Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Critique a si mesmo, mas não fique desesperado com isso.
Epicteto
14/11/2018

Bolsonaro só aprovará reformas sem polarização em temas sociais, diz Canuto

Precisa criar ambiente favorável

Aprova Joaquim Levy no BNDES

Há confiança na agenda econômica

Autonomia do BC é necessária

Leia entrevista com Otaviano Canuto

Além da atividade no setor financeiro, Canuto também trabalhou no Ministério da Fazenda e foi professor na USP e na Unicamp

PODER360

14.nov.2018 (quarta-feira) - 5h50

atualizado: 14.nov.2018 (quarta-feira) - 7h14

O economista Otaviano Canuto não acredita que reformas estruturais, como a da Previdência, serão aprovadas caso o Brasil viva 1 ambiente de polarização em áreas como meio ambiente, direitos sociais e direitos humanos.

“Será importante que o contexto polarizado do período eleitoral no que diz respeito a políticas sociais e ambientais e de direitos humanos seja deixado para trás, sob pena de solapamento das condições políticas para reformas caso isso não ocorra“, afirma.

Receba a newsletter do Poder360

todos os dias no seu e-mail

seu e-mail

Em entrevista ao Poder 360, o economista afirmou que parece “haver confiança de que a agenda econômica [de ajustes e reformas] será perseguida“. Caberá ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, no entanto, criar as condições políticas para aprovar os projetos.

Após 2 anos de mandato à frente do quadro de diretores-executivos do Banco Mundial –pelo qual foi eleito por Brasil, Colômbia e mais 7 países da região–, Canuto, 62 anos, finalizou mais 1 período de seu extenso currículo nos principais organismos do setor financeiro mundial.

Deu fim ao ciclo cantando o clássico “Somewhere over the rainbow“.

A carreira do economista inclui mandatos como diretor-executivo do FMI (Fundo Monetário Internacional), vice-presidente do Banco Mundial e do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

Na entrevista, Canuto comentou sobre as perspectivas de recuperação da economia brasileira, a expectativa do setor com a eleição de Jair Bolsonaro, a autonomia do Banco Central e a indicação do colega Joaquim Levy para a presidência do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento).

Poder360: Quais os planos a partir de agora?

Otaviano Canuto: Estou abrindo uma empresa de provisão de serviços de consultoria para governos e clientes privados, na elaboração de cenários estratégicos e como suporte nas relações com investidores. A empresa também organizará minhas apresentações públicas, além de oferecer treinamento para executivos em Washington e NY.

Também continuarei membro de think tanks em Londres (Official Monetary and Financial Forum) e Marrocos (OCP Policy Center), agora trabalhando formalmente à distância desde Washington.

Aceitei convite para tornar-me 1 membro não-residente no Brookings Institute, em Washington. Finalmente, estou analisando convites para participar de boards corporativos.

Sob o ponto de vista internacional, qual a visão dos principais agentes econômicos a respeito da recuperação da economia brasileira?

Há forte convergência em torno da ideia de que a lentidão da recuperação econômica em curso só poderá ser contornada com 1 retorno de investimentos privados –domésticos e externos– e uma consequente elevação no ritmo potencial de crescimento sustentável.

Para tal, será fundamental a confiança de que haverá reformas fiscais –como a da Previdência– que apontem para uma gradual reversão da trajetória de deterioração fiscal do passado recente. Ao mesmo tempo, serão relevantes reformas estruturais que permitam uma melhora nos níveis de produtividade do país.

Cabem aí não apenas a continuidade de reformas que ampliem o acesso ao financiamento sem que este dependa de elevados subsídios do setor público, como também a simplificação do sistema tributário e, gradualmente, redução das barreiras comerciais que hoje tornam o país comercialmente fechado. Sinais de compromisso com a melhora de qualidade da governança do setor público são 1 foco adicional de atenção.

Quais as principais perspectivas do setor empresarial após a eleição de Jair Bolsonaro?

Parece-me haver confiança nos sinais de que a agenda econômica que mencionei será perseguida. Dois fatores adicionais também pesarão.

Além de confiança na capacidade de execução, naquilo que depender do Poder Executivo, será também importante que o contexto polarizado do período eleitoral no que diz respeito a políticas sociais e ambientais e de direitos humanos seja deixado para trás, sob pena de solapamento das condições políticas para reformas caso isso não ocorra.

Qual efeito as privatizações de Bolsonaro terão no setor financeiro do país?

Será necessário conhecer o conteúdo concreto de tais propostas. Em princípio, há que se levar em conta que a linha divisória de atribuições entre setores público e privado esteve confusa no passado recente.

Tome-se, por exemplo, investimentos e serviços de infraestrutura. Há segmentos em cada de uma de suas cadeias de valor nos quais a melhor execução tende a ocorrer pelo setor público ou por agentes privados.

Cumpre buscar a sintonia fina na repartição de tarefas de modo a reforçar o financiamento e/ou a gestão pelo setor privado, onde couberem, o que permitirá resultados maiores por cada (escasso) recurso público despendido.

Vejo a possibilidade de privatizações como instrumento de tal sintonia fina, além de, eventualmente, ao fecharem fontes de pressão negativa sobre as contas públicas, contribuírem para a redução de deficits públicos.

Quais são as implicações da autonomia do Banco Central no ponto de vista econômico do país?

A autonomia legal está ao alcance e teria implicações em termos de reforço da confiança no compromisso do país com a responsabilidade macroeconômica. Ajudaria na trajetória de baixa nas taxas de juros necessárias para se manter a inflação sob controle.

Qual a sua opinião sobre a indicação do Joaquim Levy para a presidência do BNDES?

Conheço Joaquim de perto, até por várias intersecções profissionais ao longo do tempo. Fomos colegas de equipe na Fazenda, quando ele foi secretário do Tesouro e eu, de Assuntos Internacionais. Depois fui vice-presidente no BID imediatamente depois de período dele nessa posição.

Quando ele estava no Bradesco e eu era vice-presidente no Banco Mundial, trabalhamos juntos na advocacia pela melhora do ambiente de negócios no Brasil através de reformas sugeridas no relatório Doing Business do Banco. Quando ministro da Fazenda, sugeriu aos demais ministros colegas de constituency e fui votado para ser diretor-executivo no FMI.

Finalmente, agora no Board do Banco Mundial, interagi com ele enquanto CFO (diretor financeiro) do Banco. Tenho enorme admiração por seu caráter, sua competência técnica e seu compromisso com causas nobres, particularmente o desenvolvimento econômico brasileiro.

Uma face talvez menos conhecida de sua dedicação está na busca de soluções financeiras para o desenvolvimento ambientalmente sustentável. Como brasileiro, estou muito feliz com a nova missão dele no BNDES.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br