Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Assim como a abelha colhe o mel de diferentes flores, o homem sábio aceita a essência das diferentes escrituras e vê somente o bem em todas as religiões.
Srimad Bhagavatam
13/05/2019

Bolsonaro não aposta no caos, mas no pós-caos, diz Mario Rosa

Reiteração de atitudes é método de governo

Presidente está envolvido numa punhalada

Igual a Hamlet, da peça de Shakespeare

Loucura de personagem era apenas disfarce

Na confusão, peça presidencial fica gigante

ada mais deprimente do que iniciar um texto com um manjadíssimo lugar comum. Mas fazer o quê? A culpa é sua! Há tanto colunista bom por aí. Vamos lá derramar a platitude. Mil perdões. Bem, Apolônio era aquele personagem que descreveu Hamlet (Shakespeare) com a frase imortal (e redundantemente repetida milhões de vezes em artigos supostamente com algum verniz intelectual). Aqui vai uma das frases feitas mais celebradas pelas academias:

– Apesar disso ser loucura, há método nisso.

Ou seja, Apolônio suspeitava que de alguma forma a loucura de Hamlet talvez fosse apenas ardilosa, um disfarce. Quer dizer, não era loucura de fato. Era uma forma de confundir.

E o que o presidente Jair Bolsonaro tem a ver com Hamlet? Tudo! A começar pelo fato de que, na peça de Shakespeare, Hamlet também está envolvido numa punhalada (no caso, ao contrário do presidente, é ele quem a desfere e mata Apolônio). Mas a coincidência fundamental é que qualificar o comportamento do presidente como inexperiência pela primeira vez é razoável. Na segunda vez, enxergar na reiteração de atitudes o traço da incompetência é compreensível. Na terceira vez, não entender que se trata de um método é ingenuidade de quem analisa o governo e o presidente. A grande e inescapável realidade é que o presidente está fazendo uma aposta política ousada, destemida, prodigiosa e radical.

Receba a newsletter do Poder360

todos os dias no seu e-mail

seu e-mail

E uso esses adjetivos sem as peias e os não-me-toques das ideologias que impedem olhar as coisas como elas são. Não estou elogiando Bolsonaro. Estou apenas qualificando a dimensão de sua titânica cartada política, já em plena execução. Se der certo, será sucedida de outros adjetivos: genial, visionária, brilhante. Se der errado, aí, de outros nomes: pusilânime, pretensiosa, golpista. O tempo e a história dirão. Mas isso não retira da ambição implícita em seu método uma escala fenomenal. E aí você me pergunta: desembucha logo! Qual é essa cartada misteriosa, ó rei do lugar comum? E eu digo: calma. Tô mantendo a audiência. Truque sórdido. Vou desfiando o novelo devagar. Enquanto isso, você fica aí, grudado, querendo saber o desfecho. Pois aqui vai ??

Bolsonaro é o primeiro presidente a ser eleito DEPOIS do terremoto que destruiu a política e trincou as instituições. Fosse quem fosse que estivesse naquela cadeira lá, sendo o primeiro presidente da Nova República após o cogumelo nuclear de Hiroshima, fosse ele o presidente “X” ou o presidente “Y”, sua tentação instintiva e atávica seria remover todos os entulhos. Ou seja, esse primeiro presidente pós-Lava Jato jamais se comportaria com o mesmo balé institucional dos anteriores. Suas entranhas o compeliriam a avançar e ocupar mais espaços de poder, sobre a terra arrasada em volta. E é o que Bolsonaro faz quando nada faz, na política.

O presidente, por uma decisão política, decidiu interpretar que o anseio generalizado da população – a “nova política” – é sinônimo de algo totalmente diferente, a “não política”. Ou seja de novo, a população votou pela renovação da política. Mas pela política! A “nova”! E não pela revogação da política, como cerebrinamente executado pelo governo. E o que é a “nova” política? É a “velha” sem corrupção e sem impunidade. Mas com política. Mas eis que o presidente introduz um elemento, sutil, para travar o mecanismo. Vira de costas para o Congresso e diz que a “não política” é a “nova política”.

Ocorre que, pela Constituição de 88, o poder presidencial não está mais concentrado apenas em um cinturão. Não basta ser “presidente da República” para exercer o poder presidencial. Como os campeões de boxe, é preciso unificar os “cinturões”. No caso, o poder presidencial está dividido em dois cinturões: um, o do presidente; outro, o do Congresso. É o semi-presidencialismo ou semi-parlamentarismo. Seja como for, o presidente para exercer na plenitude o poder presidencial precisa conquistar o “cinturão” do Congresso. E só existem duas formas.

A primeira é a que existia antes da Lava Jato e a que prevê a Constituição: o governo governa mas é governado pelo Congresso. E, nessa simbiose, obtém maiorias, avança pautas, compartilha espaços de poder. E o que a população quis? Quis que isso fosse feito sem corrupção e impunidade, com política. A “nova política”. Mas não a “não política”. Não houve em 2018 um plebiscito para eleição de um ditador. Mas…virar as costas para o Congresso, desconhecer o modelo de simbiose de poder da Constituição de 88 é forçar, na prática, a realização desse plebiscito. Não fazer política – o que significa sim em todo lugar democrático do planeta compartilhar espaços no Executivo para poder ter apoio no Legislativo – é apostar no conflito, no caos. E aí é que está: o que acontece no pós-caos? Ou o presidente cai ou…unifica os cinturões, adquirindo superpoderes presidenciais. Algo plenamente passível de se imaginar ou de se seduzir com a ideia, sobretudo quando se foi eleito com 56 milhões de votos e, em volta, o que se vê é raiva e ódio com a política. Por que não tentar apostar no caos?

A aposta, portanto, não é no caos. É no pós-caos. Esse cálculo leva em conta que, num ambiente de confusão geral, uma peça como a presidencial – que tiver um terço de apoio da sociedade – é um gigante diante de todos os outros nanicos pulverizados ao redor. E que se houver uma união no desespero, a corrida se dará em direção à maior nau e não em direção aos pequenos botes. Senhoras e Senhores, parem de chamar o presidente Bolsonaro de incompetente e imaturo. Ele está jogando xadrez. Assim como Jânio, que acreditou que jamais entregariam o poder a seu vice, o esquerdista e varguista, João Goulart. Jânio estava certíssimo: não entregaram. Houve o primeiro golpe dos anos 1960, o parlamentarismo. E depois a restauração do poder presidencial de Jango. E só depois o segundo golpe, militar.

Qual é o grande risco de Bolsonaro? O mesmo de Jânio. Ele pode estar absolutamente certo e acertar na sua previsão (jamais entregariam o poder a Jango em 1961), mas mesmo certo pode perder no final. Jânio renunciou, não entregaram o poder a Jango. A história é cheia de caprichos. Tão cheia que nada impede que Bolsonaro vença contra tudo e contra todos. Já não aconteceu uma vez?

Lembremo-nos de Apolônio, lembremo-nos de Shakespeare.

(Terminei com um lugar comum. Só pra combinar com o começo…)

Gostou?

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br