Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O combate é o trabalho eterno do direito. Se é verdade dizer:"comeras o pão com o suor do teu rosto", não é menos acrescentar:"só combatendo alcançaras o teu direito".
R.von Jhering
06/12/2019

Medida Provisória 905 acaba com a jornada especial dos bancários

Pelas regras atuais, a jornada de trabalho dos bancários é de seis horas, de segunda à sexta.

Menos de um mês após ser aprovada, a Medida Provisória (MP) 905, que criou o programa Emprego Verde e Amarelo, voltado para o primeiro emprego de jovens de 18 a 29 anos que ainda não tiveram nenhum trabalho com carteira assinada, já gerou polêmicas e ganhou críticas de diversos setores. As principais centrais sindicais do país (CSB, CTB, CUT, Força Sindical, Nova Central e UGT) encaminharam ofício ao presidente do Senado e do Congresso, Davi Alcolumbe (DEM-AP), pedindo que o Legislativo devolva ao governo a MP. O argumento para o pedido é que ao editar a medida provisória que altera a legislação trabalhista, o presidente da República, Jair Bolsonaro (SEM PARTIDO), inseriu uma matéria rejeitada na mesma sessão legislativa pelo Senado, o que é vedado pela Constituição Federal.

Foto: Divulgação / DINO

"Mais uma vez a classe trabalhadora vem sendo prejudicada. A MP 905 precarizou ainda mais as relações de trabalho. Sob o falso pretexto de que a medida provisória poderia fomentar a economia do país, ela desonestamente retira direitos dos trabalhadores conquistados a árduas e duras penas durante anos. Em especial, a categoria dos bancários vem sofrendo sérias lesões com restrição e exclusão de direitos, quando curiosamente, estamos nos referindo a uma categoria cujo empregador lucra bilhões ao ano e que teria plena capacidade de ofertar melhores condições de trabalho a seus empregados", explicou a advogada Luciane Adam, especialista em direito trabalhista e sócia do escritório Gelson Ferrareze Sociedade de Advogados.

powered by Rubicon Project

A MP alterou o artigo específico da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) que trata da jornada dos bancários. O texto excluiu a expressão "com exceção dos sábados" e também a menção ao trabalho em "dias úteis". Pelas regras atuais, a jornada de trabalho dos bancários é de seis horas, de segunda à sexta.

"A medida provisória, alterando o caput do art. 224 da CLT, restringiu a jornada especial de trabalho de 6 horas exclusivamente aos caixas. Contudo, abre a possibilidade de pactuação de jornada maior, a qualquer tempo e sem qualquer motivo que a justifique, tratando, portanto, o labor que seria extraordinário, em trabalho ordinário, normal, corriqueiro. Ou seja, qualquer empregado de banco hoje, pelos termos da MP, pode trabalhar em jornada de 8 horas diárias se assim for pactuado, não havendo mais, na realidade, previsão de jornada especial àqueles que lutaram tanto para conquista da jornada reduzida, frente a estafante e desgastante rotina de angariação de valores para seu empregador. A MP, inclusive, abre a possibilidade de trabalho aos sábados, onerando ainda mais essa classe de trabalhadores", criticou a advogada Luciane Adam, sócia do escritório Gelson Ferrareze Sociedade de Advogados, especializado em direito trabalhista.

Quem também ajuizou ADI no STF foi a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio (CNTC), pedido a suspensão de dispositivos da MP. Os comerciários questionam os pontos do texto que autorizam o trabalho aos domingos e feriados sem restrições. O relator do pedido é o ministro Luís Roberto Barroso.

O Partido Democrático Trabalhista (PDT) e o Solidariedade também ajuizaram duas ADIns no Supremo nas quais questionam a MP. Ambas as ações foram distribuídas à relatoria da ministra Cármen Lúcia, que requisitou informações aos presidentes da República e do Congresso. Na sequência, os autos serão encaminhados à AGU e à PGR.

"Como se não bastasse, caso o Judiciário afaste o empregado do dito cargo de confiança, a MP incluiu na legislação a possibilidade de compensação/dedução da gratificação de função paga ao empregado comissionado com as horas extras deferidas judicialmente. Não há dúvidas de que com isso, a pretensão é onerar ainda mais o trabalhador, restringir e excluir seus direitos, bem como limitar os meios de buscá-los e efetivá-los, a fim de satisfazer a ganância inesgotável das instituições bancárias", analisa a advogada Luciane Adam.

A Federação Nacional dos Bancos, junto com o Comando Nacional dos Bancários, estão tentando impedir o aumento da jornada e o trabalho aos sábados, bem como a manutenção da negociação da PLR pelos Sindicatos.

Para o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o esperado pacote para criação de empregos é uma decepção. "Não deve criar vagas na quantidade e qualidade necessárias e, ao contrário, pode promover a rotatividade, com o custo adicional de reduzir direitos e ter efeitos negativos para a saúde e segurança dos trabalhadores e trabalhadoras", alerta o órgão.

O Dieese afirma ainda que a MP está em desacordo com a Convenção 144 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), sobre diálogo tripartite (governo, trabalhadores e empresários) para alteração de normas trabalhistas.

"Contudo, ainda que haja um avanço nesse sentido e os efeitos da MP sejam neutralizadas, é fato que os bancários permanecem sendo lesados pelas medidas atrozes que vêm sendo lançadas, em evidente retrocesso aos direitos sociais até então assegurados", finalizou a advogada Luciane Adam, especialista em direito trabalhista.

Website: http://www.gfsa.com.br

Fonte: Terra
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br