Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Ser delicado é prudente, ser indelicado é estupidez. Criar inimigos inutilmente é uma loucura, é como quem põe fogo à própria casa.
Schopenhauer
15/03/2019

Idade mínima e a “nova previdência”: aprofundando as desigualdades sociais no brasil

Medida de Bolsonaro (PSL) ignora as desigualdades sociais e diferenças regionais

André Barreto*

Brasil de Fato | Recife (PE)

A PEC 06/2019, chamada de “Nova Previdência” tem com um dos seus pilares centrais a idade mínima para se aposentar - Créditos: Divulgação

PEC 06/2019, chamada de “Nova Previdência” tem com um dos seus pilares centrais a idade mínima para se aposentar / Divulgação

Como prometido pelo Governo Federal, no dia 20 de fevereiro foi apresentada a sua proposta de Reforma da Previdência, a PEC 06/2019, sendo chamada de “Nova Previdência” e tendo por um dos seus pilares centrais a idade mínima para se aposentar. Ao longo das próximas colunas veremos que nessa proposta de reforma há uma série de regras extremamente prejudiciais e contrárias aos interesses da classe trabalhadora. Como é hoje? Para se aposentar, o trabalhador/a pode optar pela aposentadoria por idade (em que se exige 180 meses de contribuição e a idade mínima de 65 anos, homem, e 60 anos, mulher, com redução de cinco anos no caso de trabalhadores rurais) ou pela aposentadoria por tempo de contribuição (na qual se aplica a regra 85/95 – a soma da idade mais o tempo de contribuição deve ser de 85 anos para mulheres e 95 anos para homens).

O que propõe a “Nova Previdência”?

A previsão de uma idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos. Já para os trabalhadores rurais e professores, seria uma idade mínima de 60 anos, para homens e mulheres. Passa a haver apenas um único regime de aposentadoria, acabando com a aposentadoria por tempo de contribuição. Entendemos que o principal impacto dessas mudanças seria provocar a exclusão de uma grande parcela de trabalhadores dos benefícios e a retardaria o seu acesso, ignorando as desigualdades sociais e diferenças regionais.

*André Barreto é advogado trabalhista e previdenciário atuando no Recife, além de membro da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD).

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br