Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Jamais culpe o seu próximo antes de ter estado em seu lugar.
O Talmude
18/11/2019

Economista liberal (neo) defende fim do FAT

Guedes perde oportunidade de extinguir o FAT e desvincular recursos do PIS, diz Persio Arida

Propostas do governo falham ao não encerrar a vinculação do PIS ao BNDES

Persio Arida

[RESUMO] No emaranhado de propostas formuladas pelo governo perde-se a oportunidade de suprimir o FAT e encerrar as vinculações do PIS, medidas que racionalizariam as finanças públicas sem prejudicar trabalhadores.

O governo enviou ao Senado há duas semanas três propostas de emenda constitucional: a PEC emergencial, a PEC do pacto federativo e a PEC dos fundos. Aprovar uma PEC é difícil, aprovar três ao mesmo tempo nem se diga.

Há promessa de envio de outra para implementar a reforma administrativa. A ver. E ainda tramita na Câmara a PEC da Reforma Tributária, de iniciativa do Legislativo.

São muitas propostas para serem digeridas ao mesmo tempo. Vou me concentrar aqui em um tópico específico: as mudanças previstas no artigo 239 da Constituição de 1988.

1 4

Quais os pontos do pacote do governo para estimular o emprego?

VOLTARFacebookWhatsappTwitterMessengerLinkedinE-mailCopiar link

https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1649905786881744-quais-os-pontos-do-pacote-do-governo-para-estimular-o-emprego#foto-1649906052431609

Loading

É um assunto transversal, que aparece nas três PECs enviadas para o Senado. O artigo 239 prevê duas formas de vinculação da arrecadação do PIS. A primeira vincula o PIS ao pagamento do abono salarial e do seguro desemprego; a segunda destina 40% da arrecadação ao BNDES para financiar programas de desenvolvimento econômico.

A vinculação do PIS é uma das várias previstas na Constituição. Durante a Assembleia Constituinte os diversos grupos de interesses da sociedade se articularam. Cada um buscou garantir uma fatia dos impostos e ter um pedaço do orçamento para chamar de seu, criando enorme rigidez na administração dos recursos públicos.

O surpreendente no artigo 239 é vincular um imposto a um empréstimo. Espanta o senso comum —impostos deveriam servir para financiar o gasto público e/ou quitar dívidas, não para fazer empréstimos.

Em 1994, o Plano Real reduziu as vinculações de impostos em 20% através do Fundo Social de Emergência. Em 2016, já rebatizado como DRU (Desvinculação da Receita Orçamentária), o percentual foi elevado para 30%. A DRU afeta a vinculação do PIS como um todo e, por tabela, atinge também a parte do PIS que vira empréstimos para o BNDES. Hoje, o percentual efetivo do PIS emprestado ao BNDES está em 28% (70% de 40%).

O governo procurou, através da PEC do pacto federativo e da PEC emergencial, reduzir ainda mais os empréstimos ao BNDES lastreados na arrecadação do PIS. A PEC do pacto federativo reduz o percentual do PIS a ser repassado ao BNDES para 14%. A PEC emergencial autoriza o governo a suspender todos os empréstimos ao BNDES por dois anos se o Brasil não estiver cumprindo a regra de ouro.

1 7

Bolsonaro entrega reformas econômicas ao Congresso; veja fotos

VOLTARFacebookWhatsappTwitterMessengerLinkedinE-mailCopiar link

https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1649376828319693-presidente-entrega-reformas-economicas-ao-congresso#foto-1649395069923260

Loading

Surpreende que, ao contrário das DRUs, essas PECs não desvinculem o PIS como um todo —elas se preocupam apenas com a parcela do PIS que é canalizada na forma de empréstimos para o BNDES. De toda forma, estão na direção correta e iniciada no Plano Real. Mas já se passaram 25 anos e o Brasil mudou muito desde então. Por que não eliminar de vez essa esdrúxula vinculação de impostos a empréstimos?

Em 1988 talvez fizesse sentido assegurar uma fonte permanente de financiamento ao BNDES. Na hiperinflação que então vivíamos, o BNDES tinha dificuldade em captar a longo prazo, e o mercado de capitais estava ainda engatinhando.

Hoje, no entanto, o Tesouro Nacional coloca no mercado títulos que vencem em 2050. Mais de 22% da dívida pública federal tem prazo de vencimento superior a cinco anos. Nos últimos 12 meses, as emissões corporativas de debêntures são cinco vezes maiores do que os empréstimos do BNDES, e quase metade delas tem prazo maior do que sete anos.

Por que o BNDES não conseguiria captar a longo prazo no mercado os recursos de que carece? O BNDES não precisa mais ser financiado pelo dinheiro de impostos. O correto é eliminar de vez a vinculação do PIS aos empréstimos, independentemente de se o país está ou não em emergência fiscal. O Brasil é maduro para dar esse passo.

