Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

A grandeza de uma nação e seu progresso moral podem ser julgados pela maneira como seus animais são tratados.
Mahatma Gandhi
15/03/2019

PEC da Reforma da Previdência endurece regras para aposentados especiais

OPINIÃO

PEC da Reforma da Previdência endurece regras para aposentados especiais

ImprimirEnviar25

14 de março de 2019, 12h25

Por Tatiana Perez Fernandes

Primeiramente, vale a pena relembrar que a aposentadoria especial é destinada àqueles que trabalharam expostos a agentes insalubres e periculosos por 15, 20 ou 25 anos (dependendo da agressividade do agente), possibilitando uma forma de aposentadoria mais vantajosa que para os demais.

Esse benefício deve-se pelo fato de que a atividade exercida coloca em risco a saúde do trabalhador, pois o faz em contato habitual e permanente a agentes que podem ser prejudiciais à sua saúde.

Ao se aposentar de forma especial, o trabalhador precisa ter o tempo mínimo exigido de contribuição, mas não precisa ter idade mínima, e se beneficia de uma aposentadoria muita mais vantajosa, pois não há a incidência do fator previdenciário. Logo, o segurado passa a contar com uma aposentadoria com 100% do salário de benefício.

A PEC 06/2019, que trata sobre a reforma da Previdência, traz mudanças substanciais sobre o tema, pois passa a exigir idade mínima, além de igualar a forma de cálculo das demais aposentadorias, ou seja, passaria a ter a incidência do fator previdenciário.

Importante esclarecer que, no que tange o Regime Próprio de Previdência Social (estatutários), até o presente momento, a legislação é falha nesse sentido. Ocorre que a Constituição Federal trata do instituto, mas deixa a critério dos estados e municípios a criação de lei complementar que regulamente a matéria.

Entretanto, são raros os estados e municípios que o fizeram, o que gerou nos últimos anos uma avalanche de ações para reconhecimento do direito à aposentadoria especial para o estatutário, gerando a edição da Súmula Vinculante 33 do STF, que determina que, na ausência de lei específica, deverá ser utilizada a legislação aplicada ao regime geral do INSS.

O projeto apresentado de reforma da Previdência prevê expressamente a possibilidade de aposentadoria especial para o estatutário, o que facilitaria o recebimento dos benefícios, já que não haveria necessidade do ingresso judicial para tanto.

Entretanto, prevê o tempo mínimo de contribuição de 25 anos, independente da função exercida, além de possuir cinco anos de atividade no cargo efetivo, bem como se enquadrar na fórmula dos pontos (soma da idade e do tempo de contribuição), que para este ano será de 86/96 pontos.

Referido projeto já traz a previsão de que, mesmo nesses casos, só terá direito a integralidade (cálculo do benefício com base na última remuneração efetiva) aquele que ingressou no sistema até 31/12/2003 e possuir, no mínimo, 60 anos.

Logo, teríamos o cenário abaixo:

Como é hoje PEC da reforma

RGPS (INSS) Sem idade mínima Idade mínima de:

– aposentadorias de 15 anos: 55 anos de idade;

– aposentadorias de 20 anos: 58 anos de idade;

– aposentadorias de 25 anos: 60 anos de idade

100% do salário de benefício Cálculo das demais aposentadorias, iniciando com 60% do valor do salário de benefício

RPPS (estatutário) As mesmas regras do INSS Regras próprias

Tempo de contribuição de 15, 20 ou 25 anos, dependendo da atividade 25 anos de contribuição

Não se utiliza critério de pontos Critérios de pontos para a concessão do benefício (em 2019, 86/96)

100% do salário de benefício Cálculo das demais aposentadorias iniciando com 60% do valor do salário de benefício, salvo para os que ingressaram antes de 31/12/2003

Vale a pena esclarecer que a PEC traz ainda regra de transição específica para os que pretendem se valer da aposentadoria especial no regime geral do INSS, sendo esta a mesma regra dos pontos, da seguinte forma:

Tempo de contribuição Pontos em 2019

15 anos 66 pontos

20 anos 76 pontos

25 anos 86 pontos

Referida pontuação aumentaria progressivamente, sendo que, na aposentadoria de 25 anos, chegaríamos aos 99 pontos.

Pouco se tem falado da aposentadoria especial quando se fala de reforma da Previdência, entretanto, trata-se de um ponto da proposta de extrema relevância, que irá impactar milhões de trabalhadores da indústria, da construção civil e da área da saúde, dentre outros.

Por tal razão, vale a pena o debate da sociedade para que possam demonstrar se estão satisfeitos ou não com a proposta apresentada.

ImprimirEnviar25

Topo da página

Tatiana Perez Fernandes é sócia do Custódio Lima Advogados Associados, especialista em Direito do Trabalho e Previdenciário. Pós-graduada em Direito e Relações do Trabalho pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo e em Direito Previdenciário pela Damásio Educacional.

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br