Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Quanto mais corrupto for o país, mais leis ele terá
Tácito
30/04/2019

Governo não explica como a Previdência sobreviverá ao regime de capitalização

"Discurso raso e ilógico", diz advogado Guilherme Portanova sobre proposta em que apenas trabalhador contribui

Juca Guimarães

Sem as informações sobre os estudos que embasam a reforma da Previdência, o governo de Jair Bolsonaro (PSL) ainda não conseguiu explicar como ficará o financiamento da folha do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). É o que alerta o advogado especialista em direito previdenciário, Guilherme Portanova.

:: Por que os chilenos lutam contra o modelo de Previdência que Bolsonaro quer copiar ::

Na terça-feira (30), será definido o cronograma de trabalho da Comissão Especial da Câmara dos Deputados, que vai analisar a PEC 06/19, nome oficial da reforma na Casa. A comissão foi criada na semana passada em meio a críticas da oposição, das entidades de aposentados e representantes dos trabalhadores, principalmente porque o governo decidiu manter em sigilo os dados e as projeções sobre a reforma.

Atualmente, o modelo de aposentadoria no Brasil é o de repartição solidária, ou seja, a geração ativa de trabalhadores, os impostos e a contribuição das empresas garantem o pagamento dos benefícios em vigor. Com a reforma, cria-se um novo modelo de capitalização individual. As empresas deixam de pagar o INSS do funcionários e os trabalhadores passam a juntar o dinheiro da própria aposentadoria, em contas individuais geridas por bancos, e também deixam de recolher para o sistema de repartição solidária.

Segundo Portanova, a nova proposta não terá como se sustentar.

"O regime de capitalização não tem a contribuição do empregador, não tem a contribuição por parte do governo, que seriam os impostos, nem da sociedade. Então, como é que o governo quer me fazer passar a ideia de que com uma receita, só a minha, que é o regime de capitalização, eu vou conseguir ter uma aposentadoria de no mínimo um salário minimo, se hoje, com 5 receitas, eu não tenho? Então, é um discurso raso e ilógico", afirma o advogado.

Ainda de acordo com Portanova, além de omitir informações sobre estudos que embasem a reforma, quando questionado, o governo não soube explicar como o regime vai se manter.

“Naquela sabatina da Câmara, que acabou em confusão, o ministro Paulo Guedes fugiu de uma explicação mais detalhada. Ele só deixou indicado que as medidas restritivas para os novos benefícios dariam conta da despesa”, disse.

O sistema previdenciário do Brasil é responsável atualmente pelo pagamento de cerca de 33 milhões de aposentadorias, pensões e demais benefícios do INSS, além do controle das contribuições de 45 milhões de trabalhadores com carteira assinada, servidores públicos e autônomos.

Fonte: Brasil de Fato
 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br