Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Trabalha sempre. Não pense que o trabalho seja um desastre para você, nem busque elogios ou premiação por ele.
Marco Aurélio
12/08/2019

Acredite: multas por trabalho escravo são destinadas a desenho animado e série da HBO

O juiz do trabalho Jonatas Andrade destinou R$ 1 mi ao filme 'Pureza', estrelado por Dira Paes

Dinheiro originário de multas pagas por condenados por explorar trabalho escravo tem sido destinado, por juízes e procuradores, para financiamento de produções de desenhos animados, longas-metragens e séries com o intuito de sensibilizar o público sobre violação de direitos humanos, segundo noticiou a Reuters.

As produções vão de desenhos animados sobre trabalho infantil até uma minissérie da HBO.

De acordo com a lei brasileira, esse tipo de recurso deve ser destinado às vítimas ou gasto de forma a ajudar a comunidade afetada.

Retrato da atriz Dira Paes, que faz a protagonista do filme 'Pureza' - Ricardo Borges/Folhapress

“Opinião pública é fundamental”, disse à Reuters o procurador Luiz Carlos Fabre, que costurou um acordo para que o Ministério Público do Trabalho financiasse, no valor de cerca de R$ 200.000, uma série sobre trabalho infantil para a HBO Latin America, ainda sem data de lançamento.

O juiz do trabalho Jonatas Andrade destinou R$ 1 milhão ao filme “Pureza”, estrelado por Dira Paes, que conta a história da ativista Pureza Lopes, que viajou pelo Brasil à procura de seu filho, escravizado em uma fazenda.

A falta de critério pelos quais dinheiro de multas tem sido usado preocupa alguns analistas.

De acordo com Fred Lucio, da ESPM Social, roteiros com uma mensagem podem ser pouco efetivos caso não haja bom planejamento, com exibições em lugares apropriados —como escolas, sindicatos ou regiões onde trabalho escravo é endêmico.

Na terça-feira da semana passada (30) o presidente Jair Bolsonaro criticou as regras que caracterizam trabalho análogo à escravidão e disse que seu governo discute mudanças na legislação atual.

Sem citar números, Bolsonaro disse que no Brasil há uma "minoria insignificante" que explora seus trabalhadores de forma semelhante à escravidão.

"Então pode ser que tenha uma minoria insignificante, e isso tem que ser combatido. Mas deixar com essa dúvida quem está empregando, se é análogo ou não é, você leva o terror para o produtor", afirmou.

Fonte: Justificando
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br