Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
06/12/2018

Desemprego, trabalho informal e desigualdade cresceram no ano passado

De 2014 a 2017, país "ganhou" 6,2 milhões de desempregados e 1,2 milhão de informais. Brancos ganham 72% a mais do que negros e homens recebem 30% a mais que mulheres

por Redação RBA

Desemprego entre pretos/pardos, historicamente superior, atingiu maior diferença, com taxas de 14,7% e 10%, respectivamente

São Paulo – No mercado de trabalho, o desemprego subiu para 12,5% em 2017. Era de 6,9% em 2014. Ou seja, aumentou significativamente depois do impeachment. São 6,2 milhões de desempregados a mais no período, para 13,1 milhões. Os dados são da Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada hoje (5) pelo IBGE, que mostrou aumento da pobreza no ano passado.

O desemprego entre pretos/pardos, historicamente, sempre foi maior que o de brancos. Mas em 2017 atingiu a maior diferença. Essas taxas foram de 14,7% e 10%, respectivamente.

A taxa de desocupação cresceu em todas as regiões no ano passado. Chegou a 14,7% no Nordeste (ante 8,5% em 2014). Passou de 7,5% para 11,9% no Norte, de 7% para 13,3% no Sudeste, de 4,3% para 8,3% no Sul e de 6% para 10,5% no Centro-Oeste. Também subiu em todas as faixas etárias, atingindo 22,6% entre os que têm de 14 a 29 anos. E pela primeira vez ultrapassou os 4% entre as pessoas com 60 anos ou mais. Até 2014, ficou abaixo de 2%.

O trabalho informal atingiu 37,3 milhões, 40,8% da população ocupada, ou dois em cada cinco trabalhadores. São 1,2 milhão a mais desde 2014, quando a informalidade atingia 39,1% dos ocupados.

Leia também:

IBGE: pobreza e informalidade aumentaram no Brasil

O salário médio dos trabalhadores brancos foi de R$ 2.615 no ano passado, 72,5% a mais do que o recebido por pretos e pardos (R$ 1.516). Já os homens (R$ 2.261) ganhavam 29,7% a mais que as mulheres (R$ 1.743).

O rendimento médio habitual (R$ 2.039) cresceu 2,4% em termos reais de 2012 a 2017. Empregados sem carteira assinada recebiam R$ 1.158, o equivalente a 56,8% dos que tinham carteira (R$ 2.038).

O número de trabalhadores cresceu 3,1% de 2012 a 2014, caindo 1,1% nos três anos seguintes. Considerando todo o período (2012 a 2017), as atividades que mais perderam mão de obra foram agropecuária (-15,9%), administração pública (-12,14%), indústria (-7,9%) e construção (-6,4%). Os serviços tiveram comportamento oposto, recuando 2,9% até 2014 e crescendo 3,7% depois.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br