Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Cuidado com aqueles que querem convencê-lo de que é impossível lutar pelo bem, só porque é impossível alcançar a perfeição.
John Ruskin
11/12/2019

“No mundo inteiro reina a perplexidade com o que está acontecendo no Brasil”, alerta Paulo Nogueira

A palestra de lançamento do livro O Brasil não cabe no quintal de ninguém, o economista Paulo Nogueira Batista Jr. narrou ao público os bastidores de parte das experiências vividas junto ao FMI e aos Brics, de 2007 a 2017. Ao falar sobre nacionalismo, economia, política e soberania nacional, salientou o tom de perplexidade com que a comunidade internacional tem enxergado o Brasil recentemente: “Para os estrangeiros, o Brasil está irreconhecível. Um país que sempre irradiou diálogo e abertura está agora tomado por uma onda de obscurantismo”, pontuou. A atividade aconteceu na tarde do dia 4 de dezembro, no auditório da Faculdade.

Para o economista, o fato de o Brasil ser um dos cinco países que fazem parte das listas dos dez maiores territórios, das dez maiores populações e das dez maiores economias, garante o poder de não se alinhar política e economicamente a outras nações. E, segundo Nogueira Batista, o Brasil tem se engajado demasiadamente em pautas benéficas aos Estados Unidos, sem defender seus próprios interesses – o que chamou de “entreguismo quase sem disfarces”.

Como justificativa, o economista listou uma série de concessões do governo brasileiro aos Estados Unidos, na expectativa de uma indicação para a OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico). Entre as medidas, destacou a prorrogação da isenção da tarifa de 20% sobre a importação de etanol americano, a isenção de vistos para turistas estadunidenses sem reciprocidade para brasileiros e a renúncia brasileira ao status de país em desenvolvimento nas negociações junto à Organização Mundial do Comércio (OMC). Os Estados Unidos, por outro lado, não oficializaram o apoio à candidatura do Brasil para ingressar no órgão, priorizando Argentina e Romênia, e anunciaram novas tarifas sobre exportações de aço e alumínio do Brasil. “Se há amor, é um amor não correspondido”, brincou o economista.

Nogueira Batista citou ainda o voto contrário do Brasil à resolução que condena o embargo econômico, comercial e financeiro a Cuba na Organização das Nações Unidas (ONU). Ao votar a favor do embargo imposto pelos Estados Unidos ao país caribenho, o Brasil alterou uma posição diplomática adotada desde 1992. Apenas Estados Unidos, Israel e Brasil validaram o embargo. Outros 187 países condenaram a medida na Assembleia-Geral da ONU, que aconteceu no dia 7 de novembro.

Palestra lotou o auditório da Faculdade de Ciências Econômicas da UFRGS

Perda de relevância do Brasil nos Brics

Em razão da experiência como vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento de 2015 a 2017, Nogueira Batista relatou algumas das dificuldades enfrentadas pelo Brasil e por outros países emergentes ao buscar maior protagonismo no mundo de hoje e testemunhou as resistências, por parte das potências tradicionais, a esse movimento. “Foi a dificuldade dos Brics em obter mais espaço no FMI que levou o grupo a fundar um banco e um fundo monetário próprios”, explicou o palestrante.

Por outro lado, o economista desmistificou a ideia de que o grupo tenha se formado com o objetivo de contestar o ocidente e instituições como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial: “Brasil, Rússia, Índia e China, à época, se uniram pelo sentimento de insatisfação com a ordem estabelecida, mas nunca fizeram discurso incendiário, não buscavam a competição. Eles buscavam a criação de mecanismos complementares às entidades monetárias existentes”, detalhou.

Nesse cenário, o Brasil foi conquistando cada vez mais importância junto aos Brics. Contudo, desde 2017, há um apagamento do país junto ao grupo, segundo Nogueira Batista. O que pode ser justificado, conforme o palestrante, em razão de um maior alinhamento do Brasil em relação aos Estados Unidos, posição criticada pelo autor.

Apesar de descrever um cenário difícil, o economista afirmou ter esperança de que o Brasil possa encontrar o caminho do desenvolvimento – com justiça social, democracia, independência. “Estamos vivendo uma situação duríssima, há razões para acreditar que os ventos estão mudando. A nossa voz se fará ouvir de novo em todos os cantos do mundo, e mais forte, em defesa de valores humanos que o brasileiro, talvez como ninguém, tem condições de vivenciar e transmitir: a doçura, a versatilidade, a criatividade, a imaginação, a alegria de viver”, concluiu.

Sobre a obra – O Brasil não cabe no quintal de ninguém, de Paulo Nogueira Batista Jr., é o relato dos bastidores da passagem de um economista brasileiro por duas instituições internacionais, o FMI e o banco de desenvolvimento criado pelos BRICS – o grupo de países emergentes. Durante mais de dez anos no exterior, ele participou da luta pela reforma da arquitetura financeira internacional após a crise de 2008 e enfrentou a resistência de representantes de nações ricas. Assim, com estilo leve, em que alterna humor e emoção, ironia e análise, narra embates entre países e mesmo dentro do governo brasileiro em temas como crises econômicas e a organização do sistema financeiro global, abordando ainda o nosso conhecido complexo de vira-lata. O que une essa grande variedade de assuntos é o Brasil, o nacionalismo e, segundo ele, “uma certa tendência a acreditar que nosso país tem um valor muito especial – ainda que nós, brasileiros, nem sempre estejamos à sua altura”.

Fonte: Ufrgs
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br