Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
06/12/2018

Ministério do Trabalho resgata 22 trabalhadores em SC

Em ação de rotina no município de Bom Retiro, auditores-fiscais encontraram o grupo, recrutado de forma irregular, alojado em uma única casa, sem as mínimas condições de higiene e acesso à água potável

Uma ação de rotina da fiscalização rural do Ministério do Trabalho em Santa Catarina flagrou, no último dia 30 de novembro, 22 trabalhadores em condição análoga à de escravo no município do Bom Retiro, no norte do Estado.

O grupo, recrutado no Piauí, prestava serviços a diversos produtores de cebola, tendo sido transportados sem prévia comunicação ao Ministério do Trabalho e sem nenhum registro em carteira de trabalho. “O recrutamento irregular configura, em tese, crime de aliciamento, previsto no artigo 207 do Código Penal”, explica chefe da fiscalização em Santa Catarina, Pedro Henrique Maglioni da Cruz.

Os auditores-fiscais do Ministério do Trabalho verificaram ainda que todos os trabalhadores estavam alojados em uma única casa, com três quartos, sem as mínimas condições de higiene e conforto, com lixo acumulado por todo o local. “Fora isso, não havia fornecimento de água potável e filtrada, pedaços de espuma eram improvisados como colchões e as instalações sanitárias apresentavam condições precárias de manutenção e higiene”, relata Pedro Cruz. Ele acrescenta que a casa tinha graves problemas de infiltração, fazendo com que a água da chuva invadisse os cômodos, misturando-se à sujeira e ao lixo acumulado no local e atingindo os colchões e pertences dos trabalhadores.

Todos os trabalhadores foram resgatados e hospedados em um hotel na região. Eles aguardam a conclusão dos procedimentos do resgate e o pagamento das verbas rescisórias devidas, além do recebimento das guias de seguro-desemprego e o retorno ao local de origem.

Segundo Pedro Cruz, a equipe de fiscalização recebeu informações de que existiriam outros aliciadores na região, havendo inclusive relatos de que trabalhadores estariam sendo pagos com drogas, especialmente crack. Essas denúncias serão investigadas e informadas às autoridades competentes para apuração de ilícitos na esfera criminal.

O auditor-fiscal salienta que a Superintendência Regional do Trabalho em Santa Catarina (SRT-SC) voltou a intensificar neste ano a fiscalização na colheita da cebola, uma a atividade que permanece como importante foco de infrações trabalhistas no estado, mesmo com esforços empreendidos pelo Ministério do Trabalho em fiscalizar e orientar os produtores nos últimos anos.

A operação de fiscalização do Ministério teve apoio da Polícia Rodoviária Federal, que garantiu a segurança da equipe, e da Secretaria de Assistência Social de Bom Retiro, que realizou o acolhimento dos trabalhadores.

 
+ Capa

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br