Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Cuidado com aqueles que querem convencê-lo de que é impossível lutar pelo bem, só porque é impossível alcançar a perfeição.
John Ruskin
13/08/2019

Brasil em perigo, por Paulo Nogueira Batista Jr.

Eis o que quero frisar: não podemos, de forma alguma, perder de vista a importância que se atribui no exterior à questão ambiental e, em especial, à Amazônia.

Por Jornal GGN -

por Paulo Nogueira Batista Jr.

Em toda a minha vida, já relativamente longa, nunca, mas nunca mesmo, vi o Brasil correr tanto perigo, tantos riscos. Fica cada vez mais claro que a crise iniciada em 2015 não é uma crise qualquer, mas um processo de desintegração e dissolução que coloca em risco a Nação. Como seria de prever, esse processo está alcançando o seu paroxismo com o governo Bolsonaro.

Bem sei, leitor, que o nosso País, com todas as suas extraordinárias qualidades, sempre teve também muitas vulnerabilidades. Carregamos pesada herança colonial-escravista, nunca inteiramente superada. Calabar e Joaquim Silvério dos Reis fizeram escola e seus discípulos ou sucessores sempre estiveram representados nas mais altas esferas, em maior ou menor medida.

Mas há precedentes para o que estamos vivendo agora? Vou mais longe: um governo de ocupação, que estivesse encarregado de desmontar o Estado brasileiro, faria melhor serviço? O propósito destrutivo está sendo levado a cabo às claras, sem disfarces. O próprio presidente da República proclama que seu objetivo é exatamente este. E a destruição já vem atingindo muitas áreas da administração pública, das políticas governamentais e da sociedade brasileira.

Tome-se como exemplo a área ambiental. Nas últimas décadas, o Brasil desenvolveu doutrinas, políticas e instrumentos nesse campo estratégico. Um dos instrumentos mais recentes, ainda em fase de consolidação, é o Novo Banco de Desenvolvimento, criado em conjunto com Rússia, Índia, China e África do Sul, banco do qual fui vice-presidente até 2017 e que tem como um dos seus objetivos centrais apoiar o desenvolvimento com sustentabilidade ambiental.

Leia também: Bolsonaro condiciona ações no Nordeste a afago dos governadores

Não há dúvida de que a eficácia das instituições e políticas ambientais brasileiras variou ao longo do tempo. O que foi feito pode e deve ser objeto de críticas e revisão. Mas a destruição pura e simples, a mudança abrupta de rumo, pontuada por medidas e declarações estapafúrdias, provocativas e até infantis, vem transformando o Brasil em pária internacional. É um convite ao desastre em tema que diz respeito a interesses fundamentais do País e à própria soberania nacional. Como se sabe, a questão central aqui é a Amazônia.

Não se trata, leitor, de um simples problema de “imagem” no exterior – aspecto que invariavelmente desperta o vira-lata que habita no brasileiro. Sempre acompanhamos, aflitos, manifestações mais críticas de americanos e europeus a nosso respeito – e, realmente, estas vêm se multiplicando na mídia e mesmo no discurso de lideranças políticas desses países. Também não se trata principalmente de um problema de perda de acesso a financiamentos externos ou a fundos dedicados à questão ambiental, ainda que isso possa certamente ocorrer ou até tenha começado.

O grande risco é outro – o de abrir o flanco, no médio prazo, para uma intervenção estrangeira no Brasil. Isso pode soar alarmista. Estou escolhendo as palavras com o devido cuidado. Eis o que quero frisar: não podemos, de forma alguma, perder de vista a importância que se atribui no exterior à questão ambiental e, em especial, à Amazônia. E nessa atenção que a Amazônia recebe há uma mistura perigosa de preocupações legítimas, relativas a repercussões climáticas globais, com a tradicional cobiça das grandes potências pela vasta reserva de recursos naturais valiosos e crescentemente escassos que temos na região Norte do País.

Leia também: Em 3 anos, índios Yanomami coletam e comercializam mais de 8 toneladas de cogumelos

O caminho mais rápido para perder soberania na Amazônia e, no limite, colocar em risco até a integridade territorial do Brasil é confrontar de maneira tosca as preocupações internacionais, isto é, continuar com a combinação de medidas inconsequentes e destrutivas com pronunciamentos espalhafatosos. Evidentemente, não temos motivo para aceitar sem contestação os “consensos” internacionais em matéria de ecologia e Amazônia. Os governos estrangeiros e organizações não governamentais que se dedicam a essa temática não são, nunca foram, inatacáveis. Mas o Brasil precisa se dirigir a esses temas, vitais para nós e para o resto do mundo, com espírito crítico, seriedade e competência profissional.

Se o governo federal perdeu o rumo nessa questão, como em tantas outras, cabe aos governos subnacionais, ao Congresso, às organizações da sociedade civil e aos especialistas fazer o que estiver a seu alcance para interromper o desastre que está se configurando.

Paulo Nogueira Batista Jr. é economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento, estabelecido pelos BRICS em Xangai, e diretor executivo no FMI pelo Brasil e mais dez países.

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br