Pesquisa Notícias:
   
 
INSTITUCIONAL
Sobre a Agitra
Diretoria
Estatuto Social
 
SERVIÇOS
Verbo
Convênios
Turismo
WikiTrabalho
Pesquisa Conteúdo
Fale Conosco
Acesso Restrito
 
DIÁLOGOS COM A AUDITORIA DO TRABALHO

Segurança e as Novas Tecnologias na Construção Civil

Higiene Ocupacional: Quebrando Paradigmas

Nossos pensamentos, conforme forem bons ou maus, podem nos conduzir ao paraíso ou ao inferno; isso não acontece nem no céu nem embaixo da terra, mas aqui, nessa vida.
Lucy Malory
05/11/2018

A transparência como medida de combate ao trabalho escravo em cadeias produtivas

Mecanismos de transparência e controle devem ser variados, sobretudo se considerada a complexidade das cadeias

GABRIELA NEVES DELGADO

MAURÍCIO FERREIRA BRITO

Entre os diversos mecanismos previstos no novo diploma jurídico, merece destaque o imperativo de transparência exigido das empresas para demonstrar a fiscalização e não ocorrência de trabalho escravo ou de tráfico de pessoas em suas cadeias produtivas (Parte 6 do Modern Slavery Act).

+JOTA: Faça o cadastro e leia até dez conteúdos de graça por mês!

Chama atenção, na Parte 6 da Lei da Escravidão Moderna britânica, o dever das organizações comerciais de publicar, a cada ano financeiro, um relatório com a declaração das medidas tomadas durante aquele exercício para assegurar que práticas de escravidão e de tráfico de pessoas não ocorram em quaisquer de suas cadeias de fornecimento ou em alguma parte específica do seu negócio.

O atestado de transparência também pode incluir informações sobre: a) as políticas internas empresariais adotadas para o combate à escravidão e ao tráfico de pessoas; b) os processos de compliance relacionados à escravidão e ao tráfico de pessoas nos negócios e cadeias de produção; c) os riscos de ocorrência de trabalho escravo e tráfico de pessoas em etapas da cadeia produtiva; d) as medidas adotadas para se avaliar e gerenciar tais riscos; e) a conscientização e capacitação de empregados.

Ainda conforme a Parte 6 do Modern Slavery Act, caberá à organização econômica publicar, no seu endereço eletrônico e em lugar de destaque na página inicial, a declaração de combate às práticas de escravidão e de tráfico de pessoas. Na ausência de endereço eletrônico, deverá fornecer declaração de idêntico teor a qualquer interessado que a solicite por escrito.

Uma breve análise da Parte 6 do Modern Slavery Act evidencia o esforço do Reino Unido em formatar um diploma normativo moderno, pautado na fixação de uma política pública inédita de transparência e fiscalização de ocorrências de trabalho escravo e tráfico de pessoas em cadeias produtivas.

Nesse compasso, em outubro de 2018, o Reino Unido publicou o Annual Report on Modern Slavery2, e documentou o pioneirismo e a importância de se obrigar corporações empresariais a informar os passos adotados para erradicar o trabalho escravo em suas cadeias produtivas.

Partindo-se para o cenário jurídico interno, verifica-se que o Brasil também apresenta políticas relacionadas à transparência como instrumento para prevenção, enfrentamento e controle das práticas de escravidão contemporânea, com destaque para o Cadastro de Empregadores3 que tenham submetido trabalhadores à condição análoga à de escravo, sendo este um dos temas da ADPF nº 489/DF, pendente de julgamento no Supremo Tribunal Federal, e que recebeu parecer da Procuradoria-Geral da República em 25/10/20184.

Neste parecer, entre os vários pontos elucidados, a Procuradoria-Geral da República reforçou a necessidade de manutenção, no caso brasileiro, de políticas de transparência e publicidade para o recrudescimento das ações nacionais de combate ao trabalho escravo, mediante o “empoderamento dos agentes competentes a fazê-lo, inclusive com a manutenção da intitulada ‘lista suja’”, apresentando como paradigma o “Caso Trabalhadores da Fazenda Brasil Verde vs. Brasil”, sentenciado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, em 20 de outubro de 20165. De fato, por ocasião do julgamento internacional, a Corte Interamericana destacou a “lista suja” como uma das relevantes políticas públicas adotadas pelo Estado brasileiro após os compromissos internacionais assumidos em 19956.

O Cadastro de Empregadores que exploram mão de obra escrava foi instituído em 2003, por meio da Portaria nº 1.234, devendo o Ministério do Trabalho publicar e atualizar, desde então, a lista de empregadores que escravizam trabalhadores em seus negócios.

