, inicialmente, o neoliberalismo, o descrédito dessas ideias fez crescer o neofascismo. O dossiê do Instituto Tricontinental avalia que, para boa parte da humanidade, o pensamento que favorecia os proprietários minava os horizontes sociais.

Ideias privatizantes e o discurso do empreendedorismo como solução perderam força e os movimentos de esquerda do mundo não conseguiram canalizar o descontentamento em força política.

“Foi nessa vazio que os neofascistas entraram. O que os une é sua atitude em relação à desolação social. Sua resposta aos problemas sociais é prejudicar os vulneráveis: migrantes, comunidades indígenas, homossexuais e outros. Em nossa época, os neofascistas usam a ideologia do 'outro' para fazer um setor vulnerável parecer maior e melhor. Parte desse turbilhão de toxicidade é o surgimento das 'guerras comerciais'”, analisa o documento, que completa: "Para Trump, é mais fácil culpar o México e a China pelo desemprego nos Estados Unidos do que reconhecer a lógica de crise dentro do capitalismo."

De acordo com Vijay Prashad, a ascensão atual do neofascismo não pode ser comparada ao surgimento de regimes conservadores e nacionalistas entre as duas grandes guerras. No século passado, havia um contexto de deslocamento econômico, humilhação nacional e ascensão da esquerda.

“Acreditamos que a extrema direita aparece agora porque é o liberalismo, com suas políticas neoliberais, que se rendeu, e a classe dominante não tem mais acesso ao controle de massa por meio de partidos liberais; a classe dominante tem, principalmente, a opção da extrema direita de manter o controle sobre as massas.”

Nem mesmo a nova ordem bipolar, entre Estados Unidos e China, que começa a tomar forma, parece representar uma possibilidade de mudança no regime de austeridade. O dossiê aponta para um centro de gravidade da ordem internacional oscilando entre Washington e Pequim. Mas as previsões indicam que esses dois poderes chegarão a algum entendimento sobre as organizações internacionais e que o sistema financeiro mundial ficará relativamente imune a essas mudanças.

Futuro Incerto

Ao analisar as expectativas de desenvolvimento dos países frente a essa situação, o dossiê aponta um cenário de difícil reversão. Bancos centrais e agências da Organização das Nações Unidas (ONU) preveem que os próximos anos no Ocidente e no Sul Global serão caracterizados por baixo investimento de capital nos setores de manufatura e serviços, produtividade estagnada e baixas taxas de crescimento. Em consequência, desemprego e colapso das instituições sociais serão aprofundados.

Com previsões de baixo crescimento para 2020 e desaceleração em 2021, entidades como o Fundo Monetário Internacional (FMI) pregam a continuidade das políticas de austeridade e a busca pelo fim das tensões comerciais.

São posições políticas que o documento considera incoerentes, já que as tensões entre nações são justamente causadas pela falta de investimento social e foco na preservação do sistema financeiro.

Segundo o relatório, “essas tensões são um espelho do esvaziamento da sociedade por causa da austeridade. Um levou ao outro, e ambos se alimentam”.

Fonte: Brasil de Fato
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br