Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Pode ser perigoso ou ridiculo deixar transparecer a cólera, no rosto ou nas palavras. A raiva e o ódio devem somente se manifestar nas ações: unicamente os animais de sangue frio são venenosos.
Schopenhauer
30/08/2019

Sindicatos pedem suspensão de alteração estatutária feita pela Petrobras

Por Gabriela Coelho

Bem vindo ao Player Audima. Clique TAB para navegar entre os botões, ou aperte CONTROL PONTO para dar PLAY. CONTROL PONTO E VÍRGULA ou BARRA para avançar. CONTROL VÍRGULA para retroceder. ALT PONTO E VÍRGULA ou BARRA para acelerar a velocidade de leitura. ALT VÍRGULA para desacelerar a velocidade de leitura.Play!Ouça: 0:00

02:23AudimaAbrir menu de opções do player Audima.

Três entidades representativas de trabalhadores de petroleiras pediram, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a anulação de uma mudança no estatuto da Petrobras. A alteração foi aprovada em Assembleia Geral Extraordinária do Conselho de Administração da empresa.

Sindicatos pedem suspensão de alteração estatutária feita pela Petrobras

De acordo com a Federação Única dos Petroleiros (FUP), o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (SindipetroNF) e Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo do estado do Rio de Janeiro (Sitramico/RJ), os artigos transferem as deliberações sobre alienação do controle do capital social de subsidiárias integrais. A decisão, que antes era tomada em Assembleia Geral, passou para o Conselho de Administração, órgão restrito e limitado de representantes.

"Com esta alteração, a Castello Branco e a Petrobrás não estão mais sujeitas ao controle público e social, e podem criar ou extinguir subsidiárias de uma forma mais simples. A medida atinge diretamente a privatização da empresa, que deve criar subsidiárias para vender, por exemplo, as refinarias", dizem as entidades.

Na ação, os sindicatos alertam que a própria Lei das Sociedades Anônimas dispõe que nem o estatuto social nem a assembleia geral podem privar os acionistas dos direitos de fiscalizar a gestão dos negócios sociais. "Desta forma, a alteração estatutária neste caso é contrária ao princípio da legalidade", afirmam.

Princípio Mitigado

De acordo com advogados do escritório Aragão e Ferraro, que representam a FUP e os sindicatos, a decisão "mitigou o princípio da publicidade na acepção da máxima transparência e da legalidade, posto que retraiu a fiscalização dos acionistas minoritários. Também violou o princípio da moralidade, uma vez que retirou a participação global no relevante tema e a entregou a uma cúpula reduzida de conselheiros com parca representação da coletividade".

Ação Popular 0212517-84.2019.8.19.0001

Fonte: Conjur
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br