Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Cuidado com aqueles que querem convencê-lo de que é impossível lutar pelo bem, só porque é impossível alcançar a perfeição.
John Ruskin
12/06/2019

Greve geral: centrais sindicais preparam paralisação contra Reforma

Em São Paulo, ônibus, metrô e trem não devem circular; manifestações também devem cobrar maior geração de empregos formais e pedir o fim do contingenciamento na educação

Bianca Gomes, Clara Rellstab e Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

Centrais sindicais de todo o País estão convocando trabalhadores de diversas categorias para uma greve geral na próxima sexta-feira, 14. O objetivo, de acordo com líderes das entidades, é protestar contra o projeto do governo de reforma da Previdência. Também fazem parte das reivindicações temas como maior geração de empregos formais, retomada do crescimento da economia e contingenciamento na Educação.

LEIA TAMBÉM

>

Relator da reforma da Previdência está disposto a retirar pontos da proposta, diz governador do PI

Greve geral contra as reformas

Imagem da greve geral de 28 de abril de 2017, quando maior parte do transporte coletivo não funcionou; índice de congestionamento em SP ficou bem abaixo da média Foto: Amanda Pereobelli/Estadão

Segundo os movimentos, a prioridade é que os trabalhadores “cruzem os braços” a partir da madrugada de quinta-feira, 13, para sexta-feira, 14, com manifestações sendo utilizadas como complemento à paralisação. “A imagem que queremos é a Paulista deserta, ruas desertas no dia, como se estivessemos em 28 de abril de 2017 (quando houve greve geral no País)”, afirma o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas. “As manifestações são apoio, mas o dia é de greve”, completa.

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves Juruna, disse que um dos pontos essenciais é adesão do setor de transportes, em todas as categorias, para a greve. “É essencial que parem porque, se eles não aderirem, a impressão é de que não houve paralisação. São categorias expressivas de demonstrações de poder dos trabalhadores”, diz.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT) e atual presidente do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, Ricardo Patah, afirma que a greve de sexta-feira é resposta a uma série de fatores que foram colocados pelo Governo Federal sem uma discussão prévia. "Nós queremos chamar a atenção dos governantes para abrir um canal de negociação, de diálogo", afirmou. Sobre a reforma da Previdência, ele afirmou que a União é favorável à mudança. "Mas não essas que estão sendo colocadas, como a capitalização e outros itens que não nos ouviram."

Hoje, a UGT representa os principais sindicatos de transporte do País, como os dos setores de trem e ônibus, ambos importantes para uma grande paralisação. "É uma greve constitucional e que deve unir várias centrais. Com certeza será uma greve forte, importante. No sentido de parar mesmo, para a sociedade pensar o que realmente o Brasil precisa."

Segundo o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (SindMotoristas), em reunião realizada nesta segunda-feira, 10, em São Paulo, a categoria aderiu à paralisação para a partir da 0h.

Diretor do sindicato, Francisco Xavier, o Chiquinho, disse que a adesão foi acolhida de maneira unânime na plenária. “Não é uma greve só pela greve, reivindicamos uma situação que atende a todos os brasileiros. As pessoas estão se sentindo incomodadas e prejudicadas (com a reforma da Previdência), e as centrais estão dando sua contribuição. A reforma traz prejuízos”, afirma.

Os sindicatos dos ferroviários e dos metroviários de São Paulo concordaram em paralisar as atividades na sexta-feira. No metrô, todas as linhas devem parar, inclusive a 4-Amarela e 5-Lilás, da iniciativa privada, e os trens da CPTM não devem circular. Os ferroviários da Sorocabana, 5 mil trabalhadores que atuam com trens de carga e de passageiros, de Santos a Campinas e de São Paulo a Presidente Epitácio, também aderiram.

Na área da educação, as atividades do dia no setor público devem ser canceladas. A vice-presidente do Sindicato dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN), professora Qelli Rocha, afirmou que os atos de rua devem ocorrer entre o final da tarde e início da noite de sexta. “Temos problemas conjunturais. Na área da educação, o contingenciamento, ou melhor, os cortes, nos impulsionou a paralisar. É a retirada de direitos sociais que conquistamos desde a Constituição de 1988.”

Segundo ela, também vão aderir à greve a Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG), a Nacional dos Estudantes em Ensino Técnico (FENET), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e a União Nacional dos Estudantes (Une).

Em relação às escolas privadas, o presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep) afirmou, na manhã desta terça-feira, 11, ao Estado, que a orientação aos sindicatos é de não aderir à greve. “Em geral, deve funcionar normalmente. Entendemos que a escola não deve fazer greve e, caso o funcionário venha a aderir, que seja descontado o dia de trabalho”, afirmou.

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br