Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Aquele que já não é teu amigo, nunca o foi realmente.
Aristóteles
27/11/2019

Em 2020, novo teste para a democracia ameaçada

Eleições como a de Trump e Duterte acenderam holofotes sobre o papel manipulador do Facebook, Twitter e Google. Em 2020, novos pleitos irão ocorrer em mais de 60 países. Plataformas prometem autorregular-se. Alguém acredita?

Por Siva Vaidhyanathan, no The Guardian, traduzido pelo Jornal GGN

Entre as eleições de dezembro de 2019 no Reino Unido e as eleições de novembro de 2020 nos Estados Unidos, as principais plataformas de tecnologia global vão provavelmente se esforçar para neutralizar as chamadas para a sua regulamentação ou desmembramento.

Sob a rubrica paradoxal da “autorregulação”, o Facebook, o Twitter e o Google já estão considerando maneiras de parecer responsáveis ??e protetores da integridade dessas duas eleições. O Twitter prometeu parar de exibir anúncios políticos, e o Google e o Facebook estão pensando em suspender a segmentação precisa de anúncios políticos.

Em 2016, o Facebook desempenhou papéis fundamentais na eleição de Rodrigo Duterte nas Filipinas, no referendo do Brexit e na vitória do colégio eleitoral de Donald Trump nos Estados Unidos.

Os choques de 2016 despertaram jornalistas e reguladores para as maneiras pelas quais as mídias sociais comprometem a democracia. Após uma década de proclamações superficiais de seu potencial democrático, fica claro que o Facebook , o Twitter e o Google são, de fato, grandes ameaças à democracia.

Primeiro, seus serviços de publicidade direcionada separam qualquer senso de responsabilidade democrática das campanhas e partidos que os implantam. Os anúncios alcançam apenas os olhos para os quais são destinados – e, portanto, nunca enfrentam escrutínio ou resposta de adversários, críticos ou jornalistas.

Segundo, seus algoritmos ampliam conteúdo divisivo e emocionalmente desencadeador que pode distrair ou enojar os eleitores e minar sua confiança nas políticas democráticas, instituições e minorias étnicas ou religiosas.

E terceiro, o Facebook, Twitter e Google são projetados para motivar as pessoas a fazer coisas como comprar ou votar. Eles comprometem os esforços para deliberar ou pensar profundamente sobre os problemas. As democracias precisam de motivação e deliberação.

O destino de Trump – que assumiu o cargo em 2016, em parte pelo poder do Facebook de motivar e organizar seus principais partidários nacionalistas brancos – preocupa críticos e defensores do Facebook, Twitter e Google.

Mas mais de 60 países realizarão eleições em 2020. O Facebook e o Google serão variáveis ??importantes em quase todos eles. A primeira dessas eleições será em janeiro, em Taiwan, onde mais de 89% dos adultos usam o Facebook regularmente – uma porcentagem muito maior do que quase qualquer outro país. De olho na agitação em Hong Kong e na brutalidade do governo do continente em relação a grupos muçulmanos no oeste da China, as tensões serão altas. Espera-se que agentes da República Popular da China inundem o Facebook com propaganda.

Outras eleições de 2020 em que o Facebook e o Google provavelmente desempenharão um papel incluem as da Polônia, Grécia, Moldávia e França. As eleições para o Senado na França provavelmente serão inundadas pela propaganda de forças etno-nacionalistas no país e por esforços antinacionais da União de fora. As eleições parlamentares na Sérvia, Lituânia, Geórgia, Peru e Venezuela também são preocupantes.

Mas países desenvolvidos como a França e os EUA devem poder cuidar de si mesmos. Suas esferas públicas são robustas e diversas. Os cidadãos de ambos os países têm muitas fontes de informação e muitas maneiras de se comunicar. Apesar de ver seus dois principais partidos do pós-guerra desmoronarem nos últimos anos, os eleitores na França conseguiram manter os protofascistas fora do poder na maior parte do país. E a impopularidade de Trump é firme, generalizada e pode crescer à medida que os esforços de impeachment progridem.

Em vez disso, deveríamos atender a lugares onde os cidadãos não têm quase nada além do Facebook, para ver seus países, governos e o mundo.

Mianmar e Sri Lanka realizarão eleições parlamentares em 2020. Ambos os países também têm maiorias budistas que se tornaram violentas e defensivas nos últimos anos. O Sri Lanka emergiu apenas recentemente de uma década de guerra civil contra sua minoria tâmil, principalmente hindu. Em Mianmar, os nacionalistas usam o Facebook para alimentar a hostilidade contra um grupo étnico muçulmano minoritário, os Rohingya.

Apesar de anos de pedidos e advertências de grupos de direitos humanos, o Facebook não conseguiu fazer grandes mudanças na maneira como opera no Sri Lanka ou em Mianmar .

Em um esforço para impedir um sério escrutínio regulatório na Europa e na América do Norte, os três grandes grupos – Facebook, Twitter e Google – recentemente se propuseram a propor várias reformas internas. No entanto, seus esforços foram concentrados nas experiências de europeus e norte-americanos.

Não julgue seus esforços pela maneira como as coisas vão para Donald Trump em 2020. Olhe para Taiwan, Sri Lanka e Mianmar.

Fonte: The Guardian
 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br