1 6

Proposta do governo prevê fusão de municípios sem consulta; entenda as regras

VOLTARFacebookWhatsappTwitterMessengerLinkedinE-mailCopiar link

https://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/1649907023594369-proposta-do-governo-preve-fusao-de-municipios-sem-consulta-entenda-as-regras#foto-1649907023647865

Loading

Ainda há outro problema, tão ou mais importante. Em 1990 foi criado por lei o FAT —Fundo de Amparo ao Trabalhador, de natureza puramente contábil. A União passou a transferir 100% da arrecadação do PIS para o FAT. E o FAT ficou encarregado de pagar o abono salarial, o seguro desemprego e emprestar 40% do valor arrecadado ao BNDES.

À primeira vista, o FAT seria apenas mais um dos fundos criados para administrar blocos carimbados de recursos públicos. Sua governança é esquisita: embora seja constituído exclusivamente com dinheiro de impostos, seu conselho gestor tem representantes dos sindicatos patronais e trabalhistas.

Mas o pulo do gato foi outro. A Lei do FAT partiu do princípio de que, como o empréstimo ao BNDES era previsto na Constituição, não precisaria ser quitado. Ou seja, o FAT empresta ao BNDES, mas só recebe de volta os juros, nunca o principal. Do ponto de vista do BNDES, os empréstimos se tornaram um passivo sem prazo de vencimento.

O saldo dos empréstimos do FAT ao BNDES está hoje na casa dos R$ 260 bilhões. Seria maior ainda se não fosse o fato de os empréstimos terem sido corrigidos pela TJLP até 2017. Como a TJLP, um dos muitos subsídios não transparentes do Orçamento, ficou sempre abaixo da taxa de mercado, o valor dos empréstimos foi minguando.

Mesmo assim o número impressiona: R$ 260 bilhões dariam conta do abono salarial e do seguro desemprego por quase cinco anos. Ou quase nove anos do Bolsa Família.

O governo Bolsonaro tentou lidar com esse problema por dois caminhos. Primeiro, inserindo um jabuti na medida provisória 889, a MP do FGTS. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, mas no meio da MP 899 apareceu um artigo que dá poder ao ministro da Economia para disciplinar os critérios e condições da devolução ao FAT dos empréstimos ao BNDES. Foi um jabuti do bem, mas continua sendo um jabuti.

O segundo caminho foi a PEC dos fundos. Ela extingue todos os fundos criados por lei em dois anos, a menos que sejam recriados por lei complementar específica. O patrimônio dos fundos extintos iria para a União.

É difícil saber se a PEC será aprovada e o que vai acontecer em dois anos. Pior ainda, está longe de ser óbvio se o FAT seria extinto pela PEC dos fundos, pois exclui explicitamente fundos criados constitucionalmente. O FAT foi criado por lei, mas regula o artigo 239 da Constituição. Assunto para muito debate jurídico.

Minha sugestão é retirar das PECs os artigos que tratam da vinculação do PIS com os empréstimos ao BNDES. Dois outros artigos entrariam no seu lugar. Primeiro: supressão do artigo 239 da Constituição. Ou seja, uma desvinculação radical do PIS.

O PIS passaria a ser uma fonte não carimbada de recursos, cujo uso pode variar ao longo do tempo de acordo com o Orçamento da União. Deixariam de existir, por consequência, os empréstimos do PIS para o BNDES, esteja ou não o Brasil em emergência fiscal.

Segundo: extinguir o FAT. Suas obrigações —pagar o seguro-desemprego e o abono salarial— passariam a ser obrigações da União. E os R$ 350 bilhões de ativos do FAT, incluindo caixa e todos os empréstimos a instituições financeiras oficiais, entre as quais o BNDES, passariam a ser ativos do Tesouro. Os termos da quitação dos empréstimos seriam fixados pelo Poder Executivo.

São dois artigos simples que resolveriam em definitivo o problema. A União monetizaria os R$ 350 bilhões à medida que os empréstimos às instituições financeiras oficiais fossem sendo pagos. O Orçamento ganharia desde já flexibilidade ao “descarimbar” a arrecadação do PIS. E não haveria nenhum prejuízo aos programas sociais, posto que nada é alterado do ponto de vista dos recebedores do abono salarial e do seguro desemprego.

Persio Arida, economista, foi presidente do BNDES e do Banco Central no governo Fernando Henrique Cardoso.

 
+ Clipagem

Brasil vive apagão estatístico sobre mercado de trabalho - Sem dados de IBGE, Caged e seguro-desemprego, país pode ficar sem saber dano do coronavírusFernanda Brigatti

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br