Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

O que faz o bem aos outros dá a si mesmo o maior dos presentes
Sêneca
08/01/2019

A CLT é um documento fascista?

Comparar a CLT à Carta del Lavoro tem como objetivo desqualificar as demandas sociais e reduzir o trabalhismo a um fascismo tropical

Após a última declaração do ministro Paulo Guedes, ressurgiu a história da suposta origem fascista da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). O preconceito é uma escura fumaça que, ainda hoje, encobre a história do trabalhismo brasileiro.

Comparar a CLT à Carta del Lavoro é uma manipulação ardilosa, capaz, inclusive, de enganar pessoas com conhecimento razoável sobre a história brasileira. Essa narrativa foi construída operando uma confusão proposital e, muitas vezes, imperceptível. A inspiração fascista esteve presente na legislação sindical, não na trabalhista. Essa inversão não é inocente. O objetivo é desqualificar as demandas sociais e reduzir o trabalhismo a um fascismo tropical.

O trabalhismo varguista foi construído por meio de um pacto entre o presidente e os trabalhadores urbanos. De um lado, os operários teriam ganhos materiais, ou seja, os direitos sociais, e simbólicos, como a valorização do trabalho manual, que, nas décadas anteriores, era vista com desprezo. De outro, porém, os trabalhadores perderiam parte da sua autonomia.

Durante o Estado Novo, a Justiça do Trabalho permaneceu subordinada ao Poder Executivo, permitindo ao governo controlar os sindicatos. Essa seria a parte, de acordo com o pacto trabalhista, na qual os operários cederiam. Mas, como dito, a questão era multifacetada. A pauta trabalhista iria avançar e as demandas sociais seriam reconhecidas como direito legítimo do trabalhador.

Ou seja, ao contrário do que muitos imaginam, a invenção do trabalhismo não foi mera manipulação populista, mas um jogo consciente de interesses. Os trabalhadores recuavam e, ao mesmo tempo, avançavam. Confundir proteção social com legislação autoritária é um artifício para transformar avanço em retrocesso. Apresentar as conquistas de baixo como manipulação de cima.

Essa narrativa, ao separar a política do seu sentido histórico, esvazia a potência transformadora do presente, limita a capacidade criativa e, consequentemente, os horizontes de possibilidade na direção de outros futuros.

Com a Constituição de 1946, a Justiça do Trabalho passou a fazer parte do Poder Judiciário, impossibilitando a interferência do governo e desmontando a política corporativista. Os sindicatos, por sua vez, retomaram a atividade politica ainda com mais força.

O trabalhismo também sofreria importantes modificações. Após a morte de Vargas, os trabalhistas incorporaram a lógica da luta de classes. O Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) ainda iria apresentar, na década de 60, um programa de reformas estruturais e as bases de uma nova política externa. Essa política externa independente seria orientada de acordo com os interesses nacionais e embasada dentro de critérios éticos previamente definidos.

A ditadura militar foi a solução para barrar o avanço das demandas populares, que, num regime democrático, teriam vantagem nas urnas. A árvore seria podada, mas suas raízes permaneceriam intocadas, encravadas na memória histórica. É essa tradição que incomoda.

Para os conservadores, a ameaça é a democracia deixar de ser formal e entrar num processo de democratização. E, nesse caso, o fascismo seria a solução, não o problema.

Eduardo Migowski é professor formado em história, mestre em filosofia pela PUC do Rio de Janeiro e atualmente faz doutorado em ciências políticas na Universidade Federal Fluminense (UFF).

O

 
+ Clipagem

Reforma da Previdência - 44 coisas que você não pode deixar de saber - Leiam a matéria em anexo. Repense, reavalie esta Reforma da Previdência proposta. Faça sua parte, ajude na di

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br