Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Olhando de longe, tudo é belo.
Tácito
08/11/2019

Consumidor compra mais 'mimos' após recorrer ao emprego informal, diz Nielsen

Famílias que dependem de renda extra somam 16 milhões

Ana Paula Ribeiro

SÃO PAULO - O consumidor está conseguindo gastar um pouco mais e colocar alguns "mimos" em seu carrinho de compras, seja um produto de uma marca mais cara, um pão especial ou uma ida ao salão de beleza. Ir além do básico, no entanto, está vinculado ao esforço das famílias em driblar a crise e ir em busca de um emprego informal ou atividade extra.

Essa é a conclusão do estudo do Consumer 360º da Nielsen, divulgado nesta quarta-feira e que mostra como o consumidor gasta o seu dinheiro .

- Vemos um cenário diferente nesse ano, que é o que o consumidor está fazendo para driblar a crise - disse Patricia Almeida, especialista consumidor da Nielsen Brasil.

Leia : Emprego por conta própria bate recorde, aponta IBGE

Superar a crise, ou amenizar os efeitos dela, está ligado ao emprego informal, seja de forma integral ou como complemento de renda ao emprego com carteira assinada. Nas contas da Nielsen, são 16 milhões de domicílios nessa situação, sendo que 9 milhões utilizam a informalidade para complementar renda e outros 7 milhões dependem dessa fonte integralmente.

- A informalidade está ajudando a retomar o consumo até entre os empregados - explicou.

Precisam da renda extra uma fatia de 38% dos lares brasileiros. Para os que possuem orçamento mais apertado, a informalidade acaba permitindo um sortimento maior de itens básicos, como sabão, biscoito, achocolatados e produtos em refil, mostrando que o consumidor ainda está preocupação com a relação entre custo e benefício.

Já para aqueles que possuem uma folga maior, o que mais entra no carrinho são "mimos", como água micelar (utilizada na limpeza da pele e para retirada de maquiagem), iogurte com proteína, pães especias ou sprays de tintura.

PUBLICIDADE

Viu isso? Em dez anos, brasileiros dobram gastos com celular, internet e produtos de higiene pessoal

Na avaliação de Almeida, parte da informalidade está entre os consumidores que conseguiram emprego esse ano, mas que não largaram o "bico" porque tinham dívidas a pagar. Atividades de venda direta, serviços de entrega por aplicativo ou de transporte de passageiros estão entre as alternativas mais buscadas, além de serviços domésticos.

O comprometimento de renda com itens básicos, no entanto, cresceu neste ano. Por itens básicos a Nielsen considera os gastos relacionados à moradia, saúde, educação, transporte e dívidas. Esses compromissos passaram de 57,9% do orçamento das famílias em 2018 para 58,9%. O aumento veio, principalmente, das dívidas.

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br