Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Cuidado com aqueles que querem convencê-lo de que é impossível lutar pelo bem, só porque é impossível alcançar a perfeição.
John Ruskin
23/05/2019

Caquistocracia: os piores estão no poder!

7 de maio de 2019 pode ter sido o princípio do respiro profundo antes do mergulho. Aquele típico fôlego que tomamos antes de mergulhar em um mar azul de domingo ensolarado. Após o leve impacto com as águas, submergimos, voltando à tona logo depois, com a sensação refrescante que nos deixa alegres. O mesmo pode não ocorrer com a Presidência da República.

Em postagem divulgada nas redes sociais na última sexta-feira, o presidente aponta para o Brasil como país “ingovernável”. O texto de autoria de Paulo Portinho, filiado ao Partido Novo, aponta para corporações, as quais, no afã de manter seus interesses, têm, em todos os níveis, pressionado o presidente. Alguns veículos de informação encontraram similaridades entre o post publicado pelo atual mandatário da República e a carta-renúncia do ex-presidente Jânio Quadros. Entretanto, para compreender como a figura maior do Poder Executivo chegou ao ponto de divulgar um desabafo que sequer é da sua autoria, precisamos retomar alguns fatos dos últimos cinco meses.

O atual presidente da República – evitarei escrever o seu nome; sempre que o ouço, logo me vem à memória a grande habilidade de todo ser humano em produzir iniquidades, sendo ele mesmo a própria personificação da crueldade humana em solo brasileiro, porquanto tenha graves falhas morais, a exemplo da homenagem prestada a torturadores e do ódio difundido contra minorias sociais – foi eleito com massivo apoio dos evangélicos, do mercado financeiro e dos militares. Curiosamente, ao longo dos meses, não conseguiu aprofundar o diálogo com sua própria base de apoio. Os gestos realizados nesse sentido foram limitados – assim como limitada é a inteligência do próprio dirigente da Nação – causando descontentamento em praticamente todos os seus aliados: (1) destinar o Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos para Damares Alves, uma pessoa visivelmente despreparada, com visões bizarras e toscas de sociedades, além de traços visíveis de sofrimento psíquico, provocou reação desfavorável entre a bancada evangélica no Congresso, que certamente esperava alguém com maior temperança para conduzir a pasta. A escolha de Damares se deve ao presidente possuir profundo desprezo pelos Direitos Humanos, direcionando esse ministério a uma pessoa sem credibilidade, em uma atitude de escárnio para com as populações socialmente minoritárias; (2) o mercado financeiro viu em Paulo Guedes, ministro da Economia, a oportunidade de aprovação da Reforma da Previdência, o que abriria espaço para completar a sangria do Estado, iniciada pelo governo Temer. A Reforma parece longe de ocorrer, o dólar fechou em R$ 4,10 na última semana, e a bolsa de valores zerou os ganhos, fazendo a desconfiança aumentar em relação ao governo; (3) os militares, apesar de ocupar vários cargos ministeriais, estão profundamente insatisfeitos com a flexibilização do uso de armas, proposta por decreto e atacam abertamente Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, visto como um desajuizado na condução do relacionamento internacional entre o Brasil e outros países, a exemplo da China, nosso maior parceiro comercial. Vale lembrar que por pura vassalagem e entreguismo aos Estados Unidos, o presidente doou a Base de Alcântara, insinuou apoio militar em uma eventual invasão da Venezuela e proferiu discursos contra os chineses.

Rapidamente, a base política do presidente dissolve. A gota d’água parece ter sido os cortes no orçamento de 63 universidades e 38 institutos federais de ensino. Esse violento ataque à educação pública resultou em protestos com milhões de pessoas nas ruas no último dia 15, incluindo eleitores do “mito”, agora tremendamente preocupados em não ter a universidade pública – lugar onde, contrário ao que o presidente afirma, pesquisas de renome são realizadas – para acessar o Ensino Superior. Nesse episódio, mais uma vez ficou evidenciada a falta de diálogo do chefe de Estado com a sociedade brasileira: no mesmo dia, em visita a Dallas, no Texas, Estados Unidos, ele denominou os manifestantes como “idiotas úteis”. No último sábado, 18, ele voltou a adjetivar quem participou do Levante dos Livros: trajando camisa da Seleção Brasileira, short amarelo e sandália, na portaria do Palácio da Alvorada, cumprimentou 36 estudantes do Colégio Bandeirantes, instituição privada de ensino, perguntando o que eles achavam do “movimento do pessoalzinho que eu cortei verba”.

Essa inépcia em fazer política, aliada às investigações do Ministério Público sobre prática de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro por parte do filho do presidente e senador da República, colocam o governo sob crescente desestabilização, rumando a passos largos para o caos. Há quem diga que em Brasília o que se discute é como e quando o presidente vai cair, porquanto sua queda já é dada como certa.

O cenário atual da política brasileira é constituído por uma caquistocracia. O termo criado pelo geógrafo e historiador grego Políbio (203 a.C. – 120 a.C.), se refere a um governo liderado pelos piores e mais inescrupulosos cidadãos, representantes da degenerescência de três formas de governança: (1) monarquia transformada em tirania, na qual um rei perspicaz pode se tornar um déspota; (2) aristocracia – o governo daqueles considerados sábios – que ao degringolar em oligarquia, resulta em uma administração pública sob o poder de alguns, ansiosos em malversar o dinheiro público, aniquilando a sociedade; e (3) democracia – “governo do povo, pelo povo e para o povo” – decaída em oclocracia, regime de opressão utilizada por demagogos e populistas, em contraposição às leis e suas instituições guardiãs. Na caquistocracia brasileira, encontramos esses três elementos circundando o presidente e seus pares, atuando em conjunto para concluir a dilapidação do patrimônio público o mais rápido possível.

Como genuíno caquistocrata, o presidente brasileiro desrespeita às instituições democráticas, ou o que sobrou delas. Como resultado, no cenário internacional ninguém o respeita: sua presença foi rejeitada em Nova Iorque, haja vista o prefeito daquela cidade não querer ter sua imagem associada à um notório fascista. Em Dallas, foi obrigado a fazer turismo, pois não tinha nenhuma agenda oficial. Ademais, não consegue se desvencilhar da imagem do ex-presidente Lula: sempre que julga conveniente, o ventríloquo dos Estados Unidos alfineta o petista. Aqui, duas expressões populares cabem ao atual chefe do Executivo: em suas viagens internacionais malfadadas, ele pousa, apesar de não ser bem vindo, como “arroz de festa”[1], e em relação à Lula, se comporta com um peculiar e imenso “olho de peteca”[2]. Essas posturas são risíveis, contudo, sinalizam para uma preocupante perspectiva, especialmente por se tratar dos péssimos exemplos dados pelo governante do País.

Pelos últimos acontecimentos, e vislumbrando eventos futuros, há uma forte tendência de síncope social. Estamos caminhando para o abismo nos moldes do governo Sarney, quando alimentos faltavam nas prateleiras dos supermercados e a inflação era exponencial. Esperar que o presidente mude seu comportamento e busque diálogo maduro com seus aliados e o Congresso, parece utópico. Impeachment é uma saída? A resposta negativa se apresenta como uma possibilidade: o presidente é tosco; a violência do seu vice é muito mais sofisticada!

Armando Januário dos Santos. Sexólogo. Psicanalista em formação. Concluinte da graduação em Psicologia. Professor de Língua Inglesa. E-mail: armandopsicologia@yahoo.com.br

[1] Jargão popular indicativo de pessoa presente em todo e qualquer encontro social.

[2] Adjetivo popular para pessoas invejosas.

Fonte: carta capital
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br