Este registro se justifica, na perspectiva constitucional, porque reflete, em sua dinâmica constitutiva, os direitos fundamentais à informação (art. 5º, XXXIII), à publicidade (art. 5º, LX; art. 37, caput e §1º), à transparência pública, e à moralidade administrativa (art. 37, caput e §4º), corroborando para a promoção da ética e probidade em todos os setores, públicos e privados, do Brasil.

Ainda dentro do aspecto constitucional, a função social da empresa possui sustentáculo tanto no viés da livre iniciativa (art. 1º, IV, c/c/ art. 170, III), como na perspectiva de garantia individual (art. 5º, XXIII), e igualmente fundamenta a transparência na prevenção e erradicação do combate ao trabalho escravo.

Na dimensão infraconstitucional, segue a Lei de Acesso à Informação, nº 12.257/2011, que determina o amplo acesso e divulgação (art.6º, I), independentemente de solicitações (art. 3º, II), proporcionando o controle social da administração pública (art. 3º, V), de todo ato administrativo e informações de interesse público7.

Tais fundamentos servem de alicerce (assim como o exemplo do Modern Slavery Act britânico, na perspectiva do direito comparado), para levar aos particulares, notadamente às grandes corporações empresariais brasileiras, o dever de transparência e de fiscalização em suas cadeias produtivas, com o intuito de prevenir e erradicar o trabalho escravo.

À luz dessas premissas, o passo seguinte deve ser dado na direção do aperfeiçoamento e aprofundamento das medidas de transparência nas cadeias produtivas. Para além da espera do agir do Estado brasileiro, que conta com amplo supedâneo constitucional e quem sabe se aproximando da exitosa experiência inglesa, as próprias corporações empresariais, independentemente de qualquer novo regramento heterônomo, já deveriam buscar fórmulas para gerenciar o risco de trabalho análogo ao de escravo em suas cadeias produtivas, valendo-se de medidas de compliance, adequando, para tal desiderato, seus regulamentos internos e códigos de conduta.

Também os sindicatos, especialmente em setores sensíveis pela óptica do trabalho escravo, devem se mobilizar a favor da fixação de cláusulas sociais nos instrumentos coletivos negociados, referentes aos deveres empresariais de conhecimento, conscientização, prevenção e erradicação do trabalho escravo nas cadeias produtivas.

Por certo, os mecanismos de transparência e controle devem ser variados, sobretudo se considerada a complexidade e extensão das cadeias produtivas. Medidas de transparência seguramente contribuem e contribuirão para o alcance da máxima eficiência do sistema de proteção ao trabalho e de combate às práticas de escravidão contemporânea no Brasil.

***Este espaço é compartilhado por professores e pesquisadores integrantes do Grupo de Pesquisa “Trabalho, Constituição e Cidadania” da Faculdade de Direito da UnB e por pesquisadores convidados.

—————————————-

1 http://www.legislation.gov.uk/ukpga/2015/30/contents/enacted

2 https://www.gov.uk/government/publications/2018-uk-annual-report-on-modern-slavery

3 O Cadastro de Empregadores é usualmente identificado pela expressão “lista suja”.

4 http://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=15338929576&ext=.pdf

5 http://www.corteidh.or.cr/docs/casos/articulos/seriec_318_por.pdf.

 
+ Clipagem

Negociação coletiva é importante para patrão e empregados - Por André F. WatanabeO mundo do trabalho passa por constantes mudanças. Com elas, os desafios de compreender qu

Carreiras de Estado repudiam estratégia do governo de culpar servidor pela crise econômica - O Fórum das Carreiras de Estado (Fonacate) divulgou nesta sexta-feira (1º) nota à imprensa e à sociedade repudiando a es

ANFIP - TCU suspende pagamento de bônus para aposentados - A ANFIP publicou matéria sobre a suspensão do pagamento de bônus para aposentados e pensionista. A notícia está assim re

Dívida Explode. Por que? - Dívida explode. Por que?Auditoria Cidadã da Dívida25/7/2017Hoje os jornais alegam que a dívida pública federal

Vladimir Safatle alerta para o fim do emprego - Nunca na história da República o Congresso Nacional votou uma lei tão contrária aos interesses da maioria do povo brasil

+ Notícia

 
AGITRA - Associação Gaúcha dos Auditores Fiscais do Trabalho
home | Fale Conosco | localização | convênios
Av. Mauá, 887, 6ºandar, Centro, Porto Alegre / RS - CEP: 90.010-110
Fones: (51) 3226-9733 ou 3227-1057 - E-mail: agitra@agitra.org.br