Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A virtude de uma pessoa não é medida por seus esforços excepcionais, mas por seu comportamento cotidiano.
Blaise Pascal
07/08/2019

‘A proposta de reforma da Previdência defendida por Paulo Guedes é uma fraude’, diz Belluzzo

Por José Cássio

A câmara dos deputados retomou nesta terça, 6, a discussão sobre a reforma da Previdência – o projeto praticamente inviabiliza a aposentadoria dos jovens que estão ingressando no mercado de trabalho.

A aprovação é barbada, como anunciou nesta manhã o presidente Rodrigo Maia: em primeiro turno, foi aprovada por 379 votos a 131.

Bolsonaristas querem manter o texto aprovado em primeiro turno, enquanto parlamentares da oposição ainda tentam aprovar sete destaques que modificam a proposta original.

A combinação depressão econômica com desregulamentação das leis do trabalho é a química explosiva que vai levar os brasileiros a padecerem no futuro, sem renda nem para comprar remédio.

É o que aconteceu em países como Chile e Estados Unidos, que adotaram o modelo de “capitalização” que está sendo vendido por aqui pelo economista Paulo Guedes.

“Desculpem a sinceridade, mas essa proposta é uma fraude, uma patifaria”, diz o professor da Unicamp e economista Luiz Gonzaga Belluzzo.

Pelo modelo da capitalização, com as empresas se desobrigando da participação, assim como o Estado, os trabalhadores passam a contribuir individualmente para um fundo, suscetível às intempéries do mercado.

“O negócio é tão ruim que, apenas no Estados Unidos, jogou cinco milhões de aposentados na miséria. Todo esse pessoal teve que entrar com pedido de falência pessoal”, diz Belluzzo.

Ele conta que o regime geral era superavitário até 2014, quando a taxa de desemprego no país era de apenas 5%. Com a precarização do trabalho, as mudanças tecnológicas e o desejo do setor produtivo de evitar compromisso com seus empregados, a crise se instalou.

Segundo Belluzzo, a conjuntura brasileira repete o que está ocorrendo nos demais países, com a diferença de que a solução sugerida por Bolsonaro abandona os trabalhadores à própria sorte.

“Esse é um assunto que está sendo discutido no mundo todo”, diz. “As melhores soluções são as que estão sendo estudadas em países da Europa, como a França, por exemplo, que cogita a criação de um novo imposto, o imposto da solidariedade, de forma que o conceito de todos contribuírem para a Previdência seja mantido”.

Belluzzo vê certa desinformação no debate brasileiro. Especialmente pelos dados apontados pelo Governo.

“Eles falam numa economia de R$ 1 trilhão em 10 anos. Pura falácia. Não existe comprovação de que isso vai acontecer, por uma série de fatores elementares”.

Seja como for, o desmonte bateu à porta: o convencimento da população foi tão eficaz que Bolsonaro pensa em turbinar os poderes de Rogério Marinho, o secretário que comandou a operação de acabar com o direito da aposentadoria do trabalhador.

Fonte: DCM
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br